Panelas de pressão

Se começa a abrir-se a arca da memória, ninguém do bloco central escapa.

Asfixias e Bois Infinitos

Asfixia dos milhões abichados em comissões políticas a apunhalar Portugal, ó Infinito Boi. Essa memória de barata não retém as ameaças e pressões infinitas do inexcedível filho da puta parisiense, pressões sobre jornalistas no sentido de tentar condicionar a informação, telefonemas ao Expresso, ao Público de José Manuel Fernandes; perseguição cretina e contumaz a António Balbino Caldeira; pressões através do telefone para alterar a linha editorial da TVI, alterando também a jornalista Manuela Moura Guedes e o marido para a Ongoing; pressões para a não publicação da matéria relativa à Licenciatura Nula, ao Freeport; pressões sobre o rei de Espanha por causa da Prisa; pressões de António Costa, no dia da prisão do deputado Paulo Pedroso; pressões de Jorge Coelho no seu tempo de ministro; sonegação de dados e pressões sobre o Tribunal de Contas a propósito das PPP, enfim, putices infinitas do filho da puta parisiense. Comparado com isto, Relvas é um ingénuo menino de coro.