O Putedo das Esquerdas

O Congresso das Alternativas é uma coisa que volta e não volta regressa para cheirar mal a partir do lado do espectro castrado nacional que se intitula de Esquerda. Sempre digladiantes e sempre rivais, devorando-se pelas décadas, aparecem agora, velhos e catarrentos, organizadores e primeiros aderentes do Congresso das Alternativas. Comecemos pela coisa inefável chamada Soares. Politicamente, Soares é um nojo. Um nojo ao nível do desgaste e da dissolução de Cavaco, coisa inexorável. Nojo porque não avalia os desastres que a sua prole causou ao País. Nojo porque hemiplégico da Razão. Mesmo o PCP, espécie de Partido Comunista Católico Nacional, ameaça aderir a esse folclore pífio. Isto, resumidamente, é mais um passe cínico de contorcionismo: imagine-se João Galamba, Isabel Moreira, o bosta total valupi, arvorando-se todos de Esquerda, criados, como Eva, a partir da costela do Filho da Puta dos Furtos, e já podemos crer ter avistado um porco a fazer parapente. O único perigo será levar a sério gente que já mostrou de que lado perigoso-guloso quer estar. Ser de Esquerda, para estes merdas, é uma espécie de gripe nostálgica quando se confrontam com a impossibilidade de ser Poder para sugar e sugar Portugal. Beatos do caralho!

Asfixias e Bois Infinitos

Asfixia dos milhões abichados em comissões políticas a apunhalar Portugal, ó Infinito Boi. Essa memória de barata não retém as ameaças e pressões infinitas do inexcedível filho da puta parisiense, pressões sobre jornalistas no sentido de tentar condicionar a informação, telefonemas ao Expresso, ao Público de José Manuel Fernandes; perseguição cretina e contumaz a António Balbino Caldeira; pressões através do telefone para alterar a linha editorial da TVI, alterando também a jornalista Manuela Moura Guedes e o marido para a Ongoing; pressões para a não publicação da matéria relativa à Licenciatura Nula, ao Freeport; pressões sobre o rei de Espanha por causa da Prisa; pressões de António Costa, no dia da prisão do deputado Paulo Pedroso; pressões de Jorge Coelho no seu tempo de ministro; sonegação de dados e pressões sobre o Tribunal de Contas a propósito das PPP, enfim, putices infinitas do filho da puta parisiense. Comparado com isto, Relvas é um ingénuo menino de coro.

Filhodaputalogia

O cabrão brochista anónimo e assessor socratesiano típico está fartinho de disfarçar e atenuar o facto cristalino de Sócrates ter gamado em comissões, directa ou indirectamente, centenas de milhões de euros ao Estado, parte dos quais foram colocados em offshores em nome de familiares seus: vem no Correio da Manhã, tipifica o modo de contornar todas as eventualidades próprio dos variadíssimos corruptos impunes, imunes, intocáveis, protegidos, que temos por aí. O cabrão brochista anónimo e assessor socratesiano típico disfarça retoricamente o mais que possa que Sócrates se rodeou de escroques e meliantes, pelo menos nas onerosas assessorias, como a do cabrão brochista anónimo e assessor socratesiano típico «Luís, estou bem assim ou assim?» para vender chouriços de patranha e optimismos fode-contribuinte, pelas TV, homilias rascas pelas TV, sermões gesticulatórios de encher, pelas TV, e assinar contratos comissionistas com empresas amigas, bancos amigos, contratos esses que lesaram o País em milhares de milhões de euros e destruíram o desafogo fiscal das próximas gerações. [Read more…]

Da Reescrita Prostituída do Passado

Tem sido divertido tentar retirar da cova de distorções e insultos a serpente anónima Valupi que lá se acua com as suas plúrimas vozes endemoninhadas, não fosse aquele antro um lugar de reverberação abjecta e ventriloquia de mentiras que disfarçam crimes. Para contornar toda a nojeira conspirativa perpetrada por um chefe de Governo contra a liberdade editorial de uma estação televisiva independente, a TVI, logo, contra o Estado de Direito, Valupi resolve que as escutas a partir de Aveiro, no seu rastreio fortuito e indirecto, é que foram um «atentado contra o Estado de direito». Para quem se fartou de conspirar contra tudo e contra todos, a fim de conservar o Poder e a posição de poder para negócios ruinosos contra Portugal, tudo nos demais não passa de conspiração contra si e por isso, segundo o intelecto prostituído do Valupi, o flagrante aveirense à corrupção massiva praticada pelo socratismo não tinha como objectivo proteger Portugal de abusos de poder, proteger-nos dos excessos no exercício de funções públicas e de crimes hediondos com o dinheiro de todos, mas o simplório objectivo de as revelações desse putrescente consulado caírem «em cima do período eleitoral de 2009». Compreende-se que tal forma de pensar não mostre o nome, não se exponha: pode ser intelectualmente obsceno à vontade, tratando abaixo de canídeo tudo o que não seja Sócrates. [Read more…]

Valupi, Bicharoco Grunho Passional

Não se pense que não dou razão a Valupi quando assevera que o seu insano Sócrates não é uma figura banal na sua idiossincrasia. Gastei parte das minhas energias de blogger civicamente comprometido com a res publica a escrever precisamente sobre esse fenómeno de MegaLogro, colossal manipulação, gigantesca pefídia, não porque Sócrates fosse um burlão banal, mas porque significou a mais gigantesca golpada de sempre no Estado Português. [Read more…]

Ãããh!?? Sócrates – Louçã

Valupi.

Os 7 meses do Aventar e o dia dos Fiéis Defuntos

Pois é, hoje fazemos 7 meses de vida e as coisas não nos correm bem. O espírito do Dia dos Fiéis Defuntos é hoje o nosso espírito.

Exactamente há um mês, estávamos em crescendo, as audiências não paravam de subir e em breve iríamos chegar ao 13.º lugar do Blogómetro, que ocupámos durante uma semana.

Mas depois vieram os «hackers» coreanos e a destruição de um trabalho de meio ano. Perdemos muita coisa, tivemos de mudar de casa e a queda nas audiências foi abrupta.

Só que na casa nova, parece que não gostam muito de nós. Parece-me que teremos de apelar ao nosso espírito de ciganos e fazer outra vez as malas. E o WordPress ali tão perto…

Não desanimeis, amigos aventadores. Todos nós somos uns animais bloguísticos e iremos em breve renascer das cinzas. Daqui a um mês, veremos como estão as coisas.

Hoje, definitivamente, não é dia para comemorações. O Valupi vai ficar todo contente.