Um Equívoco Democrático em Ruílhe

“Natal “impõe-nos” a tolerância! Transforma-nos e faz-nos perceber, que vivemos efectivamente em comunidade”

Esta é uma das frases que se pode ler na mensagem de Natal da página da Assembleia de Freguesia de Ruílhe (Braga), assinada que está pelo seu jovem presidente, Hugo Miguel Vilaça Martins.
Por ocasional coincidência, estas frases – mas assinadas por vários autores – aparecem, por exemplo, nos sites da JF Avanca (Estarreja) e JF São Miguel (Açores), assim como também no site da JF da Salga (Açores) e no da JF de Gême (Vila Verde).
Enfim, um texto emotivo, pessoal, pessoalizado mas assinado por muitos autores em simultâneo em geografias muito distintas.
No caso de Ruílhe, uma mensagem aparentemente duplicada (quem plagiou quem?) tinha aparecido no mesmo site oficial da AF de Ruílhe há um ano, no Natal de 2013. Na altura como agora, foi publicamente chamada a atenção para o facto por vários cidadãos na página de facebook daquele orgão democrático.
A façanha da duplicação de textos emotivos mas com autores diferentes repetiu-se agora e ontem, novamente, tal foi comentado na mesma página. E, novamente, o jovem presidente da Assembleia de Freguesia de Ruílhe não terá gostado do reparo e, num esquema evolutivo e perigoso, removeu vários comentários sobre este assunto, inclusive o meu comentário.
Não contente, o presidente deste orgão democrático, Hugo Miguel Vilaça Martins, bloqueou totalmente o acesso a pelo menos duas pessoas que educadamente havia feito o comentário.

Quem perde com este comportamento despótico e fascista?

Perde a freguesia de Ruílhe, perdem os ruilhenses. Merecem melhor, merecem o melhor possível.
Perde a democracia portuguesa ao ver-se violentada por um jovem, mais jovem que a própria democracia. E isto é particularmente assustador.
Perde o presidente da Assembleia de Freguesia de Ruílhe. Perde a oportunidade de se livrar de um embaraço escusado, retractando-se e, com isso, elevando-se a ele e ao orgão a que preside.
Em democracia, falhar é muito normal (só não falha quem nada faz); insistir no erro é pedante.
Fico a aguardar o pedido de desculpas. Fascismo nunca mais.

Comments

  1. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    Um verdadeiro SNI (Secretariado Nacional da Informação) do tempo do antes do 25 de Abril. E esses grupos que enviam mensagens todas iguais, num verdadeiro hino à criatividade, funcionam como uma UN (União Nacional).
    Não, não há engano. Nem eles se enganaram. Os fascistas estão aí trazidos pelo padrinho que foi PIDE. São reciclados, mas são fascistas.


  2. Aqui está um post que merece o meu aplauso. Bom serviço democrático publico. Acabar com os palhaços que se acham alguém com poderes de decidir quem fala ou está calado. Uma vergonha infelizmente que atravessa toda a cadeia de eleitos desde a freguesia até assembleia da republica . Pena que os eleitores não tomem em mãos acabar com estes pulhas da vida publica.

Trackbacks


  1. […] Volta, GIl Vicente, ‘tás perdoado… Fascismo em Ruílhe nunca mais! […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.