Adeus subsídio de Natal

Citando o Correio da Manhã, a Antena 1 noticiou na edição das 7h00 que o governo pondera não pagar o subsídio de Natal, convertendo-o em títulos do tesouro. A realizar-se, isto resultará num aumento de impostos de 8.3%. E que os descontos para a ADSE passarão a incidir sobre 14 meses em vez de sobre 12, assim abrangendo o subsídio de Natal e de férias. Mais um imposto a somar aos 8.3% anterior.

Depois de ter posto preto no branco que o “Governo fará tudo o que for necessário para garantir a meta do défice”, é mais do que claro que tudo fará o que o FMI faria mas, claro, sem que isso nos traga melhores juros para renovar os inúmeros empréstimos que o Estado contraiu sobretudo na última década.

Esperam-se desmentidos veementes tal como aconteceu no Verão passado quando se negou o aumento de impostos – mas estes estão aí. Aliás os assessores que assinam com nome falso no blog Câmara Corporativa já o começaram a fazer. Para consumo interno, a comunicação social amiga também enaltecerá o bom caminho das contas públicas, o que aliás já começou há três semanas .  Mas terão os decisores estrangeiros palas nos olhos que lhes escondam o que se passou no ano passado, com a transferência do fundo de pensões da PT para os cofres do Estado, assim salvando as contas do défice de 2010? O ministro das finanças acha que sim e por isso estamos ainda pior, já que ou temos um maquiavélico ou um incompetente a gerir os nossos dinheiros.

O medo de Sócrates é gritante e é claro que tudo fará para fugir ao carimbo de um primeiro-ministro que trouxe o FMI, facto que lhe cortaria as pernas para futuros voos políticos. O país que se lixe!

 

Adenda: Passados 4 meses, eis chegado o corte que ninguém tinha querido assumir.

Comments

  1. Funcionário Administração Local says:

    Concordo com a medida. Passo é a fazer descontos, pagar seguros, electricidade, água, comunicações, prestação da casa, tudo com títulos de dívida. Ou seja, passamos a ter duas moedas em Portugal, o Euro e o Título de Dívida.


    • Ora aí está uma bela ideia. Já que não podemos voltar ao escudo, que passemos a ter uma moeda paralela. Que nem destoa neste país da imensa economia paralela.

  2. amália says:

    Se esta fosse a solução para o país, porque não?!
    Mas penso que não vai ficar por aqui e nós é que vamos sofrer com estas medidas.

Trackbacks


  1. […] é só para recordar que em Março já houve um zum-zum quanto a este […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.