O ciclismo, a W52-FCPorto e o Doping

Em miúdo gostava de ciclismo. Não perdia uma Volta a França ou a Portugal na televisão e achava o esforço que os ciclistas faziam uma coisa de outro mundo. Até um dia. O dia em que se descobriu que o enorme Lance Armstrong, o ciclista que me fazia vibrar, afinal corria dopado. Para mim foi o ponto final na credibilidade do ciclismo.

Nos últimos anos, fruto da minha paixão pelo FC Porto, voltei a olhar para o ciclismo mas sempre desconfiado. Não fosse o diabo tecê-las. Até que, na semana passada, mais coisa menos coisa, dou de caras com as notícias sobre doping na W52 Quintanilha – FC Porto. Envergonhado, encolhi os ombros e pensei: não vale a pena, o ciclismo morreu de “morte macaca” há uns anos e não volta mais. Confesso, nem duvidei da notícia até pelo envolvimento da Polícia Judiciária na coisa. Até que….

Esta semana sou surpreendido com a notícia de que as análises ao sangue e urina dos ciclistas da W52-FCPorto foram enviadas para um laboratório em Barcelona, um dos mais prestigiados do mundo e o resultado foi: tudo e todos absolutamente limpos! Até o passaporte biológico! Diz quem sabe que a coisa foi fruto de uma denúncia. Certamente, anónima. Ora, no ciclismo e com o historial dos últimos anos na modalidade, não é difícil acreditar em tais denúncias. Eu, perante as notícias, nem hesitei em acreditar. Como as grandes dores são mudas, nem piei.

A questão agora é outra. O nome da W52 Quintanilha e o nome do FC Porto foram manchados. Por uma precipitação das autoridades. Será que a coisa não podia ter sido feita com o recato devido e depois, só depois, perante os resultados reagir? É que as parangonas de ontem passaram, salvo raras excepções, a meras notas de rodapé hoje. Como e quem vai reparar o bom nome dos atingidos? Como é costume em tudo quando toca ao FC Porto, primeiro atiram e só depois perguntam. E no final, pelo menos neste caso, o FC Porto e a W52 Quintanilha por tabela ainda tiveram sorte: as análises foram enviadas para um dos melhores laboratórios do mundo. Uma sorte não ter sido num qualquer local esconso….