A infância é uma doença

“Recentemente, um professor disse-me que quando olha para adolescentes que estão a ser medicados há anos com ritalina se lembra do que os electrochoques faziam aos internados no filme de Milos Forman, Voando sobre um Ninho de Cucos. É abusiva esta visão?”

Esta é uma das perguntas que a jornalista do Público, Clara Viana, faz ao bastonário da Ordem dos Psicólogos, numa entrevista de leitura obrigatória publicada hoje.

A Ritalina é uma das marcas comerciais do Metilfenidato, princípio activo da maioria dos medicamentos usados para “tratar” crianças com diagnóstico de Hiperactividade e Défice de Atenção. Foi precisamente a Ritalina que nos idos anos de 1969 e 1973 retirou o título de vencedor da Volta a Portugal em bicicleta a Joaquim Agostinho, pois era uma substância proibida em Portugal e foi detectada num controlo antidoping feito ao ciclista.

[Read more…]

Quais os limites?

Imagem

O rocambolesco caso de Oscar Pistorius e a parafernália de drogas encontradas em sua casa prometem dar ainda muito de que falar. A menos que o cenário de comprometimento assassino do detective Hilton Botha, entretanto avançado, possa lançar uma cortina de fumo sobre a investigação.

Num momento em que os ídolos do desporto têm mostrado (e confessado) que a alta competição está minada pela mentira, que os grandes resultados pressupõem consumos de substâncias proibidas que explodem os limites humanos, num momento em que começamos a perder as nossas referências nesta área e a questionar onde começa e acaba a verdade desportiva, onde começa e acaba a batota, fenómenos como Oscar Pistorius devem fazer-nos pensar.

A robotização do ser humano, como arma apontada aos recordes sobre-humanos, valerá de facto a pena? Valerá a pena estarmos a fabricar monstros que, depois, não poderemos controlar, tornando-nos vítimas dos demónios que criámos?

Quais são então os limites entre o que se pode e se deve fazer? Quais as balizas da ética vs. ambição? Onde começa e acaba o crime?

Se está provado que até as drogas mais suaves, e permitidas, podem provocar demência, o que esperar de manipulações químicas mais ousadas, sofisticadas e, quiçá, mais mortais?

E a quem pedir contas?

Desistir de lutar não pode ser a saída

Confesso que não esperava a desistência do Lance.

Foram muitas as horas que passei em frente à televisão a ver este mágico no Tour. Tudo o que se tinha como certo em relação ao ciclismo e ao Tour era alterado por Lance Armstrong. Queria aqui encontrar um termo de comparação, mas no desporto, não estou a ver ninguém que tenha sido tão esmagador.

Eu quero continuar a acreditar que foi ele que venceu as 7 voltas a França, sem batotice, mas o texto por ele publicado no site oficial deixa-me muitas dúvidas.

Nani com doping?


É uma das explicações que corre para o afastamento de Nani do Mundial da Africa do Sul. Baseiam-se os autores dessa explicação no excelente momento de forma que o jogador atravessava, no abandono da Selecção dias antes do controle anti-doping que foi realizado e em todos os acontecimentos que rodearam a alegada lesão.
Como é lógico, não sei se isto tem o mínimo fundamento, mas sei que é tudo muito estranho: o jogador lesiona-se num treino em Portugal, mas ninguém repara a não ser na Africa do Sul; o jogador regressa a Portugal a carregar bagagens cujo peso é incompatível com uma lesão grave no ombro; e para cúmulo, diz que daqui a uma semana já estará bom.
Ora, se daqui a uma semana está bom, já podia jogar com o Brasil e até com a Coreia do Norte. No fundo, só falhava o primeiro jogo.
Alguém que explique cabalmente o que se está a passar por favor.

%d bloggers like this: