As prioridades num país à beira da bancarrota

O que pagamos todos por existir uma classe política sob suspeita, é enorme, e não entra nas contas, mas devia entrar. Num país numa situação alarmante, os assuntos em dia são os que têm a ver com a defesa de um governo acossado pelas trapalhadas em se envolve o seu chefe e uma enorme teia de altos dirigentes.

 

A Justiça está em polvorosa e ameaça ir mais além, após ministros, que passam a vida a bradar que o Estado de Direito é a separação de poderes, virem dizer que os magistrados andam a fazer "espionagem política".

 

E os jornais vão, às pinguinhas, para manterem a pressão e venderem, deixar cair o que já se percebeu  que já sabem, sobre a história da sucata. Hoje o SOL já vem dizer que os suspeitos todos trocaram de telemóveis para escaparem às escutas, utilizando mesmo, truques de quem sabe da poda, como aquela dos cartões recarregáveis que só são apanhados se pagos por cartão .

 

Depois estão na ordem do dia as autoestradas com vistos negativos do Tribunal de Contas, que vão parar, deixa de haver dinheiro, indemnizações, acusações porque a Lei é para cumprir e este governo não cumpre a Lei, diz o Tribunal de Contas. Os contentores de Alcântara tambem estão nos carris, grossa asneira de governo absoluto que deixou de o ser. O TGV, são os Espanhóis que vêm cá ensinar, congelem o Porto-Vigo e lancem um ramal para Sines, para as mercadorias o que parece ser bem mais sensato do que querer transportar passageiros que não existem.

 

Logo que isto acalme (após se saber o que aí vem das escutas) está na calha o casamento gay, o que tambem contribui para a resolução dos problemas que ameaçam afundar o país.

 

É isto o que muita gente não quer ver, o tremendo desgaste e prejuízos que um primeiro ministro, profundamento ferido na sua credibilidade, causa ao país.

 

Até à próxima campanha negra!