A ilusão do trabalho barato

João Miranda não tem estofo para admitir que o desemprego é propositadamente elevado para que os salários baixem. Chama-se mercado de emprego, e foi intervencionado pelo estado com todas as leis para um despedimento cada vez mais fácil da última década.

Objectivo: acumulação de capital (e medo social). Ilusão: que esse capital será investido (e que o medo terá efeitos prolongados). Destino óbvio: fuga de capitais para um paraíso qualquer, que mal a Espanha demonstre estar apenas um ano atrasada em relação a Portugal a Europa fica deserta de investidores. Nem a dívida alemã escapa.

(e já agora: mesmo um ex-quadro menor da Goldman Sachs é alguém que trabalhou para uma associação de malfeitores; o que há é muita gente a fingir não dar por isso)