O Carro Sobre Carris de Vila do Conde à Póvoa de Varzim

Fotografia secular.

O Comboio na Póvoa

Em meados dos anos 70, um comboio traccionado pela mais poderosa locomotiva de via estreita portuguesa CP E144, e rebocando quatro carruagens de fabrico italiano, passa sob o aqueduto de Santa Clara. Esta locomotiva ainda hoje existe; o local também: é hoje atravessado pelo Metro do Porto.

Estação da Senhora da Hora

Um comboio ascendente, proveniente de Porto Trindade e com destino a Guimarães-Fafe ou Póvoa de Varzim, parte da estação da Senhora da Hora. A fotografia será de 1977/78, anos da entrada ao serviço destas automoras duplas de via métrica fabricadas pela Alsthom; o edifício de passageiros ainda existe, preservado, ao lado do qual passam agora as composições do Metro do Porto. Algumas destas automotoras são agora úteis às populações de vários países africanos e da Argentina.

Ramal de Famalicão


Até a um ano incerto da década de 1990, uma via métrica ligava a Póvoa de Varzim à então vila de Famalicão onde interceptava a via larga do Minho (Braga/Viana/Valença/Vigo/Monção); na via mais à direita, é visivel o algaliamento da via estreita (um metro de largura) com a via larga (1,668 m de largura). Este algaliamento existiu até meados da década de 90 entre Famalicão, Lousado (onde interceptava a Linha de Guimarães) e Trofa, de onde inflectia em direcção à Maia e Senhora da Hora.

Estação de Vila do Conde

Cruzamento de comboios na estação de Vila do Conde, traccionados pelas locomotivas E141 e E144; esta última encontra-se patente no museu ferroviário de Lousado. Neste local cruzam-se agora em plena via as composições do Metro do Porto. Fotografia dos anos 40-50.

Estação da Senhora da Hora

A locomotiva E141 reboca um pequeno comboio (120 toneladas) provavelmente oriundo da Póvoa de Varzim. Anos 40-50.

Avenida da França – 2

Esta fotografia de um comboio oriundo da Póvoa ou Guimarães e com destino a Porto Trindade terá pouco mais de 60 anos; a locomotiva E86 com a caixa de ferramentas em cima do tanque esquerdo.

Porto Boavista

Avenida da França, Linha da Póvoa e Guimarães, 1968; esquerda é visivel a anterior estação terminal Porto Boavista. À cabeça de um comboio muito provavelmente oriundo da Póvoa de Varzim, a locomotiva E141, de fabrico alemão, da série mais potente das vias estreitas portuguesas. Poucos anos faltavam até que começassem a concorrer directamente com locomotivas a diesel. Não perdiam a corrida, diz quem sabe.

Avenida da França

Avenida da França em 1968; à esquerda, uma locomotiva a vapor da série 140 (a mais potente das vias estreitas portuguesas), fabricada pela Henschel (Alemanha) em 1931. À direita, uma automotora de fabrico holandês Allan. Este troço comum às antigas vias métricas da Póvoa-Famalicão e Guimarães é agora ocupado pelo Metro do Porto: estação Casa da Música.