A Máfia do Pinhal

Ver esta reportagem causa das maiores dores de alma que se possa imaginar. A frieza calculista do incêndio planeado, o negócio da madeira de boa qualidade vendida a um terço do preço normal, a inacção do Estado versus o que uma reportagem televisiva mostrou – tudo sinais de impunidade, talvez por a possibilidade de os crimes resultarem em condenações não ser chão que dá uvas neste país.

Arderam as Naus

Pinhal de Leiria. Imagem: Adriano Miranda / Público

 

        Sexto

D. DINIS

Na noite escreve um seu Cantar de Amigo
O plantador de naus a haver,
E ouve um silêncio múrmuro consigo:
É o rumor dos pinhais que, como um trigo
De Império, ondulam sem se poder ver.
Arroio, esse cantar, jovem e puro,
Busca o oceano por achar;
E a fala dos pinhais, marulho obscuro,
É o som presente desse mar futuro,
É a voz da terra ansiando pelo mar.

 

Fernando Pessoa
Mensagem