História? Verdade? Não são importantes

Uns pândegos, estes gajos do PCP. Bem, pândegos, é capaz de ser pouco. São, mais, uns trafulhas nojentos. Para quem a verdade é um conceito tão plástico que pode ser, interesseira e cobardemente, moldada de maneira a servir o que se quer demonstrar.


Estive a ler, com cuidado, o dossier publicado pelo PCP a propósito do aniversário da vitória sobre a Alemanha nazi. Vá lá, pelo menos ficaram-se pelo dossier e não obrigaram a mais excepções à lei para fazerem mais uma demonstração onanista de glorificação.


Em cima, ia escrever “vitória aliada”, mas depois de ler o tal dossier, descobri que os soviéticos lutaram e ganharam sozinhos a 2ª Guerra Mundial. Bem, não foi completamente sozinhos. As diversas resistências nacionais, também deram uma ajuda. Não todos os resistentes, só os que eram militantes do PC local. Os outros só atrapalharam. Como os restantes aliados. EUA, Reino Unido, China e mais uma vintena de nações que nada mais foram que uns aproveitadores. No fundo, uns maricas que deixaram o trabalho duro nas mãos dos soviéticos.


É claro que o maior argumento é o número recorde de mortos na URSS durante a 2ª guerra mundial. Um número apocalíptico. Terrível. Qualquer número, fosse qual fosse, corrobaria a atestada suspensão do essencial do ser humano durante qualquer guerra, mas este ultrapassa tudo o que pudesse ser imaginado.


Mas, obviamente esquecem-se de referir variadíssimos factos. Primeiro, na URSS a perspectiva como eram utilizados os soldados e as povoações civis, era totalmente diferente da estratégia seguida pelos restantes Aliados. Restantes, não. A China partilhava do entendimento soviético. Naqueles dois Países as pessoas, pura e simplesmente, eram, literalmente, encaradas como “carne para canhão”. Se estavam logisticamente ou belicamente em inferioridade para com o inimigo, era atirar soldados para cima. Morriam muitos, mas haviam sempre muitos mais para atirar. E não haviam quaisquer pruridos em condenar populações inteiras à fome, ao frio e à extrema crueldade alemã, desde que isso concedesse uma qualquer vantagem estratégica. Obviamente que um dos principais factores daquele horrível extermínio foi a especial ferocidade e desumanidade alemã na frente leste. Mas o desprezo de Stalin pelos seus compatriotas é factual e justifica uma grande parte daqueles números. Aliás, a própria maneira como o PCP encara aquela infinidade de baixas, quase com regozijo pelo argumento supremo que traduzem, não deixa de demonstrar que o desprezo pela vida humana não decorre apenas das mentes retorcidas de, por exemplo, dois monstros como Hitler e Stalin, mas é, principalmente, consequência da atrofiante veneração de ideologias radicais como são o comunismo e o nacional-socialismo.


Depois, e como é perfeitamente compreensível, não há qualquer referência ao facto de vários historiadores apontarem o número de mortos em consequência do consulado de Stalin como bem superior aos que pereceram durante a 2ª Guerra Mundial. Há, inclusivamente, historiadores que indicam valores que mais que dobram as baixas durante a Guerra. Mas não referirem isso, é perfeitamente natural e expectável num partido como o PCP.


O que já não é tão compreensível (no PCP se calhar até nem deixa de ser) é a total e completa ausência de referências a factos como o Pacto Molotov-Ribbentrop (Agosto 1939), como o Acordo Comercial Germano-Soviético (Fevereiro 1940), como o Tratado da Fronteira Germano–Soviético (Outubro 1939, redacção final) ou como o protocolo secreto sobre a divisão dos territórios da Polónia, Lituânia, Letónia, Estónia, Finlândia e Roménia, negado durante décadas, mas finalmente admitido em 1989. Ou principalmente, uma referênciazinha que fosse à invasão conjunta em Setembro de 1939 da Polónia. Repito, invasão conjunta.


Aquela expressão que diz que qualquer número confessa depois de torturado, para o PCP tem um alcance mais abrangente. A história tal como a maior parte dos milhões e milhões que pereceram às mãos da NKVD, também confessam.

Comments

  1. abaixoapadralhada says:

    Deixaste de ser facho para ser mesmo um nazi.
    Os ditos liberoides estão cheios dessa gente.
    Se a URSS não tivesse entrado na guerra e tivesse dado a volta á situação, não tinha havido desembarque da Normandia.
    Quem é que chegou a Berlim e ocupou primeiro.
    Voces os liberoides/nazis querem rescrever a Historia ?

    • JgMenos says:

      Entraram na guerra porque foram invadidos pelo seu aliado nazi, e muito contrariados.

      Chegaram a Berlim montados em camiões de fabrico americano.
      Chegaram primeiro porque a propaganda e o domínio dos povos ‘libertados’ valia sempre mais do que a vida dos seus cidadãos.

      Se não és tótó disfarças muito bem!

  2. Pedro Vaz (Nacionalista) says:

    O roto a falar do rasgado.

    Quem derrotou o Nazismo foi o Nacionalismo dos Russos e Russo-Asiáticos (Buryats, Tuvars, etc).

    Os comunas ainda acreditam que quando os soldados Soviéticos tentavam esqueçer o medo da morte ou ferimentos sérios estavam a pensar na “revolução do proletariado”. Ganharam a guerra pelo seu espirito NACIONALISTA que em certa medida ficou intacto devido á contra-revolução anti-bolshevik do Estaline. Comunas não sabem nada.

    Os cucks de direita viram filmes AMERDicanos demais e nem sabem que os Aliados Ocidentais enfrentaram 10 divisões Alemãs quase todas de baixa qualidade e que os Russos e Russo-Asiáticos enfrentaram mais de 200 divisões de alta qualidade. Cucks de direita não sabem nada.

    Já agora já se via o quão decadente a “Democracia Liberal” era pela falta de coragem dos soldados Ocidentais, foram completamente humilhados pelos Alemães. Quanto aos AMERDicanos…o MIGHTY 3rd Army do BADASS General Patton quando experimentou um pouco do que era uma ofensiva das SS ruiu como um castelo de cartas.

    • JgMenos says:

      Se tivesses um comissário político pronto a dar-te um tiro nos cornos se recuasses, (ainda que nunca te tivesse sido distribuída uma arma) o teu nacionalismo subia ao topo da escala!

      • Pedro Vaz (Nacionalista) says:

        Filmes de Hollywood em acção…lol…foi aquele do Estalinegrado com os snipers e a moçoila sniper gira é?

        • JgMenos says:

          És um ignorante!

          • abaixoapadralhada says:

            Oh menino JgMenos

            Isso não se diz, vindo de quem vem, uma completa anedota Salazarenta e que anda aqui a recitar a cartilha que nem os do Partido Recauchutado do Marcelo Caetano ja cantam

          • JgMenos says:

            Ò debaixodassaias, então não vês que o tipo ignora que foi o humanista Trotsky que estabeleceu a tática de ‘quem recua morre’ na guerra contra os Brancos.

            Fala-lhe nessas glórias dos teus heróis, não sejas tímido.

      • Paulo Marques says:

        Epah, não sei como, mas estás basicamente correcto em tudo… menos nisto. Não há registo de número relevante de tiros nas costas, mas há de julgamentos por deserção.

  3. Rui Naldinho says:

    Vi um dia destes na RTP2 um programa, julgo que a peça foi feita por um canal francês, sobre o “Massacre da Floresta de Katyn”.
    Isto passa-se no início da II Guerra Mundial, após a ocupação de uma boa parte da Polónia pela Rússia, depois do acordo de fronteiras germano-soviéticos de 1939.
    Aquilo foi pura e simplesmente um massacre de mais de 20 mil militares poloneses, a maioria oficiais, levados para antigos conventos e mosteiros abandonados, na Rússia, mortos num local determinado, próximo da floresta de Katyn.
    Se o nazismo e o holocausto foi um horror, a Stalinismo foi um verdadeiro genocídio.
    Há ainda um pormenor. As baixas soviéticas na II Guerra foram em grande número, de cidadãos da Ucrânia, o que torna tudo muito mais esclarecedor.
    Stalin e Beria não faziam a coisa por menos.
    Eu acho que o PCP sabe tão bem quantos todos nós, que tudo isto é verdade. Não reconhece, ou desvaloriza o facto, apenas porque tem uma obsessão tão grande pelo capitalismo e pelos Norte Americanos, que acabam por ter uma atitude de cegueira ideológica.

    • Pedro Vaz (Nacionalista) says:

      “Aquilo foi pura e simplesmente um massacre de mais de 20 mil militares poloneses”

      Coitadinhos dos Polácos nunca fizeram mal a ninguém (excepto passarem séculos a agredir a Russia e a darem-se mal).

      “Se o nazismo e o holocausto foi um horror, a Stalinismo foi um verdadeiro genocídio.”

      Os “crimes” do Estalinismo ou são mentira ou exagerados porque Estaline liderou uma contra-revolução contra os “cosmopolitas sem raízes” (leia-se: supremacistas Judeus) claro que os medias e os livros de História do Ocidente dominado por supremacistas Judeus vão inventar histórias da carochinha tal como a história de que 6 milhões de judeus foram tomar banho e saiu gas em vez de água.

      “As baixas soviéticas na II Guerra foram em grande número, de cidadãos da Ucrânia, o que torna tudo muito mais esclarecedor.”

      Mais ficção anti-Russa do neo-conservadorismo/neo-liberalismo (a mesma m*rda Sionista-Globalista).

      Baixas Soviéticas por étnias:
      https://www.unz.com/wp-content/uploads/2017/05/soviet-military-deaths-ww2-by-ethnicity.png

      Baixas Soviéticas por étnias em relação ao seu numero (%):
      https://external-preview.redd.it/eakPeBCOTEEKZfld4ey2PFLIxs1DIfDrDrvMYPHOkcA.jpg?auto=webp&s=4e55619e444f121be182d9c293abc0e7d123ef27

      Quanto ás civis não tenho numeros mas duvido muito que a maioria tenha sido Ukrainiana visto que a maioria da acção se tenha passado no centro e norte.

      • JgMenos says:

        Este nacionalista se não é um comuna patrótico em missão controleira deve lá andar perto.

        • Pedro Vaz (Nacionalista) says:

          Discordo completamente com o conceito de planeamento económico centralizado, é anti-humano…mas de resto a URSS tinha coisas muito boas. A AMERDica é que levou a Europa á ruína demográfica, cultural e espiritual não a URSS.

          Olha o que o Kekkonen fez na Finlândia com a combinação de “Sovietismo” e economia de mercado…quem me dera que a Europa Ocidental estivesse ocupada daquela maneira em vez da ocupação AMERDicana.

          És um idolatra da AMERDica é esse o teu problema.

  4. Pedro Vaz (Nacionalista) says:

    Já agora…a Polónia que em conjunto com os Nazis invadiu a Checoslováquia? A Polónia que tratou os Alemães como lixo no post 1º GM e que com isso muito contribuiu para que o Hitler chega-se ao poder? Andas a consumir balelas anti-Russas que o Globali$mo anda a fabricar a torto e a direito. Na “great power competition” não havia inocentes, nem um. E já agora os “coitadinhos” dos Bálticos tem uma longe história de agressão contra a Rússia (como a Polónia) e até se juntaram ao Hitler juntamente com os Filandeses para ver se ganhavam uma fatia do bolo Russo.

    E nem vamos á forma de como o Nacionalismo Russo tratou os ocupados em comparação como o Nazismo e aliados tratariam os Russos se tivessem ganho, nem existe comparação.

    • Paulo Marques says:

      Mau, então com o que a Alemanha impôs à tua querida Rússia ainda ficas chateado com a punição à incompetência? E o mau da história é o país que foi partido e traído 3 vezes? E a quem deu porrada na neve sem se esforçar muito?
      Já agora, este Putin contra o Covid está muito fraquinho, era precisos 1/3 de Estaline para metralhar o bicho.

      • Pedro Vaz (Nacionalista) says:

        ?!? Apenas comparei a forma de ocupação benevolente do Nacionalismo Russo-Soviético com a ocupação que os Rússos tinham sofrido se tivessem perdido a guerra. Era um elogio á superioridade moral dos Russos/Soviéticos.

  5. Paulo Marques says:

    Claro que eram carne para canhão, a alternativa era serem massacrados como os Polacos, eslavos e, bem, o resto dos Russos que não fugiram da linha da frente. Questão de sub-humanidade que não se colocava aos Holandeses, Belgas e Dinamarqueses por serem quase arianos naquela teoria rocambolesca, nem aos franceses já não me lembro porquê.
    Também não é mentira nenhuma que os aliados estavam bem com isso, para quê sujar as mãos que não se sujaram a salvar Polacos, Checos e Eslavos quando ainda se podiam livrar do comunismo? Assustaram-se quando ainda ficavam com o Von Braun e quejandos e a coisa podia correr mal.
    Quer isto dizer que Estaline era um gajo porreiro? Não, só que o mundo era governado por filhos da puta, pois Nagasaki e Dresden também não aconteceram por acaso. Mais vale não elogiar nem uns nem outros, que se quiser também arranjo uma lista de mortos do liberalismo capitalista. Podemos começar pelos resultado da guerra anterior, ali para os lados do médio oriente, para não ir mais longe.

    • JgMenos says:

      «a alternativa era serem massacrados como os Polacos»

      Essa já te define como um ignorante imbecil ou um treteiro falso como Judas,

      Em 1939 metade da Polónia foi invadida pelos soviéticos nos termos da sua aliança com a Alemanha nazi.
      No território que ocuparam os comunas deportaram e assassinaram tudo que era gente de qualidade que pudesse representar o nacionalismo polaco. Oficiais do exército polaco assassinados foram mais de 6.000, em Katyn (Polónia) e em três outros locais em território russo.

      Quando os nacionalistas polacos se rebelaram contra os alemães em Varsóvia o ‘glorioso’ exército vermelho, que já estava perto e com os alemães em recuo, esperou que os nacionalistas fossem esmagados para só então avançarem a ocupar Varsóvia.

      Os russos foram os grandes criminosos na Polónia não judaica.
      Em todo o seu avanço na Europa foram violadores, saqueadores e finalmente ocupantes durante dezenas de anos.

      Só mesmo comunas opressores, estúpidos e fanáticos para glorificar tanto crime!

      • Pedro Vaz (Nacionalista) says:

        “Em 1939 metade da Polónia foi invadida pelos soviéticos nos termos da sua aliança com a Alemanha nazi.”

        E a Polónia invadiu a Checoslováquia em aliança com os nazis. E não esqueçer como a Polónia tratou a Alemanha depois da 1ª GM. Como eu já disse na “great power competition” não existiam santos e a Polónia não era diferente. A história da Polónia está repleta de episódios em que a Polónia tentou fazer aos vizinhos e á Rússia aquilo que lhes fizeram. Estás a ver as coisas em uma perspectiva ideológica sem pores a possiblidade que apesar do nome “URSS” aquilo tudo não passava da mesma “great power competition” que já durava à séculos.

        “No território que ocuparam os comunas deportaram e assassinaram tudo que era gente de qualidade que pudesse representar o nacionalismo polaco. Oficiais do exército polaco assassinados foram mais de 6.000, em Katyn (Polónia) e em três outros locais em território russo.”

        E cada vez que a Polónia invadiu a Rússia correu muito, mas muito mais sangue.

        “Quando os nacionalistas polacos se rebelaram contra os alemães em Varsóvia o ‘glorioso’ exército vermelho, que já estava perto e com os alemães em recuo, esperou que os nacionalistas fossem esmagados para só então avançarem a ocupar Varsóvia.”

        Mais ficção criada pelo anti-Estalinismo do pós-guerra e que agora está a ganhar força outra vez para atacar a Rússia.

        Documentos que provam que isso são mitos:
        https://www.rt.com/news/478443-poland-warsaw-liberation-myths/

        “Os russos foram os grandes criminosos na Polónia não judaica.
        Em todo o seu avanço na Europa foram violadores, saqueadores e finalmente ocupantes durante dezenas de anos.”

        Alemanha de Leste: Cultura, família, conservadorismo, taxas de natalidade acima de 2.1, nenhuma imigração de substituição ou em massa, sentimento de comunidade, identidade Alemã preservada, etc

        Alemanha “Livre”: Merda cultural/degeneração, anti família, “progressivismo”, colapso demográfico, genocídio por substituição étnica, atomização/alienação, ódio á identidade Alemã, etc

        “Só mesmo comunas opressores, estúpidos e fanáticos para glorificar tanto crime!”

        A URSS pós-Bolshevik não era comuna, era Nacionalista-Conservadora. Aí é que tu e os comunas estão completamente enganados.

        E MUITO anti-semita embora tentassem esconder…

        • JgMenos says:

          Sabes coisas impressionantes, mas se puxares a fita atrás ainda vais ver vikings a descer o Volga!

          ‘ A URSS pós-Bolshevik não era comuna, era Nacionalista-Conservadora’. – dessa bojarda podes tirar patente que ainda não haverá registo.
          Que os comunas bradaram pela Mãe-Rússia para o povinho lhe safar a pele é um facto, como facto é tudo o mais que disse acima.

      • Paulo Marques says:

        Falava do muito mais grave pós Barbarossa. Mas sim, a união soviética era pouco recomendável.

  6. Filipe Bastos says:

    Para quem conhece minimamente a história da II Guerra, os números, as obras básicas – Kershaw, Erickson, Trevor-Roper, o palavroso Churchill, o proscrito Irving, etc. – questionar o valor sem paralelo da URSS é absurdo.

    Absurdo. Não há outro termo. Sim, os russos foram carne para canhão, mas o bottom line é que 90% da derrota alemã foi no leste. E sê-lo-ia com ou sem Lend-Lease. Quem derrotou a Alemanha foi a URSS.

    Os EUA e UK vieram recolher despojos quando a guerra estava decidida e a Alemanha de rastos. Mesmo assim levaram na pá; não foi fácil. Imagine-se se não houvesse frente leste. Ainda hoje lá andavam.

    • JgMenos says:

      «E sê-lo-ia com ou sem Lend-Lease.»
      Temos contas feitas?
      Para começo de contas, só camiões foram 5.000: é muita mobilidade de tropas; já vi algures uma lista que incluia aviões e outras ninharias…

      Bem fizeram os Aliados: era o que faltava era não fazer os russos pagar pela aliança com Hitler que viabilizou a guerra.

  7. Filipe Bastos says:

    Mudando de assunto, sobre o Aventar: isto é um blog mais de esquerda, certo?… mas mais ecléctico que a maioria dos blogs?

    Regra geral, cada blog tem uma espécie de linha editorial e os autores reflectem essa linha, com poucas excepções.

    Aqui tanto surgem posts de esquerda como de direita, uma running joke sobre o (des)acordo ortográfico, trivialidades futeboleiras… não que o eclectismo seja mau, mas é incomum.

    Por outro lado, o commentariat residente parece bastante esquerdalha, com alguns fanáticos (há dias chamei chuleco ao Rui Tavares, uma constatação banal, e ficaram ofendidos). Há depois uma mascote direitalha, o JgMenos, e um nacionalista(?) que parece caído de pára-quedas no meio disto.

    Alguma alma caridosa me confirma ou desmente esta impressão?

    • Fernando Manuel Rodrigues says:

      Isto é uma bagunçada, mas se encararmos a coisa com humor, até pode ser divertido.

      A maior parte dos comentadores são uns trogloditas, que se limitam a recitar as respectivas cartilhas (vd. os comentários a esta publicação). Não usam a massa cinzenta, mas isso provavelmente deve ser porque a mesma já “fritou”.

      Depois temos alguns autores que seguem a mesma linha (trogloditas encartilhados).

      Faz-me lembrar os programas sobre a bola que passavam nas televisões. Era dos momentos mais divertidos que as televisões tinham. Raramente diziam alguma coisa que se aproveitasse, mas faziam-me rir muitas vezes.

      Sobre a guerra, não vou dizer nada. Teria de escrever muito, e seria gastar cera com reles defuntos.

  8. Samuel Clemens says:

    Os russos sempre tiveram o hábito histórico de,quando molestados,só param em Paris !!!
    Vá lá,direita,metam-se com eles,puxem-lhe pelo pêlo, só para eu me rir….

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.