O Declínio do Império Ocidental


Há esta crise que arrasa a Europa e a América e temos que nos interrogar: onde é que isto começou? A notícia seguinte, da edição de hoje do Público, ilustra, com mais um episódio, o caminho que nos trouxe até aqui.

Quando um grupo de políticos decide que devemos ser competitivos com quem não precisa de seguir as nossas condições de trabalho, de fiscalidade e ambientais, está, objectivamente, a arruinar o nosso futuro. São estes os eurocratas, príncipes da manga de alpaca e coveiros do nosso futuro.

cordas-indianas

[imagem do post]

Comments

  1. Fernando says:

    O declínio do ocidente é mais do que evidente, há quem ainda queira acreditar nas famigeradas e milagrosas “recuperações” que os políticos & banqueiros, com a ajuda essencial dos media, nos vendem.


  2. Foram as “protecções” que os regimes impuseram a Portugal que permitiram que mesmo em relação aos nosso vizinhos e semelhantes na Iberia a opinião que ainda têm quando nos visitam é de miseria e lixo espalhado qaundo viajam pelas estradas portuguesas. Na fronteira nem uma simples viola me deixavam trazer de Sevilha apesar de custar metade que cá: protegeram tanto que temos dificuldade em ser competitivos com a Alemanha onde os salarios são o triplo; e as reformas e o emprego

    • j. manuel cordeiro says:

      Não estamos a falar do mesmo. A protecção que condeno que se retire é que produtos vindos de países onde se pratica dumping (social e ambiental) possam estar lado a lado com os nossos produtos.

      A não ser que esteja a defender que devemos ser competitivos com quem trabalha 12 horas por dia, não precisa de assegurar condições de segurança, não precisa de se preocupar com a poluição que causa e pode praticar salários tão baixos que o custo da mão de obra quase não é uma variável no custo do produto. Não estou é a ver onde é que isto seria compatível com os altos salários da Alemanha.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.