Cortinas de fumo

Os jogos, ou jogatanas, como diria Jerónimo de Sousa, da dívida pública explicados por Ricardo Cabral. Estado chinês, Eurogrupo, FMI e governo, pela mão do IGCP, num vale tudo com o dinheiro público, o nosso.

Uma poupança de menos de 90 M€ por ano até 2021 e que desaparece completamente após 2024, em contraponto com o compromisso do Governo de manter uma almofada financeira que poderá custar 200 M€ por ano, durante um prazo indefinido, mas que poderá ser longo, não se afigura de facto uma medida de política económica avisada e prudente.

(…)

Esta “almofada financeira” pública [“7900 M€ corresponde a quase 4% da riqueza produzida anualmente em Portugal”], que, faz anos, não há maneira de descer e os resgates obscenos à banca constituem os principais desperdícios de dinheiros públicos do passado recente. [Ricardo Cabral, Público]