Sopra doido

CR

Na farmácia do bairro, ouvi certa manhã um velhote contar que, até ir ao médico pela primeira vez, o seu coração batia: “tum-tam, tum-tam, tum-tam”. O médico ouvira aquele desconcerto, sentenciara umas palavras ininteligíveis e receitara-lhe a pastilha que lhe fizera o coração acertar o ritmo. Agora, no seu peito apenas se ouvia um circunspecto “tum-tum, tum-tum, tum-tum”. O médico ficara satisfeito, a pastilha era para manter, mas o velhote desconfiava de batida tão certa.

– Isto é soldado que nasceu para marchar torto – garantia ele ao farmacêutico, que sorri sempre,  sem escárnio, das sentenças dos leigos.

Vivia agora mais preocupado do que antes do acerto. Era um caso evidente de um coração que se fizera perfeito, como o daqueles versos do O’Neill, mas batia descompassado do seu dono. [Read more…]

Acertar à primeira

   (adão cruz)

 O Sr. Dr., quando chegar ao lugar dos Couços, pergunta pela casa da Rosa da Eira que toda a gente conhece. Ela não se pode dizer que esteja muito mal, mas diz que tem fisgadas no baixo ventre que lhe causam trupos no coração. E que há que Deus, tem de ser vista pelo Sr. Dr.

[Read more…]

Autópsia

Miguel Relvas: “O PS tem o coração no sítio certo.”

Linda

adão cruz

Tinha um nome muito bonito que não vamos revelar. Contentemo-nos em chamar-lhe Linda, que também não é feio. Tinha um ar luminoso, os olhos cheios de sol. Os cabelos douravam como uma auréola o ar límpido do azul do céu à volta da sua cabeça. Abria-se em nós como romã sumarenta. Uma onda transparente de um qualquer mar de inesperado encanto embalava o olhar de quem dela não conseguia desviá-lo. Tinha quarenta anos e um provável cancro do colo do útero. Mas eu não sabia. [Read more…]

Canções antigas

adão cruz

Na recordação das canções antigas veste-se meu coração das verdes folhas do desejo e entoa na fragrância dos campos a melodia dos olhos pendurados na profundidade do céu.

Na sombra da figueira diz-me adeus o sol em acenos de azul e violeta por entre os ramos e os sons de uma flauta de lábios doces que por ali poisou entre sonhos infinitos do lusco-fusco.

As primeiras chuvas do verão humedecem como lágrimas as palavras ditas e não ditas no silêncio dos caminhos perfumados de terra e folhas molhadas.

E nada se reconhece na lembrança muda das tardes que para sempre morreram mas os passos ecoam em silêncio por entre os pés das oliveiras onde outrora floriram mil risos de criança.

Que fez de mim este crepúsculo azul como flecha espetada no vento ferindo de morte toda a vida de meu sonho-menino?

Onde está a pedra que se fez montanha o regato que se fez rio a tripla chama infinita da vida luz e verdade que se apagou na alma nua quando sagradas selvas e misteriosas crenças de punhal à cinta quiseram que fosse santa?

Meu coração peregrino de seu perdido tesouro entre o sol e as desgarradas nuvens de infinitos céus ainda hoje se arrasta entre a razão e o abismo em pálido reflexo de ouro para ser criança na hora de partir.

Conversa com a ARTE

(adão cruz)

Talvez tenhas dado por mim mas não quiseste mostrar. Ajoelhei meus passos no teu caminho e tu não viste. Sempre tiveste duas pedras brancas nos olhos e cego é o meu coração.

De mármore era o meu  rosto naquela manhã, sempre foi de mármore o teu rosto em todas as manhãs! Parte-me o peito a amargura, sempre que toda tu és apenas figura, retórica figura! [Read more…]

A Primavera no coração dos homens: Chaplin e Yeats

Chaplin tinha 63 anos quando filmou “Luzes da Ribalta”.

Mas reparem na candura infantil com que vai saltitando enquanto canta: “É o amor, o amor, o amor, o amor, o amor”.

[Read more…]

O perfeito coração

Como escrevi aqui ontem, estive em Carnaxide que, curiosamente, tem dois hospitais em frente um do outro. De um lado da rua o Instituto do Coração, do outro lado, o Hospital Público. Estive neste à espera de um amigo meu. Meteu pilhas novas.

Enquanto esperava, lembrei-me de há quanto tempo foi efectuado o primeiro transplante cardíaco pelo Prof Barnard, na África do Sul, um tipo com estilo de galã de cinema. Eu trabalhava no Terreiro do Paço, não devia ter mais de 20 anos, logo à volta de 1966, saí do Ministério e lá vinha na primeira página dos vespertinos a notícia.

Um milagre ou uma trapaça? Um dos passantes diz, “vê-se logo que é mentira, como é que o coração tem o mesmo tamanho do outro? ” como quem diz, não cabe ou fica a dançar dentro do novo peito. Aquilo fez-me pensar, então aquele gajo, nunca tinha pensado num transplante e já tinha opinião? Quem andou toda uma vida a estudar o assunto não tinha visto coisa tão simples de ver?

Anos depois foi feito o primeiro transplante cá no Instituto do Coração, a paciente bordava corações, era uma mulher humilde aí de Espinho, que viveu muitos anos com o seu novo coração.

A técnica evoluiu rapidamente, mas o grande desafio era a rejeição do orgão pelo sistema imunitário que reagia a um orgão estranho e que não reconhecia como seu. Até que um jovem cientista descobriu, entra as muitas novas plantas que tinha apanhado na floresta uma, que tinha propriedades notáveis, foi dela que se extraiu o princípio activo da CICLOSPORINA, o primeiro grande salto na atenuação dos efeitos da rejeição .

Os transplantes tiveram então uma enorme evolução, com resultados notáveis, dos rins, do fígado, do coração, dos pulmões, enfim, até a situações que nos fazem tremer como a dos transplantes de partes da cara, como já aconteceu em França e em Espanha.

Lembrei-me daquele perfeito coração bordado e do Prof. João Queiroz e Melo o primeiro cirurgião a fazer transplante do coração, cá em Portugal, ele que tinha pertencido à equipa do Prof. Barnard na África do Sul.

Conheci-o pessoalmente, precisava de um equipamento fundamental para as suas cirúrgias e eu estava numa função em que podia fazer alguma coisa.

E fiz!

O Homem-robot

É uma operação cirúrgica já quase rotineira, esta de colocar uma bateria e um desfribilhador debaixo da pele de um de nós.

Quando o coração já não responde, começa a ficar grande e pouco flexível e precisa de ajuda para continuar a bater, o aparelhinho encarrega-se da tarefa.

Um amigo meu foi submetido a essa operação há dois dias e pediu-me para o ir buscar ao hospital. Estive com ele umas duas horas a assistir aos testes finais médicos e informáticos para ver se tudo estava bem e poder ter alta.

Dois jovens médicos apareceram com um PC portátil, ligaram-no ao braço do meu amigo e começaram com os testes, tudo a ser visionado num ecran igual a este em que escrevo. Não se assuste, sr. Guerra, que agora vamos acelerar, e o ritmo no visor acelerava mesmo…

Os testes continuaram e antes de terminarem passaram à fase das explicações, não faça isto, não faça aquilo, durante as próximas semanas assim, nada de esforços e, por último, os documentos da garantia. Como funciona, o que deve fazer nas mais diversas situações, número de telefones para pedir auxílio em caso de…

Durante a viagem até casa dele, em Santarém, fui sempre a pensar no amigo que levava ali ao lado, afinal o coração já se teria habituado a ter uns fios a mais dentro de si?

O coração do Zé já não acelera com a paixão, nem com as emoções do dia a dia, agora acelera com uma “pilha” que, tipo gerador, arranca quando a luz vai abaixo, pode durar até oito anos conforme o trabalho, se arrancar demasiadas vezes a pilha gasta-se.

Sem nos darmos conta, a tecnologia vai ,não só tomando conta da nossa vida, mas também da nossa saúde, com as pilhas, as cabeças do fémur de metal  que fazem barulho quando as suas proprietárias se mexem.

Dentes artificiais branquíssimos, cabelo para a vida toda, um pénis do tamanho que quisermos ( não garanto), umas mamas ao pescoço de tão firmes…

Ainda ouvi a Ana, a mulher do Zé, dizer-lhe: passas a dormir no outro lado da cama. Vá lá, receei que a pilha tivesse, logo na primeira noite, um enorme desgaste…

Fé e doutrina – ciência e razão

Fé e doutrina – ciência e razão

O coração bate em média 60 vezes por minuto, 3.600 vezes por hora, 86.400 vezes por dia, 31.536.000 por ano e cerca de dois biliões e meio de vezes numa vida de 80 anos. O coração tem movimento automático, ele gera o seu próprio movimento, ele é a sede do seu próprio automatismo. Não precisa de ninguém a dar-lhe corda, não precisa de ninguém a empurrá-lo, não precisa de bateria. Mesmo fora do peito, isolado, ele continua a bater, se o alimentarem. É um interessantíssimo fenómeno que a ciência, após décadas e décadas de profundo estudo, explica de forma muito clara e transparente.

Se perguntarem a qualquer papa, cardeal, bispo ou padre, seja qual for a religião que professe, não sabem explicar, nem há espírito santo que os ensine. Mas também não são obrigados a saber. O que me admira é que não sabendo as coisas reais ainda que complexas, se arvoram nos únicos sábios de coisas transcendentais e sobrenaturais,  e deitando mão da sua “sabedoria” são capazes de arranjar mil e uma explicações para tudo, como arranjam para explicar muitos outros fenómenos da vida. O exemplo mais marcante, neste momento, é a Evolução. A evolução das espécies é hoje um facto científico situado ao mais alto nível dos factos científicos. E a igreja sabe-o. Então que será da criação e de todos os criacionismos que para aí proliferam? A ICAR está á rasca para descalçar a bota, mas lá vai tentando descalçá-la. Que há que deus a evolução não contradiz a criação. Bravo! Não se vê como não contradiz, mas eles lá sabem. Já devem ter muitas cabeças a pensar no assunto, não para procurarem ou ajudarem a procurar a verdade, mas para arranjarem formas de continuar a mentira, a falsificação e o ludíbrio.

Coração e desporto

(Pequenas notas que podem ser úteis, especialmente nestas alturas em que algumas mortes súbitas têm ocorrido e deixam as pessoas preocupadas).

 

Se um atleta ou candidato à prática desportiva tem história suspeita ou demonstrada de cardiopatia, deve ser observado por cardiologia.

Se não tem história de cardiopatia deve ser submetido a um primeiro exame de entrada.

 

                                         Tipo de exame

 

-Exame médico individual, conduzido pelo médico assistente.

 

Vantagens:

Melhor conhecimento, por parte do médico pessoal, da história do atleta.

Boa relação médico-atleta, melhor comunicabilidade acerca de assuntos sensíveis como existência de patologias, problemas de desenvolvimento, uso de drogas etc.

Presença dos pais ou encarregados de educação na colheita da história familiar.

Melhor continuidade no seguimento.

 

Desvantagens:

Falta de interesse e de conhecimento, por parte de alguns prestadores de saúde.

Custo aumentado para o atleta.

Falta de interacção entre o médico e a escola.

 

-Exame médico em grupo, realizado na instituição e conduzido de maneira sistemática por pessoal de saúde (médicos, enfermeiros, fisioterapeutas etc.), actuando em unidade.

 

Vantagens:

Mais baixo custo para o atleta.

Potencialmente mais alta taxa de detecção de problemas.

Maior consistência e eficiência do exame.

 

Desvantagens:

Perda de continuidade das observações e cuidados.

Falta de relação com o médico pessoal do atleta.

Menor conhecimento da história do atleta e da eventual doença.

Maior dificuldade na orientação dos cuidados e na profilaxia.

                             

         

Exame cardiovascular

 

-Deve ser feito numa zona sossegada.

-Para além da inspecção, não só do tórax mas global, deve registar-se o peso, a estatura, a tensão arterial e o pulso.

-A auscultação cardíaca deve ser muito cuidada, no sentido de distinguir, dentro das capacidades do observador, sopros funcionais de sopros orgânicos.

No primeiro caso, na ausência de sintomatologia e de história pessoal ou familiar de doença, considera-se uma situação normal. Com história pessoal ou familiar de cardiopatia, deve ser observado por cardiologia.

No segundo caso, mesmo sem sintomatologia e sem história pessoal ou familiar de cardiopatia deve ser enviado a cardiologia. (Observação, Radiografia do tórax., Electrocardiograma, Eco-Doppler cardíaco, Ecg. de Holter, Prova de esforço etc., conforme o entendimento do especialista.).

 

 Exemplo de questionário de rotina:

(com idade inferior a 35 anos)

 

1-Já passaram pelo menos dois anos desde a última observação médica, nomeadamente auscultação cardíaca e avaliação da tensão arterial?

                                                              Sim (  )      Não (  )      

 

2-Alguma vez foi informado de que tinha "sopro no coração"?

                                                              Sim (  )      Não (  )

 

3-Desmaiou ou teve alguma dor torácica nos últimos dois anos?

                                                              Sim (  )      Não (  )

 

4-Algum dos seus familiares directos com idade inferior a 35 anos teve morte súbita?

                                                              Sim (  )      Não (  )

 

5-Algum médico detectou em familiares, doença de Marfan, ou "coração dilatado"?

                                                              Sim (  )      Não (  )

 

6-Já alguma vez usou anabolizantes ou cocaína?

                                                              Sim (  )      Não (  )

 

7-Alguma vez foi considerado inapto para a prática desportiva?

                                                              Sim (  )      Não (  )

 

(Com idade superior a 35 anos)

 

8-Fuma, tem antecedentes de hipertensão arterial, alterações das gorduras do sangue ou diabetes?

                                                               Sim (  )      Não (  )

 

9-Algum familiar (pais, avós, irmãos) padece de doença das coronárias (angina de peito, enfarte do miocárdio…) ou foi operado ao coração antes dos 65 anos?

                                                               Sim (  )      Não (  )

 

NOTA: Se alguma destas questões for afirmativa, o médico deve requerer a opinião de um cardiologista.