Da Liberdade à Igualdade

portugal_colonias
[Ilídio Marques]

Todos os anos, neste dia, volto aqui. E irei sempre voltar. Esta celebração deveria ser também uma celebração da independência das ex-colónias. Amílcar Cabral, Agostinho Neto e Samora Machel desejavam não só a libertação dos seus povos mas também a libertação do povo português de um regime autoritário. O que nunca vimos, até hoje, foi o contrário: a grande massa do povo português, ou até alguns dos seus líderes da revolução, desejarem a independência das colónias. Vimos, sim, o desejo do fim da Guerra de África, que é uma coisa completamente diferente. As repercussões arrastam-se até aos dias de hoje. Liberdade sim, mas ainda estamos longe da plenitude dos seus valores básicos, de uma vida em democracia, para todos os que cá vivem. E poderemos começar por um pedido de desculpas diplomático às ex-colónias. Até lá, esta não será uma celebração para todos. Será apenas para os brancos. Quer se acredite ou não se acredite.

O 25 de abril nasceu em África e esta é uma verdade que custará sempre a admitir a uma grande parte da sociedade deste país.


Celebrem a liberdade, mas não desistam da igualdade. Ainda há um longo caminho pela frente.