Estatuto do Aluno e Plano Individual de Trabalho

Aguardo o novo estatuto do aluno, que notícias de jornal em coisas destas não chegam para emitir opinião. Mas desde já aviso que quem apareça a defender o “Plano Individual de Trabalho”, sem fazer a mínima ideia do que se trata, sem nunca ter sido obrigado a fazer um porque uma equipa completamente idiota de um anterior Ministério da Educação inventou tal barbaridade, está desde já convidado a na próxima semana me acompanhar na saga de encontrar o destinatário de um que aqui tenho, que fui obrigado a fazer, porque muito simplesmente tenho alunos que se meteram na área errada do ensino secundário, desistiram sem anular a matrícula, não me aparecem nas aulas e não reprovam por faltas. Sugiro mesmo que vão lá a casa, que as criaturas supostamente aí pernoitam.

Aliás, todo o estatuto do aluno que não reponha o chumbo por faltas injustificadas será sempre uma rematada imbecilidade, ao nível de quem por mera e acéfala devoção à presidente da FLAD fala do que não sabe. Não há pachorra para quem pensa que por ter filhos percebe o que é uma escola, embora não os veja a opinar da mesma forma sobre os diagnósticos do seu médico de família.

Para pior, já basta assim!

Governo promete tudo fazer pela autoridade dos professores

Nesta notícia, e sem ser necessário sair do título, há alguns aspectos curiosos, a merecer observação atenta.

Em primeiro lugar, há uma conjugação de duas palavras que nos permite adivinhar o futuro: governo e promete. De acordo com o método Passos Coelho, seguidor acelerado da escola José Sócrates, ficamos a saber que o Secretário do Estado afirmou, na realidade, que nada irá ser feito pela autoridade dos professores.

Finalmente, ao incluir os professores no grupo de cidadãos a quem irão ser cortados os subsídios de férias e de Natal, o governo está a dizer ao país que fazem parte de um grupo de caloteiros que devia dinheiro à nação, o que, convenhamos, não é a melhor maneira de conferir autoridade a uma classe profissional.

Pela minha parte, agradeço que o governo não faça mais nada pelos professores.