The Offshores, uma nova banda portuguesa

Hoje estou contente, bastante contente mesmo. Bem sei que os leitores não têm nada a ver com os meus contentamentos  e descontentamentos privados mas, passados muitos anos, relocalizei o meu amigo Carlos Gonçalves Pereira, um histórico da música portuguesa, que fez parte de bandas míticas como os Corpo Diplomático, os Casino Twist aqui retratados, os Aqui d’el Rock ainda que de forma fugaz, os sofisticados Barbarella de boa-memória e, mais recentemente, os Raindogs. Reencontrei-o graças à Enciclopédia e ao José Eduardo ( obrigado J. E.).

Com o Carlos partilhei noites inteiras de música e criação, de planos, de projectos, de  conversas de viagens, de loucuras várias, etc. Ainda me lembro bem de quando ele me apareceu em casa (vivia eu num país europeu que não a Holanda) a convidar-me para ser manager do projecto que estava a criar em Amsterdão, de eu ter ido conhecer a banda e ter estado tentado a mudar-me para lá – ainda tenho as gravações, Carlos. Depois, com o tempo (não havia telemóveis nem internet), perdemos o rasto um do outro, até hoje.

Pois bem, a conversa já se alonga e serve para dar a conhecer dois projectos recentes do CGP: Mr Wolf & Brother Ramon e os Offshores, estes últimos com disco a sair brevemente. A seu tempo darei aqui notícia. Para já, fiquem com os Raindogs para aguçar o apetite.