“É preciso carro para dar aulas de Inglês.”

O Inglês passa a ser obrigatório a partir do terceiro ano do Primeiro Ciclo (terceira classe, para os mais desactualizados). Os professores de Inglês do Primeiro Ciclo, na maior parte dos casos, terão de dar aulas em várias escolas pertencentes ao mesmo agrupamento (essa entidade que Nuno Crato criticava antes de ser ministro).

Uma vez que essas escolas podem estar a quilómetros de distância umas das outras, é fácil imaginar que muitos destes professores de Inglês serão também motoristas de si próprios, sendo que terão de pagar do seu bolso todas as despesas decorrentes dessas deslocações, ao contrário de qualquer ministro ao serviço do governo ou de qualquer futebolista a caminho de um jogo.

Os professores, como muitos oficiais de outros ofícios públicos, são, na realidade, os grandes financiadores do próprio patrão. Aos dados que, preguiçosamente, reuni num texto de 2010, podemos, ainda, juntar pormenores como o congelamento das carreiras, os cortes salariais, os despedimentos ou a supressão de pagamento na classificação de exames.  Há quem lhe chame poupança, o que me leva a imaginar que, doravante, um ladrão, ao analisar o que roubou, possa dizer “Olha o que eu poupei hoje!”

Assim, pelas estradas de Portugal, a partir deste ano lectivo, andará mais um grupo de profissionais que, para benefício dos alunos, pagará para trabalhar.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.