Pânico, disse o Correio da Manhã

No passado Domingo, dei comigo a espetar-me de frente com esta chocante machete do Correio da Manhã: durante 55 minutos, entre as 21:40h e as 22:35h, hora a que foi publicada a peça, uma falha na rede multibanco impossibilitou levantamentos e pagamentos com cartão. Pânico, disse o Correio da Manhã. Pânico, pois claro! Toda a gente de bem sabe que 55 minutos sem multibanco equivale a um país paralisado, mergulhado no caos absoluto. Inevitavelmente, fiquei logo cheio de medo.

Na falta de florestas a arder, que tantos euros rendem ao sensacionalismo imbecil, o Correio da Manhã precisava de uma polémica. Foi a falha no multibanco, poderia perfeitamente ter sido um surto ervas daninhas em Vila Real de Santo António. Porque o jornalismo do Correio da Manhã é isto: exagero, manipulação, mentira e instrumentalização das emoções mais primárias de quem ainda perde tempo a ler essa anedota jornalística. E Portugal adora este jornalismo de esgoto, não é mesmo?

A fortuna de Evo Morales e outros crimes sem importância

Há pouco mais de uma semana, um dos temas quentes na imprensa portuguesa foi o estratosférico saldo bancário acumulado pelo presidente da Bolívia, Evo Morales, que passou de 21.276 mil dólares, em 2006, ano em que foi eleito pela primeira vez, para os actuais 58.681. Apesar de não faltarem em Portugal presidentes de junta que em menos de um ano desviam bem mais do que esse valor, através de ajustes directos para família, amigos e esquemas que revertem para os próprios ou para futuras campanhas, às claras e perante o silêncio generalizado da esmagadora maioria da população, a fortuna de Evo Morales foi por cá motivo de grandes discussões filosóficas e linchamentos virtuais que duraram vários dias. [Read more…]

Dez minutos

Foi o tempo que uma criança de 11 anos precisou para piratear o site de divulgação de informação eleitoral, que será utilizado para as eleições intercalares deste ano nos EUA. Se fosse russo não conseguia, que eles não percebem nada de computadores.

Sobre a normalização da brutalidade nos EUA

Nos EUA, uma criança de 11 anos foi apanhada a roubar comida num supermercado. Perante tão hediondo crime, qual foi a solução encontrada pelo segurança do estabelecimento, que por acaso também é polícia? Parar a perigosa delinquente com o seu taser. Sim, é mesmo verdade: um agente da autoridade norte-americano achou que a solução para aquele grande assalto era uma violenta descarga eléctrica numa criança de 11 anos, uma descarga eléctrica que poderia ter sido fatal.

Podia voltar a lógica de uma publicação que fiz ontem, e perguntar como reagiria o mundo dito civilizado se um incidente destes tivesse acontecido, por exemplo, na Rússia. Estaríamos, muito provavelmente, a generalizar e a discutir práticas totalitárias dos perigosos comunistas que há décadas deixaram de o ser. Mas estou mais preocupado com o que se está a passar nos EUA, onde a brutalidade se está a normalizar a um ritmo alucinante. Onde, entre outras maravilhas da era Trump, é hoje legalmente possível fazer armas de fogo com uma impressora 3D, fora do controle das autoridades. E verdadeiramente assustado com a possibilidade de ver estas monstruosidades serem exportadas para a Europa, para gáudio dos Orbáns e Salvinis desta vida.

Quando as “nossas” ditaduras rebentam com autocarros escolares.

Fotografia: Naif Rahma/Reuters@CBC

A Arábia Saudita conduziu hoje um ataque aéreo contra o Iémen. Entre os “danos colaterais”, um autocarro escolar foi atingido, causando dezenas de mortos e feridos graves, na sua maioria crianças. O que vale é que a Arábia Saudita é grande amiga do Ocidente democrático, e que as armas usadas para matar estas crianças terão sido compradas algures entre os EUA e a Europa, por isso, à partida, está tudo bem. Porque se os responsáveis por trás deste ataque fossem, sei lá, iranianos, estava o caldo entornado. A malta fica sempre muito mais descansada quando são as “nossas” ditaduras e rebentar com autocarros escolares.

O suicídio virtual do homofóbico fanfarrão

Era uma vez um homofóbico, de seu nome Emmanuel de Preval, que tinha uma empresa de distribuição de bebidas para eventos de grande dimensão. Um certo dia, a empresa de Emmanuel recebeu uma encomenda, no valor de 3.800€, para fornecer uma festa que teria lugar após um jogo de hóquei, integrado nos infames Gay Games, que decorriam em Paris.

Apercebendo-se da natureza pecadora dos seus novos clientes, o que fez Emmanuel, o homofóbico? Terá imediatamente recusado satisfazer o pedido, fazendo desta forma jus às suas convicções? Nada disso. Emmanuel aceitou o pedido, gozou com os clientes no Twitter e, alegadamente, terá entregue o montante à organização La Manif Pour Tous, uma associação homofóbica que também se dedica a outras formas de discriminação, como o racismo. [Read more…]

CP: como destruir um serviço público para vender a preço de saldo

Imagem: Público via Maquinistas.org

A situação actual em que se encontra a CP é vergonhosa e indigna de um país desenvolvido da Europa Ocidental. Num momento em que os nossos parceiros europeus investem na ferrovia, em Portugal assistimos à degradação de infraestruturas e equipamentos, às constantes supressões de comboios, atrasos e avarias, enquanto a imprensa afiliada aos interesses privados trata de doutrinar a opinião pública, estendendo a passadeira vermelha para a “inevitável” privatização.

As grandes empresas ferroviárias europeias, claro, estão já com os olhos postos em Portugal. Porque o negócio da ferrovia nacional é atractivo e, bem gerido – não confundir com a gestão medíocre de boys partidários – será seguramente um negócio lucrativo. Para não falar nos subsídios públicos que virão indexados ao negócio. E nas cativações do Dr. Centeno, que deixarão de dar o ar da sua graça. É que já estamos em Agosto, e dos 44 milhões de euros (quase nada) previstos no OE18 para investimentos da CP, pouco mais de 10% foi executado. Assim é fácil destruir um serviço público.

Leva essa tralha medíocre contigo, Santana!

Fotografia: Luís Barra@Expresso

À terceira é de vez: Pedro Santana Lopes abandonou mesmo o seu partido de sempre, o PPD-PSD, e vai criar um novo partido, cujo nome, expectavelmente, será PPD-qualquer coisa. Isto acontece seis meses após ter declarado o seu amor eterno ao mesmo PPD-PSD, sob o mote “Unir o partido, Ganhar o país“. Estou certo que os seus mais acérrimos apoiantes estão muito orgulhosos da sua decisão, até porque os spin doctors do esgoto passista já decidiram que a decisão é boa. [Read more…]

Equivalências políticas manhosas

Fotografia: Reuters

Aqui ao lado, na vizinha Espanha, registou-se um novo aumento no número de políticos de primeira linha com um grau académico manhoso. Daqueles que se obtém ao Domingo, entre o pequeno-almoço e o banho turco, com uma forte componente de inglês técnico e muitas equivalências. Vocês conhecem o tipo.

O novo líder do Partido Popular – uma espécie daquilo seria a tão aguardada absorção do CDS-PP pelo PSD, versão castelhana – Pablo Casado, terá obtido o grau de mestre em Direito Autonómico, pela Universidad Rey Juan Carlos, com 18 equivalências em 22. Para concluir o curso, restava-lhe apenas fazer quatro trabalhos, dos quais aparentemente não existe qualquer registo, e não precisou sequer de colocar os pés numa sala de aula. Uma única vez. [Read more…]

Oportunismo, incompetência e uma suposta prioridade que continua a não o ser, em directo de Monchique

Fotografia via Região Sul – Diário Online

Acabo de assistir à conferencia de imprensa na qual participou o Secretário de Estado da Protecção Civil, a propósito do incêndio na serra de Monchique, que continua a lavrar sem dar tréguas, com a fúria a que já estamos habituados. Felizmente, ainda não morreu ninguém. Ainda.

A conferência de imprensa resume-se de forma simples: por um lado o governo, que se esquiva como pode das perguntas dos jornalistas, e que tenta justificar as lacunas que ainda persistem, apesar dos incêndios de 2017. Por outro um grupo de jornalistas, com ordens para não sair dali sem uma manchete polémica. A certa altura, há uma jornalista que alega ter feito um percurso alternativo à N266, afirmando ter visto muita lenha pelo caminho. O que é que isso significa? Que o governo se desleixou e deixou postos de abastecimento para as chamas ao longo das zonas criticas? Parece ser essa a intenção, apesar da falta de objectividade da jornalista, empenhada na busca da polémica que lhe garanta o máximo de clicks possível. Podia tal lenha pertencer a indivíduos ou entidades privadas, e estar empilhada no interior de propriedades privadas? Podia, mas o sensacionalismo e a indignação rendem sempre mais uns trocos.  [Read more…]

PSD volta a mobilizar-se pela vitória do PS nas Legislativas de 2019

Seis meses depois de ser eleito, período de tempo durante o qual foi mais atacado dentro do que fora do seu partido, para não falar de uma bancada parlamentar totalmente hostil á sua liderança, que odeia a social-democracia e que quer completar a transformação do PSD num partido conservador e neoliberal, a oposição a Rui Rio tem agora um nome: Pedro Duarte. Duarte, que não se chegou à frente há 6 meses, porque estava muito ocupado a apoiar a barriga de aluguer que o passismo arranjou para tentar abater Rui Rio, está agora “disponível” e afirma que o PSD deve mudar de estratégia, caso contrário Rio não poderá aspirar a mais do que ser vice de Costa. E já não era nada mau, A julgar pelas sondagens antes de Rio chegar ao poder, o PSD arriscava-se a não aspirar a uma representação parlamentar muito superior à do Bloco de Esquerda. Com a entrada em cena de Pedro Duarte, a um ano das Legislativas, pode ser que o partido se fracture ainda mais e acabe a disputar a liderança da direita com o CDS-PP. António Costa agradece.

A miúda é menor, caros senhores do jornal Record

imagem via Twitter/Manuel Reis

Digam o que disserem, esta publicação é uma javardice. Com tanta tipa em forma a fazer das tripas coração para que o seu rabo fique famoso no Instagram, tanta pornstar e tanta pseudo-famosa a lutar por um lugar ao sol com decotes generosos, usar uma foto de uma menor com uma descrição tão rasca é de um degredo sem explicação. E se fosse a filha de 17 anos do tipo que escreveu esta porra? Ou do editor que deixou passar? Ou do dono do grupo Cofina? Talvez não estivesse nas páginas do jornal com tanta carne à mostra.

P.S: E não me venham com merdas que a miúda tem esta foto no Instagram. A conta dela é dela, e ela faz o que quiser com ela. Transformar isto em literatura de casa-de-banho para pervs, com descrições foleiras, é da inteira responsabilidade do jornal Record.

Apoias Donald Trump? És uma besta – I

Trump prometeu lei e ordem, mas tem feito de tudo para parar a investigação à interferência russa em seu favor nas eleições de 2016.

Trump prometeu lei e ordem, mas não perde uma oportunidade para humilhar publicamente o procurador Jeff Sessions, que o próprio Trump nomeou.

Trump prometeu lei e ordem, mas Wall Street vive dias de selvajaria como há muito não se via. E isto ainda é só o começo. [Read more…]

Robles, hienas e abutres

Foram de árduo trabalho, estes últimos dias em que as hienas e os abutres saíram à rua para tentar convencer os portugueses que o caso Robles coloca o Bloco de Esquerda no mesmo patamar dos antros de contradições, desonestidade, tráfico de influência e corrupção em que se transformaram, há décadas, os partidos do chamado “arco da governação”, apesar de ainda lá resistirem algumas pessoas de bem.

Foi hercúleo, o esforço empregue pela imprensa arregimentada à direita – que é quase toda, apesar da trampa lusitana que se esforça por aldrabar as ovelhas do contrário – pelos painéis de comentadores televisivos, onde o CDS-PP parece ter a dimensão do PSD e do PS, e pelos opinadores virtuais independentes com cartão de militante, que alternam, quais alternadeiras, entre contas pessoais e perfis falsos de patifaria eleitoral.

Durante os dias quentes da polémica, Ricardo Robles disputou espaço mediático com Cristiano Ronaldo. Sim, chegamos a esse ponto. O sistema não podia perder a oportunidade de tentar destruir o Bloco de Esquerda. Foi o que foi. E só foi porque Robles assim o quis. O agora ex-vereador bloquista, que fez campanha com o foco na oposição à especulação imobiliária, era afinal um especulador imobiliário. Uma vergonha. Uma facada no partido que representa. Um dos piores momentos de sempre do Bloco de Esquerda, talvez o pior. Mas, ainda assim, a anos-luz da canalhice a que nos habituou a fina-flor da elite que vem comandando o bloco central, táxi incluído. [Read more…]

Acefalia, condição sine qua non para apoiar Donald Trump

Donald Trump está a produzir milhões de dólares de merchandising na China, para a sua recandidatura em 2020, o que logo à partida é uma excelente forma de ajudar os trabalhadores americanos e de fazer aquele manicómio great again.

Acontece que os negócios chineses do empresário e candidato Trump correm agora sérios riscos, devido à guerra comercial contra a China, lançada pelo presidente Trump, motivo pelo qual será necessário acelerar o processo para que Trump não prejudique Trump. Porque a concorrência chinesa é desleal, mas Trump não abdica das suas pechinchas, apesar de se insurgir diariamente contra elas, quando na presença do seu rebanho de criaturas ignorantes e acéfalas.

Chegamos a um ponto em que só desprovido de cérebro é possível apoiar Donald Trump. Excepto no caso dos terroristas de Wall Street, da NRA, da indústria do armamento e do KKK. Ou de qualquer outro lobby que viva da violência, da discriminação e/ou da estupidez humana. Esses andam nas nuvens. Pena não ficarem lá.

Assunção Cristas disponível para viabilizar golpe de Estado

Fotografia: Lusa@Rádio Renascença

Assunção Cristas está de cabeça perdida. Primeiro, deixou-se entrevistar por esse perigoso esquerdalho que dá pelo nome de Daniel Oliveira. Depois, assumiu estar disponível para viabilizar um golpe de Estado, que foi uma das formas que a senhora e os seus correligionários do CDS-P(aulo)P(ortas) encontraram para convencer as suas ovelhas parolas de que o acordo de incidência parlamentar entre o PS, o BE e o PCP era ilegítimo. Mas vá, antes isso do que outra Caranguejola. Não me apetece ter que pagar outra demissão irrevogável, para ver a Assunção sacar um ministério ao Rio, muito menos vê-la como vice-primeira-ministra. Já me chega ter que sustentar os boys que a senhora tem plantados na Parque Expo.

Sabes que cheira (ainda mais) a esturro

quando José Sócrates sai em defesa de Manuel Pinho. Birds of a feather…

Nada corre bem a Rui Rio

Rigorosamente nada.

Vladimir Trump

Israel institucionaliza a segregação

algo que de resto não surpreende. Tratou-se de uma mera oficialização do carácter fascista e racista de um dos regimes mais violentos do planeta.

There was no collusion

ANA e José Luís Arnaut: a arte da privatização e a gestão privada de excelência

Fotografia via Diário de Notícias

Dezembro de 2012. Em pleno Inverno Austero de Pedro Passos Coelho, o herói contemporâneo da direita que exilou a social-democracia numa gaveta, a agenda neoliberal em funções avançava, triunfante, e dava início a uma das maiores épocas de saldos de sempre, ou, nas palavras do próprio, ao processo de “alienar participações como quem vende os anéis para ir buscar dinheiro“. E enquanto os portugueses enchiam o bucho de bacalhau e bolo-rei, já com os olhos postos na festança do final do ano, o ministro Marques Guedes anunciava a venda da ANA – Aeroportos de Portugal aos franceses da Vinci. [Read more…]

Obrigado, João Semedo

O João Semedo era, para mim, um farol e uma inspiração. Um dos poucos que, nesse charco de mediocridade em que se transformou a política portuguesa, mantinha acesa a minha esperança de um futuro melhor. Lutou contra o fascismo, foi preso pelo fascismo, lutou pelo Estado Social e terminou os seus dias a lutar por mais e melhor SNS e pelo direito à escolha de morrer com dignidade. Lutou por quem precisava, apesar de não precisar. Sim, João Semedo não precisava da política. João Semedo era um excelente médico, com provas dadas, mas cedo abdicou do conforto do seu estatuto para se dedicar às suas causas e convicções. Foi um parlamentar de excelência, como poucos se podem orgulhar, e combateu com elevação, sem nunca perder a objectividade, sem nunca se vergar, sem nunca se render. [Read more…]

Deus nos proteja da violência da extrema-esquerda

 

Lembram-se daquela vez em que a PJ organizou uma megaoperação e deteve dezenas de motociclistas violentos de extrema-esquerda, acusados de associação criminosa, tentativa de homicídio, roubo, ofensa à integridade física e tráfico de droga?

Claro que não lembram, porque isso nunca aconteceu. Porque, neste país, a verdadeira esquerda só é violenta ou potencialmente perigosa nos folhetins de propaganda da direita dita moderada, que volta e meia gosta de romantizar Mários Machados na Fox News cá do sítio.

Pelos vistos, Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da CM de Gaia, acha que se quiser pode escrever no Aventar. Não pode.

Disse quem lá esteve, e pelos vistos terá mesmo sido gravado, que durante o julgamento de Eduardo Vítor Rodrigues por difamação, o autarca de Gaia terá referido que, caso quisesse, poderia escrever no Aventar. Não sei se o militante do PS terá confundido o Aventar com o Acção Socialista, mas este blogue, portuguesmente falando, não é o Largo do Rato nem a casa da mãe Joana.

Tais declarações, que não passam de fake news com um toque nada subtil de fanfarronice, são um completo disparate. Eduardo Vítor Rodrigues NÃO pode escrever no Aventar. Não pode e não lhe adianta nada querer. E não pode por uma razão muito simples e concreta: porque eu não quero, e o meu querer, ao contrário do querer do autarca de Gaia, tem impacto directo na gestão do Aventar. [Read more…]

Estabilidade, responsabilidade e sentido de Estado: a lição de Paulo Portas, cinco anos depois

Na passada Segunda-feira, dia 2 de Julho, assinalaram-se cinco anos desde que Paulo Portas anunciou a sua famosa e irrevogável demissão, que como sabemos durou até que Passos Coelho aceitou ceder mais poder a Portas e ao CDS-PP, entregando-lhe um novo ministério e fazendo dele vice-primeiro-ministro.

Poderia alongar-me sobre o oportunismo desta decisão, que, bem vistas as coisas, nos foi apresentada como uma divergência insanável, gerada pela substituição de Vítor Gaspar por Maria Luís Albuquerque, na sequência da demissão do primeiro, mas que na verdade não passou de um assalto ao poder. [Read more…]

O BPN (ainda) compensa

A Parvalorem é uma empresa pública, que gere os activos tóxicos resultantes da trafulhice levada a cabo por um grupo de cavaquistas criminosos, que destruíram o BPN e imputaram uma factura estratosférica aos contribuintes portugueses, sem que rigorosamente NADA do particularmente grave lhes tenha acontecido.

Em 2017, a Parvalorem pagou prémios de desempenho a altos quadros da empresa, grande parte dos quais provenientes da administração do BPN que destruiu o banco e asfixiou a economia portuguesa, num total de aproximadamente meio milhão de euros. [Read more…]

Tudo bons autarcas I – Pequenas máfias locais

Imagem via Ponte Europa

Após dois anos de negociações, o governo chegou a acordo com a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e prepara-se para aumentar substancialmente as contribuições e a transferência de competências para as autarquias, em áreas tão importantes como a Saúde ou a Educação. O acordo alcançado permitirá aumentar até 10% os orçamentos municipais, colocará 7,5% das receitas do IVA nas mãos das autarquias e dará aos executivos municipais o poder de gerir escolas públicas, centros de saúde e habitação social. [Read more…]

A morte do SNS: como desmontar um mito

Podia o SNS estar muito melhor do que está? Podia e devia. Mas está longe do caos anunciado pela direita paranóica, como bem explicou o Marco Capitão Ferreira.

A Madonna quer um parque de estacionamento? Arranjem-lhe antes um visto Gold!

Fotografia: Paulo Spranger/Global Notícias@Diário de Notícias

Parece que todos os partidos políticos, com excepção do PS, claro, estão muito indignados com a atribuição de uma espécie de parque de estacionamento no centro de Lisboa, a preço de saldo, à investidora estrangeira Madonna. Algo que, tanto quanto pude apurar, não é propriamente um exclusivo desenvolvido a pensar na Material Girl.

Não conheço os contornos do caso, pelo que me absterei de tomar uma posição, não obstante ser contra qualquer tipo de borla injustificada para elites e quejandos. Passei por aqui apenas para confirmar se o CDS e o PSD que se indignaram com este caso são os mesmos que criaram os vistos Gold para que uma série de mafiosos chineses, russos e afins pudessem adquirir nacionalidade portuguesa em regime de liquidação total. Não são, pois não?