Horas do diabo

Ninguém diria, aqui, recostados ao sol como esse gato gordo que quase morreu de tantas sardaniscas que comia, mas agora passa os dias a dormir encostado ao muro. Ninguém diria que era daqui que saltavam para a linha, homens e mulheres, velhos e novos, gente daqui do bairro e doutras paragens, porque havia quem viesse de propósito para matar-se aqui. Desde que puseram este gradeamento alto, os suicidas desistiram da ideia ou buscaram outros lugares.

À mesa, sou a única forasteira. Os homens não dizem nada,  fala a Maria, a mais velha.

– Nunca mais me esquece o dia em que vi muita gente debruçada no muro, fui espreitar e vi uma mulher caída, com a cabeça a deitar tanto sangue… Andei meses a pensar nisso, nem dormia em condições. Eu devia ter uns 14 anos e aquilo impressionou-me tanto…

O comboio está a passar debaixo dos nossos pés, estremece-nos.

A Maria puxa o xaile para os ombros. É o comboio que a arrepia. [Read more…]

Cole Porter não morreu há 50 anos

Cole_Porter

Dizem as efemérides do dia que Cole Porter faleceu a 15 de Outubro de 1964. Uma parte sim. A outra, enquanto ouvirmos, enquanto houver músicos, enquanto gostarmos de música, não morre.

Deixo-vos uma mistura de versões de uma das suas canções que mais amo, Miss Otis Regrets, recuperada de um velho podcast do tempo em que fazia podcasts. Bette Midler, Nat King Cole, Bryan Ferry, Nancy Wilson & Cole Porter, Ella Fitzgerald e Kirsty MacColl & The Pogues ficam aqui a explicar que, enquanto houver músicos, Cole Porter é eterno.