Há 25 anos, o FC Porto foi ao céu buscar a única jóia que faltava na sua coroa

Da esquerda para a direita. Em cima: Lima Pereira, Inácio, João Pinto, Jaime Magalhães, Geraldão e Mlynarczyc. Em baixo, Madjer, Rui Barros, Sousa, Gomes e André.

Da esquerda para a direita. Em cima: Lima Pereira, Inácio, João Pinto, Jaime Magalhães, Geraldão e Mlynarczyc. Em baixo, Madjer, Rui Barros, Sousa, Gomes e André.


Com a vitória na Taça Intercontinental, em 13 de Dezembro de 1987, o FC do Porto foi buscar ao Céu a única jóia que faltava na sua coroa. Ao céu não, ao inferno! Uma neve infernal que durante 120 minutos não parou de cair num relvado (?) completamente impraticável. Mas a magia do melhor jogador que alguma vez pude ver ao vivo, Rabah Madjer, acabou com o sofrimento e deu mais uma taça internacional a Portugal.
Nesse dia 13 de Dezembro de 1987, faz hoje 25 anos, o FC Porto vingou o nosso Benfica, que na Taça Intercontinental de 1961 sucumbira por 5-0 face a esse mesmo Peñarol.
A 25 anos de distância, era eu um puto de 16 anos, valeu bem a pena acordar às 3 da manhã para ver mais um jogo da nossa alegria.

Eis o jogo integral:

Comments

  1. maria celeste ramos says:

    Lixaram e continuam a lixar o meu Bairro – que ao menos reste o futebol


  2. Acordar às três da manhã e fazer a longa espera até que o jogo, finalmente, começasse… com uma bola cor de laranja que, a certa altura, rebentou!
    … E os amigos ao telefone para que se tomasse o pequeno almoço com champanhe…

    Momentos de uma grande equipa, um grande clube; momentos do nosso contentamento.

  3. Fernando Torres says:

    Grande noite em Portugal.

    Estava na tropa em Santarém.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.