Dia do Caminho de Ferro e dos Ferroviários

caminho-de-ferro_ferroviariosEstá para assinar uma petição a favor da criação do Dia Nacional do Ferroviário.
Do Caminho de Ferro e do Comboio, digo eu. Façam o favor.

As infra-estruturas e o fato

I follow Lakoff and Johnson’s definition of a conceptual metaphor as an underlying association that is systematic in both language and thought and explains something new or abstract in terms of something familiar or concrete. Although the focus of my analysis is on metaphor, I also relate to metonymies and similes, which function in similar ways (Lakoff & Johnson 1980 : 36).
Marta Neüff

MÉNÉLAS
Les déesses furent rapides à exiger de toi le prix du sang.
Le fait d’avoir vengé ton père ne t’est-il pas compté?
ORESTE
Pas encore, et pour moi le retard équivaut au refus.
Eurípides, “Électre/Oreste” (trad. Marie Delcourt Curves)

***

Efectivamente, enquanto houver quem ache este salgueiro

melhor do que este,

não há qualquer problema.

Todavia, enquanto houver quem ache que agora facto é igual a fato (de roupa), o problema é grave, pois pode levar a isto:

De igual modo, [Read more…]

Aquelas algemas

dizem tudo.

“Um retrato da cobardia do nosso país”. É isso.

Rui Pinto: Os próximos leaks


Não faltará muito para os próximos leaks virem a público: Vistos Gold, Escom, BES…
Claro que não servirão para nada. Tudo obtido ilegalmente. Tudo obra de um criminoso que rouba e trunca. Tudo para guardar na gaveta.
Os poderosos não devem ser incomodados…
Matem o mensageiro, ele é o culpado. O resto não interessa. Roubaram milhões e continuam em liberdade? Mataram? Violaram e ameaçaram de morte?
Tudo coisas de somenos. De pouca importância. Pedir dinheiro em troca de silêncio a uma sociedade mafiosa sediada em Malta, isso sim, é muito mais grave do que matar, violar, roubar milhões.
Prisão preventiva.
Prisão perpétua.
Pena de morte.
Quando o Rui Pinto acordar enforcado na prisão, dirão que foi suicídio. E aí sim, o país poderá dormir descansado. Todos os seus males terão sido expurgados. Os portugueses dormirão em paz.

Nazis no Chega?

o polígrafo diz que sim.

Esclareça-nos, Dr. Rui Rio

ainda acha “um bocadinho exagerado classificar o Chega de fascista ou extrema-direita“?

Esta saiu mal a André Ventura…

Joacine Katar Moreira avançou com uma iniciativa que me parece descabida de razoabilidade, mas sendo uma proposta política, merece naturalmente a meu ver reprovação política. André Ventura na busca de protagonismo avançou com uma resposta parva e xenófoba, ao afirmar que a deputada eleita pelo Livre deveria ser deportada para a sua terra. Aguardo próximos deslizes do deputado eleito pelo Chega para perceber se além de xenófobo, também é racista. Não tenho qualquer dúvida que a sua tentativa de graçola saiu totalmente ao lado, acabando por funcionar como idiota útil para Joacine, que além de vítima neste episódio, ganhou força na disputa que o partido mantém com ela, tornando mais difícil que lhe seja retirada a confiança política.

Do país de origem aos testículos ou contributos para uma retórica reaccionária

Nem todos podemos ser pessoas civilizadas: uns não receberam educação em pequeninos, outros fundaram o Chega. Sendo pouca a esperança de que estes pobres desgraçados cheguem à civilização (nada que, ao longo da história, os tenha impedido de chegar ao governo), é nosso dever, cristãmente, deixar alguns contributos para que possam exercer ainda mais cabalmente a sua incivilidade, para que possam continuar a sonhar com o direito a acabarem com os direitos dos outros.

Joacine Katar Moreira defendeu que Portugal deveria devolver património às ex-colónias. André Ventura, por discordar, propôs que, em vez disso, Joacine fosse “devolvida ao país de origem”. É natural que André Ventura, sendo orgulhosamente reaccionário, não se aperceba verdadeiramente da desproporção entre o teor da proposta de Joacine e o conteúdo da sua crítica. Uma qualquer desconfiança ainda o levou a dizer que referência à deportação era ironia.

É claro que, para um reaccionário, país e origem são conceitos muito simples e, no caso em apreço, nem sequer é importante saber que Joacine é cidadã portuguesa ou que as nossas origens são tão incertas que nos arriscamos a ter antepassados africanos, nórdicos, asiáticos ou outros, numa provável mistura que faria vomitar um reaccionário, se perdesse algum tempo a pensar no assunto, deus nos livre e guarde e salazar nos proteja, sempre vigilante. [Read more…]

Jorge Nuno Pinto da Costa

De que é que o senhor Jorge Nuno Pinto da Costa está à espera para sair em defesa de Rui Pinto? Como é que V. Exa. julga que a História o vai tratar?

O Estado português não pode investigar o Luanda Leaks

As provas foram obtidas ilegalmente.

Socialismo sem contas feitas…

Rui Pinto, o denunciante do Luanda Leaks

Comunicado de Imprensa

Os advogados abaixo assinados declaram que o seu cliente, o Sr. Rui PINTO, assume a responsabilidade de ter entregue, no final de 2018, à Plataforma de Proteção de Denunciantes na África (PPLAAF), um disco rígido contendo todos os dados relacionados com as recentes revelações sobre a fortuna de Isabel DOS SANTOS, sua família e todos os indivíduos que podem estar envolvidos nas operações fraudulentas cometidas à custa do Estado angolano e, eventualmente, de outros países estrangeiros.
Rui PINTO procurou, assim, ajudar a entender operações complexas conduzidas com a cumplicidade de bancos e juristas que não só empobrecem o povo e o Estado de Angola, mas podem ter prejudicado seriamente os interesses de Portugal.
Rui PINTO esclarece que entregou este disco rígido, no cumprimento do que entende ser um dever de cidadania, e sem qualquer contrapartida, depois de tomar conhecimento das missões realizadas pela organização PPLAAF, permitindo que usassem os dados como entendessem.
Rui PINTO está satisfeito por ver que, graças ao intenso trabalho do consórcio de jornalistas ICIJ, todos os dados foram explorados, verificados, validados e, portanto, encabeçaram as revelações que necessariamente levarão à abertura de investigações criminais em muitos países, incluindo Portugal. [Read more…]

R.I.P. Kobe…

Espaço político não socialista…

Optei esperar pelo congresso do CDS/PP para escrever este post, sobre o espaço político não socialista. Se preferirem, espaço político à direita do PS, pessoalmente não me revejo na dicotomia esquerda/direita, fruto da revolução francesa, já lá vão mais de 2 séculos.
Após as últimas legislativas, que resultaram na vitória e reforço político do PS, liderado por António Costa, o panorama político português alterou-se de forma substancial. Se é para ficar ou foi mera conjuntura, veremos o que nos reservam eleições futuras. Para já o que temos é um governo liderado pelo PS, com maior ou menor grau de influência dos partidos à sua esquerda, sem alternativa política de governo. [Read more…]

Era uma vez um Irão democrático

Uma das primeiras postas que rabisquei num blogue, há quase 10 anos, falava sobre Mohammed Mossadegh, o homem a quem é atribuída uma frase que diz muito sobre o homem que foi: “if I sit silently, I have sinned”.

Mossadegh foi primeiro-ministro do Irão entre 1951 e 1953. Tinha taxas de aprovação popular altíssimas e aproveitou-as, juntamente com o poder de PM, para lançar um programa de nacionalização da indústria petrolífera do seu país, ocupada pelo Reino Unido e outras potências ocidentais, que, quais sanguessugas, parasitaram os recursos do Irão durante décadas, com o beneplácito da elite local. [Read more…]

Luanda Leaks: Domingos da Cruz explica o capitalismo de saque às criancinhas

Há quem confunda interdisciplinaridade com a Feira de Beja

Não é o caso de António Carlos Cortez: Quem deve leccionar Português? Um contributo

Ao contrário do que escreve o Expresso, não é

Francisco Assis quem «lança Ana Gomes para a Presidência contra Marcelo». Efectivamente, quem «lança Ana Gomes para a Presidência contra Marcelo» é João Mendes. Ai, ExpressoExpresso… Em última análise, Assis pode apoiar.

O verão, o hão-de ver, o vereis e o heis-de ver

O AO90 e o jornal A Bola explicam a novela Bruno Fernandes/Manchester United et al.: «se ele não sair agora, vai certamente sair durante o verão».

Sim, mas gera riqueza e cria empregos!

Os novíssimos indignados com Isabel dos Santos andaram, andam e andarão a desculpar circunstancialmente todos os países ou empresários que quiserem vir para Portugal pagar baixos salários e/ou lavar dinheiro.

Manuel Pinho, por exemplo, antes do episódio dos corninhos, aconselhou o investimento em Portugal porque os salários são baixos.

Rui Machete, então Ministro dos Negócios Estrangeiros, pediu desculpa a Angola porque a Justiça portuguesa cumpriu o dever de investigar a possível corrupção de figuras do regime angolano em Portugal.

De uma maneira geral, desde que exista, no mínimo, a ilusão de que poderão “gerar riqueza” ou “criar empregos”, qualquer milionário estrangeiro tem as portas e as pernas abertas para fazer o que lhe apeteça, o que, aliás, faz parte do espírito de uma aberração como os Vistos Gold.

Paulo Portas, ainda ministro, chegou a afirmar, diante das críticas ao regime angolano, que não tínhamos lições de democracia a dar a outros países, o que é próprio de quem prefere os negócios às pessoas.

Isabel dos Santos é uma flor nauseabunda que muitos garantiram cheirar a rosas. Não sei se o poder que manda hoje em Angola é melhor do que o anterior, mas não deixa de ser curioso assistir a eternos cínicos disfarçados de moralistas, depois de terem recolhido o pólen.

Isabel dos Santos e o empreendedorismo parasita

A empresa estatal angolana SODIAM juntou-se dois fundos sediados na Suíça e na Holanda, detidos por Isabel dos Santos e pelo marido, Sindika Dokolo, e criou a empresa Victoria Holdings Limited, em Malta. Esta última pediu um empréstimo de 132 milhões de euros ao EuroBic, detido por Isabel dos Santos, para comprar a joalheira Suíça De Grosigono, que se tornou num dos mais rentáveis investimentos da filha do cleptocrata, empréstimo esse que foi garantido pelo Estado angolano, comandado, à data, pelo referido cleptocrata.

Empresas públicas manipuladas, fundos abutres sediados em paraísos fiscais, empréstimos assegurados pelo Estado, concedidos e recebidos pela mesma pessoa, que, nem de propósito, é filha do chefe de Estado. Eis a receita do empreendedorismo de Isabel dos Santos, tão admirado e aplaudido, durante largos anos, pela mesma elite financeira e empresarial portuguesa que agora assobia para o lado, como se não tivesse nada a ver com o dinheiro sujo do saque de décadas ao erário público angolano, um dos países que ocupa o pódio da mortalidade infantil. E não, ninguém pagará pelos crimes do regime dos Santos. Nem os gangsters angolanos, nem os seus lacaios portugueses ou os seus amigos da City ou de Wall Street.

P.S. O capitalismo desregulado (aquele que Margaret Thatcher ajudou a criar) dura até acabar o dinheiro dos outros.

Davos – bailando com os vampiros

Lá começou hoje pela 50-ésima vez o Fórum Económico Mundial em Davos – o “Baile dos Vampiros” como o sociólogo suíço Jean Ziegler o denomina – onde os CEOs das multinacionais e gigantes “abutres”, como a operadora de activos e gestão de riscos Blackrock, se encontram com os políticos dos governos pressurosos em abrirem as portas a negócios chorudos. Isabel dos Santos, afinal, não vai lá estar, mas não faltará gente que conhece bem e aplica, sempre que possível, idênticos estratagemas.

Há quem defenda que, especialmente numa época em que o multilateralismo está periclitante, o Fórum é importante para juntar actores que não têm outra ocasião de trocar ideias; acrescenta-se ainda, que o Fórum se abriu à sociedade civil, pertencendo, este ano, um terço dos 3.000 participantes a organizações como a Oxfam e Greenpeace. O lema deste ano: Responsabilidade e Sustentabilidade. [Read more…]

Ana Gomes a presidente

AG

via Expresso

Diz as verdades, sem medo nem clientelas, desmascara esquemas, independentemente do poder dos gangsters que os manobram, e chama os boys pelos nomes, sem racismo, xenofobia ou narrativas conspirativas breitbartianas baseadas no ódio, na discriminação ou noutras paranóias conspirativas de marxismos culturais ou ideologias de género. Provando que não é preciso ser um grunho fascista para criticar o sistema.

Este país não é para Crianças. Excepto se forem filhas de Zédu

O vídeo que se segue contém imagens que poderão chocar os mais sensíveis. Está feito o spoiler alert.

Quantas crianças descalças, subnutridas, a viver em condições desumanas, sem acesso a uma escola decente, a cuidados médicos decentes, a perspectivas de um futuro decente e com uma infância de carência, medo e sofrimento são precisas para fazer uma Isabel dos Santos?

O Bolsonaro foi convidado?

Em princípio foi. A não ser que o Bibi ainda não tenha perdoado o episódio anti-semita (que não surpreende, vindo do governo que vem) do Goebbels da Cultura.

Sindika Dokolo, cidadão de mérito (???) do Porto

Luanda Leaks

É meter o denunciante em prisão preventiva. É o que merece quem anda a revelar os emails dos outros.

Legitimidade dos mandatos parlamentares

Não me identifico com o Livre, nem simpatizo politicamente por aí além com Rui Tavares e ainda menos com Joacine Katar Moreira, em quem jamais votaria. Mas isso é irrelevante para a questão que me leva a escrever estas linhas.
O partido Livre aposto na deputada para conseguir finalmente entrar no parlamento, objectivo que o seu líder e fundador falhara nas anteriores legislativas. Uma vez eleita a deputada e garantida a subvenção estatal, entram num processo autofágico, que inevitavelmente acabará mal para todos, talvez pior para o partido que se tornará irrelevante no futuro. Joacine Katar Moreira, se quiser, poderá andar por aí, não lhe faltarão oportunidades dentro ou fora da política, eventualmente acabará no PS, preenchendo um nicho eleitoral que garante alguns votos. [Read more…]

A gente é que não sabe

“Nós somos bons, muito bons. Somos os melhores dos melhores.”

Direita alternativa e aflita

psd

Fotografia: Lusa/Cofina Media@Sábado

A máquina de propaganda alt-right instalada nos Observadores, nos I’s e nas CMTVs está aflita com a quase certa vitória de Rui Rio. Tão aflita que agora se lembrou de nos alertar para o perigo de deixar a ala direita do espectro vazia, à mercê dos Venturas, caso o PSD se posicione ao centro, como (alegadamente) pretende Rio. Mas não há motivo para alarme. O PSD é um partido de direita (que alberga, desde sempre, alpinistas e trampolineiros ultraconservadores e de extrema-direita, porque o poder é muito apelativo e o PSD é a única forma de, à direita, lá chegar), continuará a ser um partido de direita e levará a cabo uma política de direita mal regresse ao governo. Sempre foi assim, sempre assim será. Por outro lado, para promover a extrema-direita e os ultraconservadores já cá temos essa mesma máquina de propaganda. Deixem-se de merdas. Luís Montenegro e restante entourage passista que façam como a sua antiga barriga de aluguer e criem o seu próprio Aliança. Ou assumam o que são e criem um Chega ou uma Iniciativa Liberal, dependendo do caso em concreto. Porque mesmo sendo de direita, e estando, em parte, cercado por gente pouco recomendável, Rui Rio está a anos-luz dos restos do passismo.