Caminho perigoso…

Tenho vários amigos brasileiros, há uns tempos brincando com um deles por saber que tinha votado Bolsonaro, me respondeu, “eu não sou Bolsonaro, como eu, somos milhões. A gente não quis eleger Bolsonaro, era mesmo qualquer um, o que a gente queria mesmo era correr com o PT do poder. Já não os suportávamos…”
Ontem lembrei-me desse amigo a propósito desta notícia. O fanatismo de quem nos (des)governa e tenta impor uma agenda é de tal ordem, que mais dia menos dia, os portugueses acordarão da letargia em que mergulharam e irão livrar-se destes trastes, só que provavelmente não será para eleger quem estiver de turno na liderança do PSD, que todos sabem há décadas, ser mais do mesmo. Exemplos não faltam por esse mundo fora…

Comments

  1. Alberto Fernandes says:

    Mais um amante do venturapassismo, com tlques disfarçados do bolsocoiso.
    Se consultasss os programas dos partidos poupanças está figurinha…
    “Desgoverno” disse ele 💊💊💊💊

    • António de Almeida says:

      Se ao menos se desse ao trabalho de me ler, conheceria o meu sentido de voto. Ventura? Passos? Pois… dois tiros em cheio… na água!!!

  2. Rui Naldinho says:

    Podemos sempre dizer:
    « Dessa água não beberei »
    Podemos sempre dizer :
    « No melhor pano cai a pior nódoa »
    Mas também podemos afirmar:
    Entre Portugal e o Brasil há um «oceano » de diferenças, a todos os níveis.
    Ainda bem que assim é!

    • Vila do Conde says:

      Pois,,,mas dizia Jorge de Sena “Talpai, tal filho”

    • Rui Naldinho says:

      Entre o JgMenos e a Lucinha Pissarro, eu ainda assim prefiro o Menos.
      A Lucinha acredita que Bolsonaro é uma encarnação divina. O Menos não era capaz de tamanho disparate. 🤣😂

    • António de Almeida says:

      Um oceano de distância existe, já de diferença não tenho assim tanta certeza…


  3. Um olho no burro e outro no(s) António(s) de Almeida.

  4. Paulo Marques says:

    E, diga lá, entre não pagar a dívida ou ignorar o ecocídio, qual é a alternativa preferida?
    Porque até concordo que não devem ser os pobres a pagar a sociedade, discordo é em achar que devemos ter uma.

    • António de Almeida says:

      Os carros eléctricos nem poluem. As baterias não têm problemas. No final de vida das mesmas todos sabemos o que fazer com elas. Pagar por um carro eléctrico o dobro do que se paga por um a gasolina é um bom investimento. Até porque sabemos que se por artes mágicas todos abandonássemos os motores de combustão para investirmos nos eléctricos, o governo seria incapaz de aumentar as taxas sobre os carregamentos de electricidade. Confiança no governo é algo que podemos ter cegamente. Neste ou noutro liderado pelo PSD, como é óbvio…

      • Paulo Marques says:

        O António diz que não poluem porque nunca viu o que sobra nas minas de metal, porque esquece que o plástico todo do carro vem do mesmo petróleo e tem graves problemas de decomposição, e ignora que não há plano para deixarem de ser alimentados em boa parte por carvão (por questões técnicas que levam a custos elevados, para os quais não há €, nem para financiar, nem para pagar a conta ao fim do mês).
        Até pode ser um bom investimento individual, se não se encharcar de dívida ou se o seguro cobrir os danos, mas o resto dos problemas causados pela supremacia do transporte individual continuam.

        Quanto ao governo, tem que ir buscar o dinheiro a algum lado para pagar o Euro, e se não quer “assustar o capital”, vai continuar a buscar ao resto, tal como faz no tabaco onde os fumadores já pagam bem pela saúde dos outros – a seguir, o álcool, como outros países.
        Eu também não confio neste governo nem noutro para resolver coisa nenhuma, pela razão que só vêm finanças (ir)responsáveis à frente; mas a quem acha que os nossos tratados são muito bons continua a pergunta: tira-se aonde e a quem?

  5. Julio Rolo Santos says:

    Volta Cavaco? Volta Passos Coelho? Uma minoria já tem saudades da porcaria que vocês fizeram mas, pelos vistos, estão perdoados visto que, aos olhos desta minoria os que estão,. não valem nada. É preciso ter lata, muita lata.

    • António de Almeida says:

      Mas quem tem saudades? Quero mais é que a corja que nos (des)governa vá rapidamente fazer companhia à que nos (des)governou…

  6. Carlos Almeida says:

    Entre alguns comentários de uns “liberoides” que querem o sol na eira e chuva no nabal, como aqui o Sr Antonio Almeida, prefiro as bocas do JGMenos.
    Pelo menos é honesto e diz ao que vem

  7. Dragartomaspouco says:

    Out off topic

    ou talvez não

    No Laranja Canal News

    “Centenas de pessoas manifestaram-se este sábado à tarde, em frente ao Tribunal da Relação do Porto, pela libertação do pirata informático Rui Pinto.

    O protesto contou com lesados do BES e apoiantes do pirata informático. Na manifestação, estiveram ainda algumas figuras ligadas ao FC Porto, entre elas, o líder dos Super Dragões.”

    Cada vez mais interessante e esclarecedor

  8. POIS! says:

    Pois, realmente é chato!

    Não sei se conhecem aquela “do português” num congresso de psicologia. O tema eram as cores e, quando chegado ao amarelo, depois de “o francês” ter dito que lhe lembravam os campos de trigo na primevera e “o inglês” o sol que tão pouco via, “o português” respondeu simplesmente “quando o vejo, fico excitado” ( o termo exato é dá-me tão…). Depois de um “bruáá” no congresso, perguntaram-lhe porquê e a resposta foi “não sei, mas a mim qualquer cor me dá tão”.

    Tá visto! Qualquer medida que seja tomada e que não agrade, no imediato, a alguns alguéns serve para avisar que, qualquer dia, o povo elege um bolsoneiro. A versão Almeida dos vinte e sete salazares necessários para “endireitar a nação” (endireitar? Ora lá está!).

    Até porque a eleição de um bolsonazar é uma boa desculpa para os iniciativos liberaleiros se desculparem das verdadeiras consequências do seu programa político.

    Eleger um bolsoneiro é sempre uma escolha boa para os “fartos dos outros”. E se resulta! A prova disso é que os seus amigos brasileiros, pelos vistos, continuam por cá, neste inferno geringoncio-comunista, mas apenas por falta de voos para o Brasil. Como se sabe, o poder vigente em Portugal proibiu a estatizada TAP de voar para países governados por bolsonistas o que está a ser dramático. Ainda na semana passada foi salvo um brasileiro na Costa da Caparica que, num assomo de desespero, tentava fugir a nado com o filho ás costas e a mulher amarrada por um baraço. Um horror!

  9. whaleproject says:

    os fascistas zucas que ao menos tenham tomates e se assumam. Para simplesmente tirar de lá o PT, podiam ter votado no Ciro ou no Alkhmin. Quando escolheram aquela besta selvagem sabiam o que estava a fazer.

  10. Pedro Vaz says:

    A velhinha técnica do paternalismo para ajudar a manter o status quo: “Ai a culpa destes partidos e pessoas perigosas é da maneira actual de se fazer política”…já é técnica antiga para convencer o gado a continuar a ir para o matadouro. O Marcelo dos Afectos adora usar essa técnica.

    • POIS! says:

      Pois, tem razão!

      Os dos standards do status quo já não convencem! A prova é que agora o gado está todo no Chega. Já não vai para o matadouro sem antes passar por uma venturosa engorda, até para fazer pirraça ao PAN.

      A propósito: quantos quilos já pesa, Xô Vaz?

    • Paulo Marques says:

      Não é isso que o querido líder despeja no twitter?

      • Pedro Vaz says:

        O LÍDER SUPREMO fala em demolir o Sistema não em perpetuá-lo.

        • Paulo Marques says:

          O Kylo Ren também tem twitter? As semelhanças com o Andrézito são muitas, de facto.
          O que é extraordinário é que todos os apoiantes dizem que o rapazito defende coisas diferentes; pudera, como outros grandes marcos históricos recentes, sente-se à vontade para defender tudo e o seu contrário.

        • POIS! says:

          Ora pois!

          Não é que o LÍDER SUPREMO quer ser um perigoso demolidor.? Realmente o tipo anda armado em camartelo mas, afinal, vai-se a ver e é só gelatina.

    • E o burro sou eu ? says:

      Ainda andas por aqui, bandidola ?

  11. whaleproject says:

    Quem vota na extrema-direita sabe o que faz. Noutra intervenção não tive tempo de publicar tudo, mas pelo menos os fascistas zucas lembrem-se que quem atravessou o Atlântico primeiro somos nós. Portando não insultem a nossa inteligência dizendo que aquele fascista extremista, sexista, incendiário era a única alternativa que tinham para correr com o PT.
    Votaram naquele fascista porque são fascistas, porque são sanguinários, porque sonham com um país em que os pobres sejam mortos ou escravizados, em que as mulheres não tenham direito a nada e eles possam ter uma empregada doméstica para todo o serviço pelo pratinho da sopa, como aliás, acontecia deste lado do mar no tempo da ditadura fascista que também tivemos. O resto, meus amigos, é conversa para boi dormir. Lá e cá. Quem aqui vota Ventura vota pelos mesmos motivos, não porque está preocupado com a corrupção. Contem outra.

    • Pedro Vaz says:

      Outro doente mental…ou serás o João Mendes? Tens o mesmo estilo de doença mental…

      • POIS! says:

        Ora pois!

        Para o Pedro Vaz, quem não é do Chega é doente mental. É o chamado síndroma dos manicómios: os doentes mentais estão todos lá fora. Dentro só os médicos e os enfermeiros.

        Aliás o Xô Vaz gosta muito de vir para aqui armado em psiquiatra, a brincar aos médicos. É que agora a mana já não deixa.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.