Cesária Évora, paz à sua voz

Lembro-me de ouvir Cesária Évora quase desde pequeno. Lembro-me, já lá vão muitos anos, dos discos de 33 rotações que passavam nas festas dos meus pais, dos singles de 45 que continham sucessos que todos os seus amigos cantavam. Eu puto, a ouvir aquilo e aquilo a entranhar-se em mim. Depois, sim, ouvi-a muito, vi-a menos do que desejaria.

Depois soube-se que já não cantaria mais, apesar de amigos em Cabo Verde me terem assegurado que preparava um último concerto nas ilhas que eram suas. Não foi assim. Quem canta agora, Cesária, mo da bô?

Ildo Lobo, Orlando Pantera e tantos outros estão felizes seguramente. Mais alguém para se juntar a eles e fazer a festa no paraíso. 

Cesária Évora 1941-2011, RIP

Esta semana só morrem os bons. Adeus Cesária.

Cesária Évora: quem nunca a viu cantar ao vivo, já não vê

Tive a sorte de a ver ao vivo algumas vezes e tenho a fortuna de as recordar.

Agora, a senhora dos pés descalços anuncia um ponto final numa carreira que deve muito a França e a Paris como grande centro difusor da música – e da cultura- africana, por muito que isso custe a quem se julgue mais próximo de África, que a língua é que nos une e tal e tal.

Eu, Cesária, também só queria poder cantar mo da bô* e é ma bô** que eu queria aprender…

* como você

** com você