Parabéns, Zeca

Fotografia: DR.

92 anos de um Mestre.
Parabéns, pá! Fazes-nos cá muita falta.

«Daqui fala o monopólio
Daqui fala o capital
Diga cá senhor ministro
Quanto custa Portugal?»

Os artistas de circo na hora da morte de Otelo

Capaz de defender tudo e o seu contrário: eis o bufão-mor.

Honra lhe seja feita:

   A morte do Otelo e a posterior decisão de António Costa de não decretar luto nacional, teve o condão de pôr os mais acérrimos críticos do primeiro-ministro a beijar-lhe os pés.
   Ler o João Miguel Tavares, o pinscher da opinião política, a louvar Costa por esta decisão, não só é lindo (o amor tudo supera), como é, ao mesmo tempo, embaraçoso. É preciso lembrar que esta gente é a mesma que, há uns meses, depois do inconsequente derrube de estátuas, veio defender, com o ar mais paternalista do mundo, que “é…preciso…enquadrar…na…época…não…podemos…julgar…com…os…olhos…de…2020…o…que…se…passou…em…1920!”. Teriam razão, se, agora, não se prestassem a fazer estas figuras quando o tema é Otelo, usando, como combustível, as FP-25 (e isto também é gente que tem zero para dizer acerca das spínoladas e do MDLP).
   Ainda assim, é natural: a postura de reaccionarismo, típica da direita em Portugal, leva-os a cair neste ridículo vezes sem conta. Não se cuidem, não…

Fotografia: José Carlos Carvalho

Juventude Xuxalista

Na primeira imagem, publicação do BE do dia 26-07-2021; na segunda, publicação da JS de hoje. A imitação não é de hoje, basta seguir as publicações.

 

 

 

 

 

 

 

A Juventude Socialista sente necessidade de imitar as abordagens do Bloco de Esquerda, porquê?

Será por albergarmos mais jovens como partido, sem precisarmos de “jotas”? Ou será uma forma de travestismo político, meramente para captar jovens para a agremiação e eleitores para o PS?

Como se sentem os jovens da JS quando percebem que o PS é radicalmente diferente da sua “jota”? É que a social-democracia da JS passa, rapidamente, a social-liberalismo no PS. Se calhar, é por etapas e passar de um para o outro é evolução.

No Bloco não precisamos de ter uma “jota” a defender X perante uma parte do eleitorado, enquanto o partido age e governa de forma Y. Não é congruente que a JS seja, e cito, “pela soberania e libertação do povo palestiniano” e que o PS, em plena Assembleia, vote contra uma proposta do Bloco que propunha que o governo… do PS… reconhecesse o Estado da Palestina (ver imagem abaixo). [Read more…]

Quem tudo quer, tudo Sardenha

Imagem do JN

A displicência com que o capitalista-mor, ou Rei Sol-Salgado do Reino Lusitano, “descansa” na Sardenha devia revoltar cada um de nós. 

Depois de ter sido dispensado de estar presente em tribunal, face às circunstâncias da pandemia de covid-19, Ricardo Salgado foi visto a passear, calma e pacientemente, vestido com o seu linho principesco e de pochete na mão, ao lado da sua presumível esposa, na boa, velha e barata ilha da Sardenha. Como é óbvio e presumível, viajaram em segunda classe, sendo que chegados a Itália ficaram hospedados num radical hostel, partilhando um beliche num quarto com mais oito pessoas, em regime de meia-pensão.

É até curioso – caso de estudo, quem sabe, mas deixo para a Ciência resolver – a capacidade que um pobre e humilde homem tem de pôr de lado a sua “idade avançada”, a qual o impede de comparecer em tribunal (a quarenta quilómetros de sua casa), para, no fim do mês de Julho – como toda a plebe – ir de férias para a Sardenha. Já pensamos todos no que este pobre homem sofre? [Read more…]

Até sempre, camarada, pá

1936-2021

Vais para um sítio melhor, pá.

Camarada, pá! Não se encheram Campos Pequenos com contra-revolucionários. Mas, se te descansa, há por aí muito boi à solta que a História, certamente, colocará a dar marradas num qualquer Campo Pequeno.

Independentemente das derivas ideológicas que o PREC trouxe, és e serás, para sempre, um dos fundadores da Liberdade neste Portugal, outrora, açaimado. Há coisas que nunca te perdoarei, mas tu deves saber, melhor que ninguém, os erros que cometeste. Mas sei que, no fim de contas, fica o saldo positivo do muito que fizeste naquela noite. Sem a tua estratégia, método e foco, talvez não tivesse sido possível acabar com o fétido fascismo. E isso, pá, os verdadeiros anti-fascistas nunca esquecerão.

Camarada Otelo, até um dia!

Neo-liberal-capital: as Marteladas bilionárias

Desde 1980 (antes também, mas marquemos o barómetro aqui, porque Thatcher+Reagan=amor infinito) que se tem assistido a um cavalgar do capitalismo selvagem, imposto pelas políticas neo-liberais, o que levou à abertura do fosso, já de si grande, entre os muito ricos e os pobres e muito pobres. Para além disso, a narrativa dominante demonstra uma aporofobia asquerosa, de rejeição e hostilização do Ser que é pobre, negando-lhe acesso aos mais elementares direitos básicos de sobrevivência, assim como o hábito de inculpar o pobre por ser pobre, ao invés de se inculpar o sistema capitalista vigente há mais de quatro décadas.

Thatcher e Reagan, os dois maiores expoentes de um neo-liberalismo colonial entre as potências ocidentais; Fotografia retirada do site Aventuras na História

  • Uma pessoa, associação ou partido político defende que toda a gente deveria ter direito e acesso a uma habitação condigna, água e luz a preços acessíveis: radical!

 

Fotografia: DW.

  • Um senhor calvo, com semelhanças arrepiantes com o Dr. Evil, explora milhares de trabalhadores e gasta bilhões de euros numa viagem ao espaço, apenas para proveito próprio e vê a sua acção apoiada por certas pessoas, associações e partidos políticos: empreendedor!

Imagem de Humans of Late Capitalism.

Assim vai o mundo…

O reino do André ‘Sanguessuga’ Ventura

Imagem retirada do Instagram do O Polígrafo.

André Ventura, Imperador do CHEGA! e pau-para-toda-a-obra no que ao populismo da extrema-direita diz respeito, recebeu duzentas e vinte cinco vezes mais de subvenção estatal do que uma família de etnia cigana (dois adultos e uma criança) recebem de rendimento social de inserção. Repito, em números: 225 vezes mais! DUZENTAS E VINTE CINCO VEZES MAIS. [Read more…]

Se parece um pato, nada como um pato e grasna como um pato, então provavelmente é um pato

Agora, já não se escondem.

Podem dar as voltas que derem, dizerem-se anti-sistema quando são, há muito, a escória do sistema, mudarem programas políticos de ano em ano, mudarem o sentido de votação três vezes no mesmo dia; já não enganam ninguém.

A extrema-direita é isto. É ódio, é violência, é ignorância. A extrema-direita é igual em todo o lado e já esteve por todo o lado. A única coisa que surpreende, ainda, mesmo não surpreendendo, é a incapacidade do Ser Humano de aprender com os erros passados. Somos, sem dúvida, a única espécie que tropeça vinte vezes na mesma pedra.

Depois dos ataques à sede da SOS Racismo, depois das ameaças a deputados e deputadas da AR e a activistas sociais, depois de um programa, mais maltrapilho que programa, a defender a extinção do Estado Social e com tiques pidescos, das incitações à desordem, das “sugestões” de deportação de cidadãos portugueses, das máfias e dos dePaços desta vida, já não enganam ninguém. [Read more…]

O capitalismo tem uma relação amorosa com a discriminação

Fotografia: EPSILON

Depois de se recusar a usar biquíni durante os jogos, a Selecção feminina de andebol de praia apareceu em campo de calções, tal qual os atletas da Selecção masculina, do mesmo desporto.

Por tal, enfrentam, agora, uma multa, pois, diz a Federação Europeia de Andebol que é mais “atractivo ao espectador” e, também, “gerador de mais patrocínios” que as atletas se dispam – o contra-senso é tão grande que espanta-me que a FEA não se aperceba disso.

Não espanta, ainda assim, que o machismo estrutural (que – e lá chegaremos – anda de mãos dadas com o capitalismo selvagem imposto pelo neo-liberalismo que hoje vigora nas sociedades ocidentais) se revele, mais uma vez, de unhas para fora e dentes afiados, escorrendo baba, qual predador pronto a atacar a sua presa com uma dentada no pescoço. Mas a questão é que atletas de alta competição, sejam de que género forem, são isso mesmo: atletas. E o único factor de atractividade deve ser, como é lógico, a qualidade do desporto que praticam e não a roupa que usam ou os atributos físicos de que dispõem. [Read more…]

Desproporção (ou inoperância) policial

Durante as últimas semanas tem-se verificado um acréscimo nas acções das polícias (PSP e GNR) em operações stop, colocação de radares e carros descaracterizados, à paisana, naquilo que, na minha opinião, é um aproveitamento do MAI das fragilidades das pessoas. Vivemos tempos difíceis, por conta da pandemia. Os rendimentos desceram e muitos perderam o trabalho que tinham, tendo, agora, dificuldade em arranjar nova colocação. Por tal, é inadmissível o cerco policial (por outras palavras, a caça à multa) que se tem verificado.

Ontem, durante a noite, em Reguengos de Monsaraz, várias pessoas foram atropeladas, durante uma rixa. A polícia esteve presente, neste caso a GNR, e assistiu ao momento. No entanto, nada fez. A passividade das forças de segurança, neste caso, é revoltante e não serve a população.

A gravidade do caso em concreto é de extrema importância. A polícia, em qualquer que seja o caso, deve estar ao serviço da comunidade, nunca contra ela. Ainda assim, e desde sempre, não é isso que acontece. As forças de segurança estão, historicamente, ao serviço das elites. E isso tem de mudar.

Foto-galeria: almoço aventador em Coimbra

O Aventar, ou seja, os aventadores (assumindo, de antemão, que o Aventar é, também, muito mais do que apenas e só quem aventa), reuniram-se ontem em Coimbra para um almoço carregado (e regado) de boa disposição, união entre os diferentes pensadores deste espaço, encontros e reencontros e, acima de tudo, o reforço da amizade que, apesar de todas as diferenças que existem entre os que aqui escrevem, fala sempre mais alto do que qualquer outro valor (ou qualquer desavença que, por vezes, nos atinge também).

Coimbra serviu para reforçar laços, para recordar o João José Cardoso e, como é hábito, o encanto coimbrão agigantou-se quando nos fomos todos embora. Aqui ficam algumas imagens que marcaram o almoço e o dia.

As fotografias são da minha autoria.

[Read more…]

A homofobia mata. E Samuel morreu.

Eu não tenho nada contra pessoas heterossexuais. Aliás, até tenho amigos que são e convivo com eles.

Só não gosto de heterossexuais que dão muito nas vistas. Os chamados machos, estão a ver? Aqueles heterossexuais demasiado espalhafatosos, que ficam a olhar para qualquer mulher na rua de forma tendencialmente sexual, que atiram piropos ordinários e cospem no chão. Sabem aqueles heterossexuais demasiado heterossexuais, aqueles que coçam o saco à frente de toda a gente, que arrotam alto em público e falam alto para toda a gente ouvir a conversa. Não gosto. Aqueles heterossexuais que estão sempre a esfregar-nos a sua heterossexualidade na cara, conduzindo a 100km/h numa estrada de 50km/h e ultrapassando o carro da frente numa via com linha contínua, essas abominações de gente, odiados por Deusinho-todo-o-poderoso. Ninguém vê que ser heterossexual é contra-natura? Heterossexual que bate em mulheres, já ouviram falar? Heterossexual que faz questão de dizer que gosta de mulheres, que comenta o aspecto de qualquer mulher com qualquer outro amigo heterossexual, que se gaba de não tratar bem nem as mulheres, nem mais ninguém para além dele mesmo… conhecem esses broncos monstruosos que irão arder no inferno em nome de RuPaul? [Read more…]

Portugal: terra de capitalistas sem capital

«A maior desgraça de uma nação pobre é que, em vez de produzir riqueza, produz ricos. Mas ricos sem riqueza. Na realidade, melhor seria chamá-los não de ricos mas de endinheirados. Rico é quem possui meios de produção. Rico é quem gera dinheiro e dá emprego. Endinheirado é quem simplesmente tem dinheiro. Ou que pensa que tem. Porque, na realidade, o dinheiro é que o tem a ele.»

Mia Couto

Fotografia de João Carlos Santos

Um partido. Dois sistemas.

Não é que seja surpresa, pois quem está do lado dos poderosos e é fraco com os fortes e forte com os fracos, sujeita-se a estas figurinhas para conseguir chegar ao poder. Ora vejamos.

Iniciativa Liberal em Lisboa:

Mas, mais acima no mapa, passou-se isto (pelo menos é o que se diz por aí):

Obviamente, como íntegros que são, os Liberais nunca apoiari… espera aí!

Iniciativa Liberal no Porto:


IL: um partido, dois sistemas.
ou: IL, Incoerência Liberal.

Incompetência a dobrar: O Cabrita e Os Vampiros


O ministro Eduardo Cabrita tem prestado um serviço lastimável ao País. É ponto assente e é indiscutível.

De todos os erros que tem cometido, pedirem a demissão do mesmo depois de um acidente rodoviário que vitimou um cidadão, onde nem sequer era Eduardo Cabrita quem ia a conduzir e onde não houve intenção qualquer de matar, não só é totalmente descabido por parte da Direita, como demonstra uma falta de escrúpulos arrepiante de quem, ao usar esta triste morte, se quer aproveitar politicamente. Demonstra, também, o estado de desespero em que a Direita se encontra, onde qualquer migalha lhe serve para matar a fome de eleitores.

Eduardo Cabrita é incompetente, é prepotente e é um péssimo ministro. Eduardo Cabrita não é assassino e eu desejava que os abutres Rui Rio e André Ventura parassem com essa narrativa de merda que começa a alastrar na opinião pública.

Ganhem vergonha e respeitem a vítima. Para mais: já se imaginaram a atropelar alguém inconscientemente? Como se sentiriam a seguir, sabendo que tiraram uma vida num acidente?

Pensem nisso e deixem de ser palhaços, porque por muito que a política seja um circo, não precisam de cagar no tapete. Não se faz política com mortes acidentais.

Parabéns, Chico Buarque

77 anos de um dos melhores. Parabéns, Chico! 

Lápis… Azul?

Quanto dura um graffiti a criticar Rui Moreira antes que a Câmara do Porto o mande apagar?

Dois dias.

11 anos sem Saramago

José Saramago. O prémio Nobel da Literatura faleceu em 2010.

«Já não há governos socialistas, ainda que tenham esse nome os partidos que estão no poder. Antes gostávamos de dizer que a direita era estúpida, mas hoje em dia não conheço nada mais estúpido que a esquerda.»

José Saramago, 2007

Chicotada psicológica?

O PPD sem SD, aquele partido parido, ainda, do ventre da Velha e Santa Mãe, que governou sempre à direita, mas que aparentemente é de centro-esquerda, e que agora aposta, também, nos palhaços mediáticos, continua a dar tiros nos pés.

Depois da contratação do não-ligado-ao-futebol mas maior-accionista-da-SAD-do-FCPorto, António Oliveira, para uma candidatura à Câmara Municipal de Gaia, município onde se encontra o centro de treinos do Olival, propriedade da Câmara alugada ao FC Porto em troca de moedas de chocolate, eis que:

Bronca no PSD: António Oliveira desiste de candidatura à Câmara de Gaia

Fica a dúvida: foi António Oliveira quem bateu com a porta, descontente com a política de contratações da SAD do PSD, ou foi a SAD do PSD quem deu uma chicotada psicológica no seu timoneiro a Gaia?

Política, futebol… = apostas. Eu apostaria que foi António Oliveira quem, depois de ver que a sua reputação, construída às custas dos calimeros futebolísticos, seria destruída às custas dos calimeros do PSD, decidiu bater com a porta e usar o truque do “mais vale tarde do que nunca“. Cá para mim descobriu que o Rio é boavisteiro. Ou esta: ao ver o PSD ir ao fundo… nem é tarde nem é cedo! E saltou borda fora. Até porque tem visto que o seu clube, o FC Porto, se deixou de interessar por desporto para, agora, ser o principal partido de oposição ao PS de António Costa… vai daí, deixa-me estar onde estava. Por isso, proponho que o PSD se dedique… à pesca; desportiva, de preferência.

Rui Rio arrisca-se a ser (se já não o é) o pior líder da história do PSD. E o PSD teve como líderes os empolgantes Marques Mendes ou Santana Lopes. E num passado mais recente, teve Passos Coelho. É obra!

O não-ligado-ao-futebol, António Oliveira, numa gala do FC Porto, um não-clube-de-futebol.
Foto: José Moreira

Quanto mais evoluímos, mais nos afastamos da nossa própria evolução: um fenómeno geracional

Hoje em dia já não se medem as distâncias em metros ou quilómetros, ou, até, em minutos. Já são poucos os que dizem “serão 20km, demorarei 30min”.

Agora, no mundo novo e admirável, medem-se as distâncias consoante a percentagem de bateria que se tem no telemóvel. Hoje diz-se: “serão 20km, tenho 18%, devo chegar a tempo”. ‘A tempo’ de voltar a carregar o telemóvel, pois claro; não ‘a tempo’ do compromisso. E isso afecta o nosso dia-a-dia, o nosso humor e a nossa predisposição; falo, pelo menos, e infelizmente, por experiência própria. Actualmente, quando o telemóvel fica inoperacional, apercebemo-nos de que perdemos grande parte das nossas capacidades de interagir com o próximo, especialmente quando ‘o próximo’ está à nossa frente, em carne e osso, na vida real. E este é um fenómeno premente, sobretudo, nas idades mais jovens. Fazer conversa com um idoso enquanto se espera pelo autocarro foi substituído com fazer conversa com um desconhecido, atrás de um monitor iluminado, muitas vezes sem saber sequer se esse desconhecido é real ou não. O Ser Humano continua à espera da chegada da vida alienígena, quando o mesmo anda alienado faz tempo.

Estamos já tão moldados pelas novas tecnologias que chegaram e, em tão pouco tempo, tomaram conta da nossa vivência a todos os níveis, que chega a ser confrangedor o nível de satisfação que atingimos quando temos um gadget qualquer com a bateria nos 100% ou quando encontramos uma tomada para podermos carregar o té-lé-lé… mesmo que essa tomada nos obrigue a sentar no chão… de uma estação de autocarros em ruínas… em Idanha-a-Nova… e que o chão cole.

Assim vai o mundo e nós vamos com ele. Quando formos, os gadgets ficarão… até que se lhes morra a bateria.

A política ‘pós-modernos’

É incrível como as coisas mudam.

Um fascista já não é mais um fascista. Agora é “iliberal” ou “ultra-conservador”. E o fascismo já não é mais fascismo, agora é “direita populista”.

Tudo isto deve ter começado quando substituíram “trabalhador” por “colaborador”, estou certo.

Vira o disco… e toca o mesmo: A Sinfonia dos Rockets e o Fascismo Israelita

«Wa-ching
(That’s the sound of the sword goin’ in)
Clack-clack, clack-a-clang clang
(That’s the sound of the gun goin’ bang-bang)
Tukka-tuk, tuk, tuk, tuk-tukka
(That’s the sound of the drone button pusher)
Shh, shh, shh
(That’s the sound of the children tooker)»

O som da espada, o som da bala, o som dos drones. O som daquele que entra e leva as crianças.

Esta noite, mais duas crianças foram mortas às mãos do exército de Israel.

Israel voltou a bombardear a Faixa de Gaza, depois de ter assumido o cessar fogo. Com a convulsão política israelita, com a troca de um liberal-fascista por um ultra-liberal-fascista no lugar de primeiro-ministro e com os milhares de milhões de euros oferecidos pelos Estados Unidos da América, uma certeza há a reter: Israel não vai parar enquanto não tiver dizimado todas as vidas palestinianas.

Duas crianças assassinadas pelo exército israelita na vila de Beta.

Em Israel não é considerado crime de guerra a morte de civis, de forma indiscriminada, se estes forem palestinianos. É, por contrário, incentivada. [Read more…]

Os pesos e as medidas

Chamar “homossexual” é um insulto? Isso pressupõe que ser homossexual seja insultuoso. Para quem? Para um homofóbico?

O gajo ouve “filho da p***” todos os jogos e faz queixa por ofenderem a mãe? Eu sou homossexual, e se alguém, na rua, me gritar “gaaaaaay!” eu grito “pois sou!”… onde está o insulto? [Read more…]

Hank Schmidt in der Beek – Und Im Sommer Tu Ich Malen

Hank Schmidt in der Beek – o artista plástico alemão que vai até sítios com paisagens incríveis e pinta… o padrão das suas camisolas. As fotografias são do também alemão Fabian Schubert.

[Read more…]

IL: Incoerência Liberal

São tão democratas, tão democratas… que dizem querer “acabar com o socialismo” e fazem tiro ao alvo a adversários políticos, deixando de fora do alvo… o deputado mais anti-democrático da Assembleia da República. Tão democratas.

E, já agora

José Saramago, 1990. Foto: Juan Guamy.


«Privatize-se tudo, privatize-se o mar e o céu, privatize-se a água e o ar, privatize-se a justiça e a lei, privatize-se a nuvem que passa, privatize-se o sonho, sobretudo se for diurno e de olhos abertos. E finalmente, para florão e remate de tanto privatizar, privatizem-se os Estados, entregue-se por uma vez a exploração deles a empresas privadas, mediante concurso internacional. Aí se encontra a salvação do mundo… e, já agora, privatize-se também a puta que os pariu a todos.»

José Saramago, ‘Cadernos de Lanzarote’, – Diário III – pág. 148, 1995

Na política como no futebol: desculpas de mau pagador

O SL Benfica lançou um mini-documentário onde tenta explicar os porquês da época vergonhosa, depois de ter investido mais de cem milhões na sua equipa de futebol. Aparentemente, a culpa é do bicho. Quer dizer, primeiro, dos árbitros. Mas depois, do bicho! [Read more…]

Libera-lol

TAKE 2

No país com iniciativa liberal.

Expectativa: 



Realidade:

 

Se os liberais fossem tão bons na coerência como são a fazer ‘memes’ no Facebook e em outdoors populistas ‘cool’

O que vale é que, assim, vamos sabendo mesmo com quem contar. E não contamos com o Iniciativa Liberal.

Com inimigos assim, quem precisa de amigos?

Expectativa:


Realidade: 

Deputado do Iniciativa Liberal abstém-se sobre uma eventual ida do hacker Rui Pinto à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) ao Novo Banco.

A cabeça vai ficando cada vez mais calva. E quanto mais se destapa, mais fácil fica ver o couro cabeludo. Portanto, o que escondem?

«As cúpulas que vão abaixo!
Gritam eles, para impressionar; 

Mas estes profissionais do tacho 
Ainda acabam de cúpula ao ar»

O cheiro é que é diferente – ou talvez seja o mesmo

Quando a merda assenta, as moscas, babando, assentam nela. O cheiro, esse, é o mesmo de sempre, neste Portugal esquecido e saudosista.

“Presença de Passos Coelho no MEL não passa despercebida”.