30 Anos da Culturona

Começo por pedir desculpas aos leitores do Aventar, e também ao pessoal da Culturona, por não ter tempo, neste momento, para fazer o post que a ocasião mereceria.

Não sei quantos leitores do Aventar conheceram a Culturona-Fábrica de Comunicação, que existiu na D. Carlos I em Lisboa, já lá vão mais de trinta anos. O assunto merece um post, que um destes dias farei. Para já, direi que a Culturona foi talvez o projecto colectivo mais excitante que surgiu no pós-processo-revolucionário em Portugal. Com a diferença de que era jovem, novo e desalinhado políticamente, ainda que de esquerda.

Quem da Culturona se lembrar, lembra-se do Luigi (e de tantos que seria cansativo enumerar), do CHOR, da Feira da Arte do Desenrasca, do Teatro Emarginato, das Brigadas Teatrais, etc., etc.

Pois bem, amanhã acontece  um almoço que relembra, 30 anos depois, a primeira Feira da Arte do Desenrasca, e vão lá estar muitas das caras com quem nos cruzávamos no belíssimo (mas há muito destruído para dar lugar a um aborto sem classificação) edifício da Culturona, que albergava ainda, cada um independente dos outros, a Eranova (Zeca Afonso, Fanhais, Sérgio Godinho na casa em frente, etc.) e a sede do MES. Talvez seja já tarde para se inscreverem, ou talvez não, vale a pena  tentar já que, para um cafezinho pelo menos, há sempre espaço.

Informações aqui.