Logo no dia a seguir às eleições legislativas

Em 2015, logo no dia a seguir às eleições legislativas, o Estado vendeu o Banco Efisa, do universo BPN, à Pivot SGPS, aceitando a exigência de ficar com possíveis futuros encargos de dois processos judiciais então em curso.

Disseram-lhe para ele ir estudar e ele foi. Estudou um bom esquema. Ide ler o artigo da Visão mas atenção às dores de estômago. Ler aquilo resulta em valentes murros. 

Banco Efisa, Miguel Relvas e os “nossos” 90 milhões de euros

MRDL

O JPFigueiredo deu ontem conta do assunto mas o negócio opaco da venda do Banco Efisa já vem de trás. No final de Julho passado, com a campanha para as Legislativas a ocupar todo o espaço mediático, o Diário Económico dava conta da venda do Banco Efisa à Pivot SGPS, mas pouco ou nada se falou sobre o tema. Os momentos pré-eleitorais são sempre ideais para abafar este tipo de esquemas.

Agora as novidades: em primeiro lugar, ficamos a saber que o Estado português injectou cerca de 90 milhões de euros num banco que vendeu por 38 milhões. Dinheiro para aumentar o salário mínimo tem o condão de chocar a nossa moralíssima direita mas quando chega a hora de despejar 90 milhões de euros num descendente do BPN não se passa nada. Em segundo lugar Miguel Relvas, sempre no sítio certo, à hora certa. O ex-ministro e homem forte de Pedro Passos Coelho integra a Pivot SGPS e, coincidência das coincidências, o governo do qual fez parte não só lhe vendeu o Efisa por meia dúzia de tostões como ainda lá injectou mais do dobro daquilo que recebeu por ele. Um caso em que, bem vistas as coisas, acabamos por pagar 52 milhões de euros à Pivot SGPS para ficar com o banco, livre de encargos adicionais. Como é belo o liberalismo privatizador da direita nacional.

Foto: António Cotrim/Lusa@Esquerda.net