Do racismo e outros demónios:

Uns bravos pescadores tunisinos travaram o barco dos fachos que anda pelo Mediterrâneo.

“Já seguíamos com preocupação as actividades deste grupo. Quando soubemos que vinham para Zarzis, mobilizámo-nos para evitar que entrassem no porto. Não queremos o barco fascista na Tunísia”, disse ao El País Shamseddin Bourasin, presidente da associação de pescadores local, que conta com cerca de 500 membros. “Há dez ou 15 anos que salvamos migrantes que naufragam. Não queremos que um barco que quer que se afoguem e usa lemas fascistas e contra o islão seja ajudado nos nossos portos”, declarou.”

Para quem não sabe, o referido barquinho foi tomado por uma associação (chamemos-lhe isto para não lhe chamarmos grupelho) “juvenil” chamada Geração Identitária que pretende: ““defender” a Europa de refugiados e migrantes, para evitar “a grande substituição” – um conceito popular entre a extrema-direita nacionalista europeia, que teme que os muçulmanos substituam os cristãos no Velho Continente.” (as aspas são do Público, mas eu concordo com elas).

Esta ideia dos muçulmanos substituírem os cristãos tem alguma piada, especialmente porque segundo as estatísticas o maior perigo para a “Cristandade” europeia não são os muçulmanos (actualmente 2% da população União Europeia) mas sim os ateus e os não crentes. (Fonte) Então, para quando um barco (ou um camião ou uma mini-van ou um carocha) contra os ateus?

 

A Lenda Negra

Não estamos esquecidos que uma das justificações dadas para a necessidade de um profundo ajustamento na economia e na sociedade portuguesas, ajustamento esse materializado num programa brutal de austeridade, que, em certa medida, ainda prossegue, foi a circunstância de Portugal, e o seu povo em particular, ter, ao longo de muito anos, vivido acima das suas possibilidades. [Read more…]

Não ao racismo

 

Há uns dias saiu uma notícia no Público que passou quase despercebida. “Portugueses são mais tolerantes com a entrada de refugiados e menos com a dos imigrantes por motivos económicos.” Esta conclusão é o produto de um estudo realizado pelo ICS que cobre um período de 12 anos.

O facto de os Portugueses serem mais tolerantes com a entrada de refugiados é provavelmente o resultado das imagens que nos são transmitidas pela televisão. Alice Ramos, investigadora que contribuiu para o estudo, afirma que “Há de facto um sentimento de piedade que os protege destas atitudes de oposição. E Portugal, provavelmente, é o país que menos associa os refugiados às restantes categorias de imigrantes”. Isto é evidentemente positivo. Olhar para os refugiados com compaixão, especialmente numa altura em que por esse mundo fora há tanta gente investida em ver um terrorista em cada refugiado, é sinal de que estamos a fazer alguma coisa bem. É provavelmente também sinal que os principais meios de comunicação se abstêm de comentários errados e inflamatórios, como acontece noutros países, com outros jornais e televisões.

[Read more…]

Somewhere in white America…

“Não disparem. Ele não tem nenhuma arma”, ouve-se no vídeo gravado no telemóvel de Rakeyia Scott, esposa de Keith Lamont Scott, morto a tiro pela polícia de Charlotte.

Apesar dos factos obscuros que envolvem o caso, é o registo criminal de Keith Lamont Scott que se tornou o ponto focal da imprensa de direita norte-americana.

[Read more…]

Otários

Terrorism

Num momento em que Donald Trump parece um “sério” candidato a ocupar o lugar que Obama deixará livre dentro de oito meses, com promessas eleitorais que giram em torno de muros, política externa hostil e perseguição de emigrantes, o anúncio da candidatura ao Senado norte-americano do antigo líder dos Knights of the Ku Klux Klan, um franchise modernaço mas igualmente repugnante do movimento racista, terrorista e fanático que se diverte, desde o século XIX, a discriminar, agredir e matar pessoas, não causa particular surpresa. Basta ver as notícias para perceber que estes otários ainda representam uns quantos otários. Ferguson, Charleston, Dallas ou mais recentemente Baton Rouge são apenas alguns exemplos que insistem em relembrar-nos que a violência racial continua viva e de boa saúde na “terra da liberdade”, e que a ascensão do otário Trump inspira otários como David Duke. Mas não se preocupem: apesar de otários, estes terroristas assumem-se cristãos, pelo que não devem ser tão maus como os gajos do Alá.

Imagem via Flowers for Socrates

Os braços armados dos clubes

Já não há paciência. O que escrevi no último post era uma espécie de alerta para o que aí vinha e, por acaso, os factos vieram a mostrar a razão da minha argumentação.

Um árbitro errou – o que apitou o jogo do meu clube. Facilmente se percebe pelos comentários ao post que mais ninguém errou e que a queda do Maxi no Dragão, por ter sido fora da pequena área até deveria dar direito a duas grandes penalidades porque, segundo alguns, houve uma falta antes que não foi marcada.

Até aqui, temos uma discordância visual. Nada de estranho – nos últimos quarenta anos criaram hábitos que não se mudam com dois títulos perdidos. Pode ser que o terceiro e outros que se seguirão, ajudem a ter alguma lucidez.

Mas, depois da mediática e bem orientada participação dos paineleiros das TB’s, eis que o Braço Armado entra em campo. E, como alguém dizia hoje na rádio, estão ultrapassados todos os limites.

Esperei algum tempo para ver como reagia a blogosfera azul. Silêncio! Nada. Nem um só comentário.

Confesso que estava à espera de um comentário da Direcção do Clube, mas  acabamos por ter um simples “não sei do que está a falar”, de um Dirigente. Poderia ter sido a mulher a comentar…

Como poderiam ter comentado quando foi a vez do treinador holandês, ou do Adriano ou até do Paulo Assunção…

O mais espantoso é que vejo muita gente a aplaudir este tipo de comportamentos. [Read more…]

Bilhete do Canadá: Perguntar não ofende

Quando foi anunciado que do actual governo faziam parte um homem de ascendência cigana, uma senhora cega e uma senhora negra, um tipo tido por católico, apostólico, romano, pôs a circular entre os amigos, via on line, esta bestialidade: “o cigano roubou a bengala da cega e deu um ensaio de porrada na preta”.

Que se faz a um aleijado de carácter como este? Dá-se-lhe um par de estaladas? Ou dá-se uma condecoração?

Haja quem saiba responder.  Entretanto, tudo quanto era saudoso do salazarismo, delirou com o vómito.  Que a terra lhes seja leve.

O tabu do tabu

Fazer uma reportagem com um ângulo definido e não procurar o outro lado é mau jornalismo. O Público este domingo, com o apoio da Fundação Francisco Manuel dos Santos, estreia a “Série Especial: Racismo em português” com a reportagem “Ser em africano em Cabo Verde é um tabu”. Não porque seja mentira que Cabo Verde, na generalidade, não quer ser África. É verdade. Mas a identidade cabo-verdiana existe e está bem vincada, nas nove ilhas habitadas. A generalização de África, enquanto continente, a uma única cultura (a dita “africanidade”) é a típica visão ocidental. Mas agora os ocidentais querem quebrar o tabu. E caíram no perigo da história única, que Chimamanda Ngozi Adchie explica tão bem. Entramos, portanto, na era do tabu do tabu. [Read more…]

Qual é a pressa?

refugees_2-Mstyslav-Chernov-Wiki-CCBYSA40-OK

(c) Mstyslav Chernov / Wikimedia Commons / CC-BY-SA 4.0

8 de Outubro: é a data da próxima reunião do Conselho Europeu dos ministros do Interior para debater as quotas de acolhimento de refugiados em cada país – determinadas em função do número de habitantes, performance económica, taxa de desemprego e número de pedidos de asilo em pendência. Será que não sabem que os refugiados já chegaram? Que há 15 mil bloqueados na Áustria? Que é preciso o quanto antes repartir entre todos os perto de 120 mil refugiados que estão neste momento em Itália, na Grécia e na Hungria? O Plano Juncker, sustentado numa alínea do Tratado de Lisboa, fracassou. Por sabotagem de vários países do Leste, apoiados por exemplo pela Eslováquia, que leva o racismo ao ponto de excluir refugiados que não sejam cristãos.

Perante isto (e sem esquecer o verdadeiro rosto do poder na Hungria, que esta crise destapou), a existência da União Europeia deixou de fazer qualquer sentido, remata o jornalista alemão Kai Littmann. [Eurojournalist]

Pontos sobre os refugiados

1- A verdadeira ameaça à Europa não são os refugiados. Não foram refugiados que há 70 anos mataram seis milhões de pessoas. A verdadeira ameaça são pessoas como o Viktor Orbán que debitam disparates sobre os valores Europeus sem saber nada de história ou de valores Europeus. Como dizia o editor judeu – húngaro – de Thomas Mann, a propósito de alguém que ambos conheciam:

Kein Europäer, sagte er kopfschüttelnd
Kein Europäer, Herr Fischer, wieso denn nichts?
Von grossen humanen Ideen versteht er nichts.

Ele não é um Europeu, disse ele abanando a cabeça.

Não é um Europeu, Herr Fischer? O que quer dizer?

Ele não percebe nada sobre os grandes ideais humanistas.

2- Do ponto de vista das infra-estrutras é evidente que a Europa não tem condições, especialmente se as coisas continuarem assim, para acolher tantos refugiados. A Alemanha diz que vai receber 800 mil pessoas, mas estará mesmo preparada para receber um influxo de quase um milhão de pessoas, especialmente num espaço de tempo tão curto? Mas a questão que se põe agora é como resolver a crise. A resolução passa por atacar a fonte ou seja, a instabilidade que começou nos países de origem. Para isso a Europa tem de admitir, juntamente com os Estados Unidos, a sua responsibilidade na criação desses mesmos problemas. O que teria acontecido se o Iraque não tivesse sido invadido, ou até, indo mais para trás, se a Europa e os Estados Unidos não tivessem interferido sistematicamente na região do médio oriente como andam a fazer desde há 40 anos?

3- Admitindo que haja radicais islâmicos nos milhares de pessoas que chegam à Europa, a experiência diz-nos que os terroristas vêm de avião e têm dinheiro ou nascem na periferia de Paris. Custa-me a acreditar que a malta que arrisca a vida em barcos de borracha porque a alternativa – ficarem em casa – é tão má, venham para matar gente na Europa.

4  – Historicamente, na Europa, o racismo, a xenofobia, as perseguições e os preconceitos religiosos protagonizados por cristãos mataram mais gente que o radicalismo islâmico. Lembrem-se disso quando falarem de História.

“A grande invasão”

– eis como chamam os partidos políticos alemães à entrada maciça de refugiados, sírios e outros (estima-se que sejam mais de 800 000, os que entraram na Alemanha apenas em 2015), que procuram uma oportunidade de vida na Europa. É um jornalista alemão que o escreve, explicando o consenso que há entre os partidos alemães relativamente à tragédia humanitária que tem aportado nos territórios europeus.

migrantes_macedonia_agosto2015
(c) REUTERS | Ognen Teofilovski | Migrantes na fronteira da Grécia com a Macedónia

«Raramente os responsáveis políticos estiveram assim de acordo. Seja a extrema-direita, a direita, os social-democratas, os verdes ou o Die Linke, toda a gente usa a mesma palavra para designar o afluxo de refugiados – «grande invasão», «Völkerwanderung», em Alemão. (…) A expressão estimulará uma vez mais o ódio e a violência dos que não compreendem que os fluxos migratórios não emanam de Deus, antes são o resultado de más políticas, levadas a cabo durante séculos.»

Segundo a mesma fonte, «a única que ainda não usou a expressão é Angela Merkel. (…) Fiel aos seus hábitos, prefere esperar para ver como se comporta a «vox populi» antes de tomar uma decisão. Uma estratégia de uma ineficácia política absoluta, mas que a faz ganhar eleições. (…)» [Read more…]

Quando a extrema-direita defende o politicamente correcto nem mede as palavras

Este falejar quer tão só dizer que nove negros foram mortos por um não negro numa igreja frequentada por negros em Charleston.

Se eles fossem brancos a notícia seria: nove pessoas mortas numa igreja em Charleston.

No primeiro caso mata-se por ódio, No segundo os sentimentos do assassino são irrelevantes. É assassino e ponto.

Para Helena Matos um segregacionista de 21 anos que entra a matar numa igreja de negros não personifica um crime de ódio. É só um crime. Chama-se a isto politicamente correcto, precisamente a expressão que é utilizada para o defender. Não, não é um paradoxo: o politicamente correcto, ou seja, o totalitarismo da linguagem, existe tanto à esquerda como à direita, mas a direita finge-se virgem, e depois cai nisto.

É doentio? é. Mas sobretudo acontece quando a ideologia é tão forte que por vezes nega o mais elementar bom senso. Infelizmente é humano.

E se isto tivesse acontecido na Rússia, na Venezuela ou no Irão? (VII)

Se isto tivesse acontecido na Rússia, na Venezuela ou no Irão, os unicórnios moralistas, hipócritas e facciosos do costume teriam berrado a sua indignação e dissertado eloquentemente sobre o fim do mundo que se aproximava por não haver mão nessa esquerdalhada bárbara. Aprove-se mais um pacote de sanções, endureça-se o embargo, promova-se o isolamento e treinem-se mais uns terroristas para desgastar o inimigo.

[Read more…]

E se isto tivesse acontecido na Rússia, na Venezuela ou no Irão? (V)

Não penso

 

No país que muito provavelmente mais golpes de estado patrocinou, entre dezenas ou mesmo centenas de invasões e ataques militares que devastaram países, cidades, serviços básicos e sobretudo pessoas, que em muitos casos foram empurradas para um nível de pobreza muito abaixo daquilo que algum dia teriam imaginado, em países que já de si existiam em situações extremamente frágeis, para não falar dos mortos, nos regimes totalitários que se instalaram e nas ervas daninhas que plantaram, entre as quais a Al-Qaeda será a sua obra-prima, ainda existe violência racial. O que não é grande novidade claro. A novidade é que em Baltimore a paciência parece ter chegado ao fim.

[Read more…]

O Cosme volta a atacar e cito:

Reparem bem, eu avanço com duas hipóteses 1) trazer a pretalhada para cá de forma segura nos aviões da TAP e 2) afundar os barcos e matar a pretalhada.

Claro que podes escrever o que entenderes…

Acima de tudo prezo a Liberdade, ao ponto de não a trocar por qualquer outro valor. E tenho que admitir que todos têm os mesmos direitos que eu. Por isso podes escrever o que entenderes. Se existe alguém insuspeito neste blog de discordar de Louçã, serei eu. Apenas não insulto seja quem for, porque isso é fazer jogo sujo, vil, torpe. Habitualmente o insulto é arma utilizada quando faltam argumentos para discussão, coisa de grunhos. Ao contrário de ti não sou racista. Mas não quero criminalizar racismo nem racistas, isso seria descer a um nível inaceitável para mim, cujo lema será talvez “é proibido proibir…” Apenas te lanço um repto, quando tirares umas férias esquece o Algarve, Caraíbas ou praias nas ilhas europeias e vem até África. Mas não te fiques por um resort guardado por seguranças armados com AK47, conhece o povo, interage com as pessoas. Podes começar por Marrocos e se ganhares coragem ultrapassa o Atlas, atravessa o Sahara. Fala com cristãos católicos e evangélicos, muçulmanos de várias correntes e até judeus sem esquecer os budistas pois andam milhões de orientais pelo continente berço da humanidade. Muito provavelmente em termos académicos dás-me uma abada e ganhas por 10 a 0, apesar de ter lido umas coisitas de economia, admirar Mises e Hayek, ter começado por Friedman, mais tarde ter descoberto Hume ou Smith mas principalmente Tocqueville. Ainda assim serei apenas um ignorante. Mas tu és estúpido. Parafraseando Einstein se me é permitido, “Only two things are infinite, the universe and human stupidity, and I’m not sure about the former”. Sim, o racismo faz parte da condição humana, mas será um dos seus exemplos de estupidez. Ainda assim, fica tranquilo, porque para mim deve ser proibido proibir, jamais me passaria pela cabeça proibir ou punir a estupidez…

E se isto tivesse acontecido na Rússia, na Venezuela ou no Irão? (IV)

Depois da violência no cárcere, os motins, o recolher obrigatório e o exército nas ruas. Alguém viu por aí a extrema-direita pseudo-Charlie?

E se isto tivesse acontecido na Rússia, na Venezuela ou no Irão?

O afro-americano Freddie Gray foi preso por posse de arma branca. Uma semana depois morreu na prisão na sequência de uma fractura cervical. Quanto negros terão que morrer em Baltimore até que alguém diga Charlie?

São apenas pretos

No episódio 5 do documentário A Guerra de Joaquim Furtado (aquele onde se clarifica a natureza racista e esclavagista do colonialismo português) um enfermeiro moçambicano narra o seu diálogo com um superior hierárquico, a quem questionava por uma sua colega com muito menos habilitações do que ele ganhar o dobro:

– Tens dúvida de que és preto?

– Isso não tenho dúvida

– É isso, ela é branca, ganha mais do que tu, que és preto.

Há por lá mais exemplos do mesmo. Enquanto por estes dias editava o documentário de forma a poder utilizá-lo nas minhas aulas de História, apareciam-me mentalmente no monitor as imagens dos que atravessam o deserto e o Mediterrâneo, e por ali morrem. Vítimas das guerras que homens brancos foram inventar a Sul, vítimas de nem parte da globalização os deixarem ser, vítimas da natureza humana, que tem aquela pretensão, os do costume dirão estúpida, de quererem alimentar-se, vestir-se, habitar, viver. Os do costume explicam: têm dúvidas de que são pretos? E para que não as haja em sacos negros os embalarão.

Do Charlie Hebdo ao Syriza: o regime contra-ataca

Iohannes Maurus*

A propósito do atentado de ontem contra o Charlie Hebdo, partilho um artigo sobre as caricaturas de Maomé que publiquei em Viento Sur faz agora quase 9 anos. Tudo o que nele disse continua, para mim, perfeitamente válido. Haveria apenas que acrescentar um matiz importante.

Hoje, o que era um fantasma terrorista sob o qual queriam ocultar-se as resistências reais ganhou corpo. Do lado árabe-muçulmano, do lado dos colonizados, tanto nos seus próprios países de origem como no espaço colonial importado para as metrópoles, um pequeno sector assumiu como sua a imagem fantasmal do islamista-terrorista produzida pela propaganda neocolonial do Ocidente. Hoje existem realidades como o Estado Islâmico ou as diversas “franchises” da Al Qaida cuja delirante materialidade de ectoplasma não as impede de assassinar, com pretextos teológico-políticos, pessoas de todas as religiões, quer sejam yazides, cristãos do Oriente ou muçulmanas.

Pouco importa que este tipo de subjectividade política delirante e desligada de qualquer processo de libertação anticolonial tenha sido criado ou financiado directamente pela CIA ou outros serviços ocidentais, como aconteceu com a Al Qaida no seu tempo, ou que tenha aparecido espontaneamente, como, segundo Aristóteles, podiam aparecer criaturas infecta dos miasmas. O que importa é que essa imagem do “mouro mau” é a própria imagem do colonizado produzida pela dominação colonial, uma imagem que, assumida pelo colonizado, reproduz ao infinito e de modo nenhum anula essa dominação. O olhar colonial cria o bárbaro, o incivilizado, justificando assim sobre o nada moral e cultural deste último um presumível direito de tutela — mais ou menos paternal ou mais ou menos violenta — dos civilizados sobre os bárbaros. Os assassinos dos jornalistas de Charlie-Hebdo são os tristes agentes dum acto de propaganda colonial pela acção. [Read more…]

Europa Querida Europa

Estás cada vez mais à beira do abismo. Em França, mais uma vez.

 

 

Entretanto

Enquanto em Portugal andamos a por ex-primeiros-ministros em prisão preventiva e a queixarmo-nos muito do nosso sistema de Justiça, convém recordar que nos Estados Unidos, Darren Wilson, que deu seis tiros a um adolescente desarmado, não vai ser acusado.

Os pais de Michael Brown querem levar o caso ás Nações Unidas.

Michael Brown tinha 18 anos e tinha acabado o liceu. Era negro.

A economia dispensa a história

Já dizia o pequeno comentador do economiquês nacional que os professores de história em nada contribuem para o crescimento e o certo é que vamos confirmando que, nesta nova Europa utilitarista, as humanidades são entretenimento para inúteis. Os resultados nem estão a demorar muito a aparecer. Desmemoriada e cega pelos números, a Europa condena-se a repetir os seus horrores.

Leia-se esta reportagem de Maria João Guimarães, em Marselha, acerca do clima de rejeição aos estrangeiros, sobretudo em zonas multiculturais, e de como os partidos nacionalistas estão a capitalizar o descontentamento face à situação económica e a desconfiança em relação à diferença. Quem tem memória de um passado não tão longínquo, como o reformado Auguste Olive com quem a repórter falou, não pode evitar as comparações: [Read more…]

From Russia with hate

Vencedor de vários prémios na área do jornalismo de investigação, este documentário do jornalista Christof Putzel leva-nos numa visita guiada à ascensão da extrema-direita de inspiração nazi no berço do comunismo. Para além desta aparente contradição, e do lado irónico de tal acontecer no país que mais vidas perdeu para o nacional-socialismo alemão, este trabalho, datado de 2007, pode apresentar-nos algumas pistas sobre origem da escalada de violência no país, nomeadamente nas zonas fronteiriças partilhadas com a Ucrânia, e alertar-nos para um futuro no mínimo preocupante às portas da Europa, onde a semente da extrema-direita tem germinado com um vigor assustador.

Sobre o racismo no futebol

Aproveitando o destaque de que o tema do racismo no futebol tem sido alvo, deixo-vos aqui uma outra forma, igualmente muito elevada e digna, de responder às tristes manifestações racistas que infelizmente (ainda) acontecem no desporto-rei. Aqui, o acto de comer a banana protagonizado por Dani Alves é substituído por um míssil teleguiado de Givanildo Vieira de Souza, o Incrível Hulk que tantas saudades deixou por estes lados.

Mulher admirável

É grande e admirável a MULHER que reage assim à estupidez.

Os racistas escondidos

A avaliar por este artigo (em inglês), temos uma imagem demasiado boa dos suecos.

A História do medo nos Estados Unidos em 3 minutos

Autoria (não confirmada) de Michael Moore.

Ainda bem

No país onde só a direita pode ir às urnas perdeu a extremidade racista. Agora tomem um chá e sosseguem.

ocupam o passeio

O passeio é estreito. A mulher desce a rua com as crianças, três meninas. As crianças chalreiam, riem alto. A mulher não diz nada, tem os olhos postos nalgum ponto distante, no fim da rua. A mulher vai cansada. As crianças e a mulher ocupam o passeio todo. A rua é antiga, o passeio é estreito. A mulher e as três crianças são negras e ocupam o passeio.

O homem está parado à porta da mercearia. Tem à mão apoiada na parede e fala lá para dentro, para um merceeiro oculto nas sombras da mercearia antiga. Na outra mão leva um saco de plástico com uma lata de salsichas. O homem vira-se no pior momento e embate na mulher. A mulher espanta-se porque vai a pensar noutra coisa. O homem enfurece-se.

– Então, é assim?!

A mulher não diz nada, sustém-lhe o olhar. Ele repete, agora mais alto:

– É assim?! [Read more…]

%d bloggers like this: