O estranho caso do Tribunal da Maia:

A “coisa” conta-se em pouco mais de meia dúzia de linhas: o Tribunal da Maia precisa de novas instalações. A Câmara da Maia estava (e está) disposta a resolver parte do problema. Nos idos tempos de Celeste Cardona como ministra da Justiça, o Governo assinou um contrato no qual a Câmara cedia um determinado terreno e a Governo construia o respectivo tribunal. O Governo cai. Novo Governo e novo ministro. Olham para o acordo celebrado e fazem-se de mortos. De repente, em pleno Agosto, lançam um concurso para arrendar um novo espaço para o tribunal da Maia. Os potenciais candidatos tinham 15 dias (em Agosto…) para apresentar propostas. Condição: ser central e preencher um conjunto de requisitos complicados. Ora, não tendo o centro da Maia nada parecido, ninguém ligou muito. Ninguém? Não. Um Fundo Imobiliário (onde será que já ouvi isto?) candidata um edifício existente na zona industrial da Maia, longe do centro e licenciado pela autarquia para escritórios. Vence o concurso.

Os Magistrados, os Advogados, os Funcionários Judiciais, todos os agentes judiciais da Maia e todas as forças políticas do concelho opõem-se à transferência do tribunal da Maia do centro da cidade para a zona industrial. Motivos: o espaço em causa não tinha estacionamento, nem transportes públicos e, em conclusão, não lembrava a ninguém semelhante. O Dr. João Correia, Secretário de Estado da Justiça, desloca-se à Maia para ver com os seus próprios olhos a situação. Concorda com as justas reivindicações dos diferentes agentes e, em conjunto com a Câmara, consegue uma solução de compromisso: a Câmara apresenta quatro soluções de terrenos no centro da cidade para a construção de um tribunal novo e o governo compromete-se a construir o edifício em cinco anos. Durante esse período a câmara cede um conjunto de espaços adaptados junto ao velho tribunal. Todos estavam de acordo. Entretanto, o Dr. João Correia demite-se. Volta à carga a questão do tal edifício do tal fundo na zona industrial. Um espaço longe do centro e a 300 metros do concelho de Vila do Conde. [Read more…]