A partida

Mariana Seabra da Silva

Hoje, dia vinte cinco de julho de dois mil e vinte e um, morreu um dos mais importantes capitães de Abril, Otelo Saraiva de Carvalho, deixando a dor da partida e a recordação dos seus feitos heroicos.

Numa noite longínqua, a vinte e quatro de Abril de mil novecentos e setenta e quatro, os militares portugueses que formavam o Movimento das Forças Armadas, arquitectado pelo artilheiro Otelo e outros camaradas, também capitães de Abril, invadem vários lugares estratégicos do país, como a Rádio Renascença e o Terreiro do Paço, dando lugar à missão mais importante das suas e das nossas vidas: a luta pela Liberdade, o derrube do regime salazarista e o fim da Guerra Colonial.

É inegável a importância das mentes que estiveram por detrás de um acontecimento tão marcante na vida de todos, não só daqueles que vivenciaram o regime Salazarista ‘in loco’ e a sua queda, como para mim que, só ouço falar na Revolução dos Cravos em documentários, filmes ou conversas de café com amigos, familiares e/ou desconhecidos. Reconheço a liberdade que tenho como resultado da luta contínua de pessoas como o Otelo, que não descansaram até eliminar o fascismo em Portugal, para que hoje, eu, todos e todas possamos falar sobre História e pensar como esta ainda nos afecta. O que fica na memória é a lembrança de alguém que contribuiu, de forma altruísta, para a libertação do povo português e dos povos colonizados.

Apesar dos erros que cometeste, o povo lembrar-te-á pela libertação que lhe trouxeste.

Agora, “Otelo, vencerás porque o povo vencerá”.  Obrigada por tamanha inspiração, Capitão. Até um dia.

Imagem: Centro de documentação 25 de Abril, Coimbra

Até sempre, camarada, pá

1936-2021

Vais para um sítio melhor, pá.

Camarada, pá! Não se encheram Campos Pequenos com contra-revolucionários. Mas, se te descansa, há por aí muito boi à solta que a História, certamente, colocará a dar marradas num qualquer Campo Pequeno.

Independentemente das derivas ideológicas que o PREC trouxe, és e serás, para sempre, um dos fundadores da Liberdade neste Portugal, outrora, açaimado. Há coisas que nunca te perdoarei, mas tu deves saber, melhor que ninguém, os erros que cometeste. Mas sei que, no fim de contas, fica o saldo positivo do muito que fizeste naquela noite. Sem a tua estratégia, método e foco, talvez não tivesse sido possível acabar com o fétido fascismo. E isso, pá, os verdadeiros anti-fascistas nunca esquecerão.

Camarada Otelo, até um dia!