Poética do Prazer entre Sereias e Ciclopes

prazerFaça-se justiça a todos quantos descobriram
a singela chave para superar
esta mó nacional tão abaixo de baixa,
chave para um homem se agigantar
ante as mandíbulas impiedosas de um mundo a colapsar
ou talvez não.
Quem puder, se já corria, intensifique a sua corrida.
Passe a ser bidiária, a meio da manhã,
ao fim da tarde. Duas horas, portanto.
Será o prazer de correr, passar pelas árvores,
sorver em largas golfadas a aragem tépida,
húmida, odorosa,
deste Outono. Não há outro.

Às refeições, o prazer do vinho tinto:
sinta-se com a boca toda. Sorva-se.
Cheire-se.
Observe-se-lhe a cor quente, bela.
Invista-se tempo, sorriso, calor,
no prazer do convívio familiar
e na preciosidade dos amigos.
Invista-se no prazer de observar embevecido
cada um dos nossos filhinhos, netinhos, a crescer.
Ame-se cada mão na mão, olhos nos olhos,
cada abraço, cada saudação calorosa
e acolhedora. [Read more…]