Ouvidos e esquecidos

(aviso: isto parece, mas não é sobre futebol)
Passa hoje o 30º aniversário da vitória do F C Porto na Taça dos Campeões Europeus. As televisões e os meus amigos portistas narram de muitos modos esta efeméride. Reportagens, memórias, festejos, palavras de exaltação clubista e portista. Tudo isto se compreende. Mas, mais uma vez – com excepção das vozes dos jogadores do tempo ouvidos – a figura de Artur Jorge parece esfumar-se. Era interessante percebermos porquê. É que há muito penso que, a dar um exemplo de desportista profissional, escolheria, entre muito poucos, Artur Jorge. Então por que razão este país que tão depressa incensa gente da bola como se fossem exemplos de excelência nacional e vértice da magnificência humana, esquece tal figura? É que os atributos do Artur Jorge estão nos antípodas do perfil que a imprensa e a opinião publicada “desportivas” sacralizam. Quer dizer: as qualidades de um dos maiores jogadores e treinadores da história do desporto português são exactamente o que o desqualifica para ser ídolo nacional-futebolista.
Artur pertenceu à última geração do futebol da Académica antes do cilindro da hiper-profissionalização alterar completamente as condições do desporto, sobretudo do futebol, e transferiu-se para o Benfica perante uma proposta irrecusável. Todavia, apesar do cepticismo dos seus amigos, ia decidido a completar a sua licenciatura em Filologia Germânica. Sei disto porque, involuntariamente, assisti à conversa – não ia deixar ia bife a meio, não é? – entre Artur Jorge e Toni sobre o tema, ao balcão do Tropical; com as dúvidas, as importâncias em causa, as condições oferecidas. Sobre tudo isto guardarei silêncio, como é óbvio, mas compreendo o que o levou a decidir como decidiu. [Read more…]

Há 25 anos, o FC Porto foi ao céu buscar a única jóia que faltava na sua coroa

Da esquerda para a direita. Em cima: Lima Pereira, Inácio, João Pinto, Jaime Magalhães, Geraldão e Mlynarczyc. Em baixo, Madjer, Rui Barros, Sousa, Gomes e André.

Da esquerda para a direita. Em cima: Lima Pereira, Inácio, João Pinto, Jaime Magalhães, Geraldão e Mlynarczyc. Em baixo, Madjer, Rui Barros, Sousa, Gomes e André.


Com a vitória na Taça Intercontinental, em 13 de Dezembro de 1987, o FC do Porto foi buscar ao Céu a única jóia que faltava na sua coroa. Ao céu não, ao inferno! Uma neve infernal que durante 120 minutos não parou de cair num relvado (?) completamente impraticável. Mas a magia do melhor jogador que alguma vez pude ver ao vivo, Rabah Madjer, acabou com o sofrimento e deu mais uma taça internacional a Portugal.
Nesse dia 13 de Dezembro de 1987, faz hoje 25 anos, o FC Porto vingou o nosso Benfica, que na Taça Intercontinental de 1961 sucumbira por 5-0 face a esse mesmo Peñarol.
A 25 anos de distância, era eu um puto de 16 anos, valeu bem a pena acordar às 3 da manhã para ver mais um jogo da nossa alegria.

Eis o jogo integral: [Read more…]