Balcanização? Não, obrigado! Sim à ruptura.

Imagem

O movimento olímpico português não cedeu à tentação de se deixar balcanizar, espectro que pairou, durante algum tempo, com o discurso de intenções de pré-candidatura de dirigentes que não passaram disso: putativos pré-candidatos.

Ao não se deixar enredar nessa tentação, o olimpismo distribuiu os apoios e as intenções de sufrágio por dois candidatos: Marques da Silva, um homem do aparelho (era o secretário-geral) e delfim de Vicente de Moura, ambos ligados à marinha, e José Manuel Constantino, antigo Presidente da Confederação do Desporto (CDP) e do Instituto do Desporto (IDP) e actual Presidente do Conselho de Administração da empresa municipal Oeiras Viva EEM, responsável pela gestão do imenso e complexo parque cultural, desportivo e de lazer daquele município. [Read more…]

%d bloggers like this: