Cromo do dia: Uma tipa qualquer

Uma tipa qualquer, a quem deu para estudar uma coisa sobre os malefícios do tabaco, encomendada sabe-se lá por que gabiru e financiada pelo dinheiro público, vem dizer que a proibição de fumar

deve estender-se às áreas circundantes de bares, restaurantes, cafés e discotecas

“Basta estar uma pessoa a fumar do lado de fora, junto à porta de um bar, para aumentar o nível de exposição ao fumo de quem está no interior”, explica a coordenadora da equipa de investigação

Acho bem, mas não percebo porquê restaurantes, cafés e discotecas. E se for uma loja, um escritório, a casa dela, já não aumenta? Acho bem, repito, mas com coerência: reposição da pena de morte, proibição de reunião, fim da liberdade de expressão, controlo de circulação, relatório diário às autoridades a contar tintim por tintim as actividades de cada cidadão e taxa de isqueiro. Mania de deixar as coisas a meio…

Cromo do Ano: uma escolha impossível

Por ingenuidade, bem sei, ainda me passou pela cabeça a escolha do(s) cromo(s) do ano de 2011. Tarefa impossível.

Onde estava eu com a cabeça quando imaginei hierarquizar o lugar de cromo entre José Sócrates – o homem que cantava vitórias a cada passo para o precipício – e Passos Coelho – o troikista mais aguerrido da troika e rival do ex-primeiro ministro a dar o dito por desdito? E onde andaria o meu tremelicante pensamento ao supor que Paulo Macedo, actual ministro da saúde, poderia ser mais cromo do que o outro inefável Paulo, o Campos – aquele que já me fez perder horas em filas nos correios, dias seguidos, tentando pagar ex-scuts através de um sistema especialmente urdido para fazer de nós idiotas? E escolher entre Duarte Lima, Armando Vara, Dias Loureiro, Oliveira e Costa e o sucateiro de Ovar? Pode-se?

Enfim, a qualidade dos cromos é de tal ordem – e podia continuar a dar exemplos – que eu, ao pensar que podia escolher apenas um para Cromo do Ano, me pus estupidamente na posição de cromo. Por esse facto, e se estes cromos não fossem impossíveis de bater, o cromo do ano quase merecia ter um destinatário: eu próprio, claro – mas empatadinho aos pontos com quem votou e apoiou esta cromaria toda para a nossa caderneta nacional.