Obviamente, não entregarei os Objectivos Individuais

Na minha escola, ninguém entregou os Objectivos Individuais no ano lectivo anterior. O Conselho Executivo fê-los por todos.

Neste ano, o Director já avisou que não faz Objectivos Individuais. Falta uma semana para o prazo terminar e a sensação que tenho é a de que está tudo a preparar-se para entregar, até porque já estão todos a passá-los de umas pen’s para outras (como é óbvio, vão ser todos iguais). Parece-me que têm, injustificadamente, medo das consequências.

Até agora, só eu é que disse que não entregava.

Como é óbvio, tenho objectivos bem definidos para a minha passagem por aquela escola. Sei o que quero para mim e sei o que quero para os meus alunos. Mas uma coisa é ter objectivos individuais, outra bem diferente é entregar os Objectivos Individuais a que o Ministério nos quer obrigar sem qualquer base legal – a Justiça já se pronunciou sobre o assunto.

Não sou incoerente. Não andei durante dois anos nas greves e nas manifestações para, no final, acabar por fazer o que eles querem que eu faça.

O actual modelo de avaliação não presta. O original não pôde ser implementado. O simplex ainda avalia menos do que no passado. Basta não ter faltas injustificadas e já se tem BOM à partida. Avaliado por colegas que nem por sombras são melhores do que eu?

É esse modelo de avaliação que pretendem? Eu não.