Triste sorte ser negra em Portugal

Transcrevo este depoimento narrado pelo Luís Fernandes, e que respeita à minha vizinhança. Comentem vocês. Eu agora não posso, estou com vontade de vomitar.

Segundo me contou, enquanto fomos deglutindo o bom jantar servido no Paço do Conde, “é muito triste ser negro aqui. Todos nos tratam como se fôssemos de segunda categoria. Constato isto diariamente. (…) Veja bem, trabalhei 18 anos numa grande empresa de Coimbra. Trabalhei muito duro, nem o senhor imagina. Olhe que muitas vezes tive de deixar os meus filhos pequenos para ir trabalhar, porque o patrão chamava. Havia uma grande encomenda para despachar, e eu ia. A minha família dizia-me, um dia vais arrepender-te de toda essa entrega, mas eu não ouvia. Eu precisava de trabalhar para alimentar os meus três filhos. Eu fazia o que fosse preciso sem olhar ao esforço. Um dia caiu-me uma peça sobre o ombro e atingiu-me um peito. Fui para a clínica para ser operada e foi-me atribuída uma incapacidade ao braço de 96,5 por cento. Não tenho nenhuma força nele. Por inerência da pancada no peito ganhei um nódulo que viria a tornar-se cancerígeno. Felizmente benigno – no entanto, volta e meia tenho de tirar líquido. Pois olhe que não me foi atribuída pelo seguro de acidentes de trabalho nenhuma forma de compensação. Continuei a labutar. Eu precisava do emprego para criar os meus filhos.

Há cinco anos o encarregado do armazém meteu-se comigo num dia em que apenas estávamos os dois a trabalhar. Queria ter relações comigo a toda a força. Bolas, eu sou viúva, sou negra, mas não sou uma coisa. Dentro deste peito pulsa um coração. Afastei o homem. [Read more…]