Hipócritas e Excêntricos: a solidariedade que nos vendem e o mundo real.

Tive finalmente oportunidade de ver a mediática entrevista de Lorenzo Carvalho a Judite de Sousa. Não há muito a acrescentar ao que já tem sido veiculado nos últimos dias: é um miúdo mimado que gasta dinheiro desenfreadamente (culpa dos pais e da educação que lhe deram), Judite de Sousa foi uma péssima profissional (até o professor Marcelo lhe passou um raspanete) e a escolha do entrevistado não admira se tivermos em conta os habituais critérios sensacionalistas da TVI. É a silly season no seu melhor!

Do discurso do jovem Lorenzo, que foi bem mais “articulado” do que era de esperar, principalmente quando confrontado com a agressividade do interrogatório de uma jornalista experiente num dia particularmente “incisivo” não há muito a dizer. Defendeu-se por trás do escudo do livre arbítrio, essa característica tão cara às democracias, e manteve a serenidade num contexto onde muitos explodiriam com facilidade. Houve, porém, algo que reteve a minha atenção: quando confrontado com a sua suposta ausência de intervenção social, o piloto da Ferrari repetiu várias vezes:

“eu nunca vou fazer nada que não seja sincero”

Correndo o risco de estar a fazer uma má interpretação, a ideia que me fica deste “eu nunca vou fazer nada que não seja sincero” equivale ao rapaz dizer que não vai andar por ai armado em altruísta apenas para parecer altruísta, fazendo solidariedade hipócrita para cultivar uma imagem de mecenas desinteressado. É egoísta? Poderá ser. Mas não deixa de ser sincero e contrasta com muita solidariedade hipócrita de alguns “notáveis” da nossa sociedade.

[Read more…]

Por que é que o Pais do Amaral não ajuda quem lhe pede ajuda?

Eis a pergunta que a Judite de Sousa pode fazer numa das suas próximas entrevistas.
A Pais do Amaral. Ou a Belmiro de Azevedo. Ou a Américo Amorim. Ou a Ricardo Salgado.
Há tantos a quem pode perguntar isso. Não acredito é que tenha coragem.