Da série “O aumento do SMN que nos há-de lançar no abismo”

Taxa de desemprego cai para 8,9% da população activa, o valor mais baixo desde Novembro de 2008. Entre outras coisas.

8,8%

Foto: Lusa@Dinheiro Vivo

é o valor em que se fixou a taxa de desemprego no 2º trimestre de 2017. Falamos de um recuo na casa dos 19% face a período homólogo (10,8%), 13% quando comparado com o primeiro trimestre do ano (10,1%). A catástrofe é tal que, para atenuar a carga negativa desta posta, citarei esse jornal esquerdalho que é o Expresso:

Estes números significam que o crescimento do emprego líquido ultrapassou a redução do desemprego, indicando que se está a ir buscar pessoas à emigração (regresso de emigrantes portugueses ao país) ou à inatividade.

E pronto, agora é esperar pela chegada do Diabo, que segundo informações avançadas pelos papagaios do líder da oposição deve estar mesmo mesmo para chegar. E ter medo, que isto não vai lá com gente de tomates.

É sim senhor, Dr. Passos Coelho

O líder do PSD fez a habitual visita à Ovibeja, terra de perigosos comunistas, e aproveitou os seus cinco minutos de imprensa para dizer ao país que o mérito pela descida do desemprego é das reformas laborais implementadas pelo seu executivo. E desta vez, honra lhe seja feita, o Dr. Passos Coelho até tem alguma razão. Só em não-piegas que naqueles anos abandonaram o país, o governo liderado por Passos Coelho conseguiu a proeza de reduzir significativamente os números dos centros de emprego. Dos centros de emprego e da população jovem, fértil, activa e licenciada, alegadamente a melhor preparada de sempre. Tem toda a razão, o senhor deputado. Ainda no outro dia, o seu colega Carlos Abreu Amorim fez questão de recuperar esse grande feito. Saudades daqueles tempos de boa engenharia.

Foto: Nuno Ferreira Santos@Público

 

Catástrofe no mercado laboral

bate novo recorde em Março. O drama.

Caos instalado nos centros de emprego

uma

Num passado não muito distante, dados como aqueles que a imprensa ontem revelou sobre o desemprego, com aquela timidez que vem marcando a era da Geringonça, teriam enchido capas de jornais durante vários dias. Porém, na ausência de manchetes bombásticas e publicações patrocinadas no Facebook, teremos que nos contentar com meros factos: seria necessário recuar ao final da década de 80 para assistir a uma sequência de quatro meses em que o número de inscritos nos centros de emprego não parou de diminuir. Nada mais nada menos que 28 anos[Read more…]

Indignações selectivas da clique neoliberalóide

JSH

Não é amnésia Jorge. É mesmo aquela cara de pau a que muitos destes tipos já nos habituaram. E não se resume a esta situação, que como o teu post explica, e bem, não melhorou com a extinção dos Serviços Florestais levada a cabo pela clique neoliberalóide de Pedro Passos Coelho.

Mas se vamos falar sobre notícias que poderiam ser capa há um ano atrás e sobre o efeito que teriam, que dizer dos números do desemprego, que no primeiro semestre recuaram para níveis de 2009 e que no trimestre passado desceram para o valor mais baixo dos últimos cinco anos? Quantas capas teriam o Sol, o I ou o Correio da Manha dedicado ao tema e quão inchado estaria o peito dos distintos deputados? E o que dizem eles agora? Nada.  [Read more…]

Da série “Temei! O fim está próximo”

Taxa de desemprego mantém-se inalterada em Junho, apesar do aumento ligeiro de pessoas a trabalhar. E o fim do mundo que teima em não chegar…