Sopra doido

CR

Na farmácia do bairro, ouvi certa manhã um velhote contar que, até ir ao médico pela primeira vez, o seu coração batia: “tum-tam, tum-tam, tum-tam”. O médico ouvira aquele desconcerto, sentenciara umas palavras ininteligíveis e receitara-lhe a pastilha que lhe fizera o coração acertar o ritmo. Agora, no seu peito apenas se ouvia um circunspecto “tum-tum, tum-tum, tum-tum”. O médico ficara satisfeito, a pastilha era para manter, mas o velhote desconfiava de batida tão certa.

– Isto é soldado que nasceu para marchar torto – garantia ele ao farmacêutico, que sorri sempre,  sem escárnio, das sentenças dos leigos.

Vivia agora mais preocupado do que antes do acerto. Era um caso evidente de um coração que se fizera perfeito, como o daqueles versos do O’Neill, mas batia descompassado do seu dono. [Read more…]