Porque há ajudas que podem valer uma vida

 

 

 

 

 

 

Ainda a propósito do meu último post, agradecimento eterno à Bárbara Bandeira. Poucos fariam o que ela fez a troco de nada. Obrigado, Bárbara.

Comments

  1. francis says:

    Parabens á Barbara. Força, Leonor, tens tantas alegrias para viver no futuro.

  2. POIS! says:

    Uma louvável atitude, sim senhor!

    Trata-se de um problema muito mal compreendido por muita gente. Há quem o resuma a um problema de vontade ou falta dela (o mesmo acontece com situações de depressão, por exemplo, e de outras doenças do foro psíquico). E não é assim. É um transtorno de saúde muito complexo.

    E sei que não é assim, porque tive tive um caso na família, embora muito menos grave, a avaliar pelos “posts” anteriores do Ricardo. Ou melhor, terá sido “atalhado” no momento certo. E será um lugar comum, mas cada caso é mesmo um caso.

    E resolveu-se com apoio muito competente. Recorrendo aos serviços de uma equipa – na realidade, duas trabalhando em conjunto – do Serviço Nacional de Saúde a funcionar num hospital público. Sem esquecer o médico de família.

    Sinceros votos de que o desfecho seja igual. Certamente será!

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.