Proibiccionismo vs Liberdade

Vivemos numa ditadura do politicamente correcto, quem não segue a cartilha ou pior, quem ousa discordar publicamente da cartilha que governa a choldra, é vilipendiado, desacreditado. A sociedade de forma bovina acata as orientações dos hipocondríacos e riscofóbicos que influenciam os governantes. A comunicação social serve de correia de transmissão, nos noticiários os jornalistas opinam, as reportagens de rua editadas, apenas mostram opiniões concordantes com as medidas em vigor, tudo à boa maneira das ditaduras. Apenas os maluquinhos negacionistas das teorias conspirativas ou teorias pela verdade, recebem algum destaque, apresentados como bizarria.

Após o anúncio do Primeiro-Ministro das medidas para a quadra festiva que se aproxima, fica evidente que muitos em Portugal não prezam a Liberdade, caso não se sintam seguros, podem sempre optar por permanecer em casa, ninguém os obriga a visitar familiares ou amigos, ou sequer a saírem à rua, mas para pessoas mesquinhas, sem vida interessante, importa na sua pequenez, impedir que outros vivam e sejam felizes. Muitos idosos, que dizem querer proteger, não querem esperar um ano para passar o Natal em família, aceitam correr o risco, tomando algumas precauções, mas não falta em Portugal quem saiba sempre o que é melhor para os outros.
O anúncio das restrições ao funcionamento das lojas e restaurantes, foram amplamente divulgados, já a divulgação da diminuição do risco em vários concelhos a partir da próxima semana, está a passar ao lado da informação. E não é coisa pouca, os estabelecimentos comerciais passam a poder funcionar até às 22h00, restaurantes até às 22h30 e cai a proibição de circulação entre concelhos por exemplo em Alcochete, Almada, Cascais, Coimbra, Évora, Faro, Leiria, Mafra, Marinha Grande, Montijo, Odivelas, Oeiras, Palmela, Portimão, Sesimbra, Setúbal, Sintra, Torres Novas, Vila Franca de Xira ou Viseu, entre outros. É muita gente, mas não interessa à corrente proibicionista dominante no país, passar a mensagem.
Afirmou António Costa que caberá a cada cidadão no Natal tomar as melhores decisões de protecção para si e para os seus. Assim deveria acontecer sempre, mas infelizmente ao contrário do ditado, Natal não é sempre que o Homem quiser, mas apenas quando o governo permitir…

Lista actualizada.

Comments

  1. anticarneiros says:

    Tu sabes lá o que o que foi a ditadura, liberoca da mike !

  2. Júlio Rolo Santos says:

    Pessoalmente penso não haver motivos para tantas restrições impostas pela pandemia. O que provoca a propagação do vírus, segundo os melhores especialistas, são a exposição das vias respiratórias ao ambiente com a proximidade entre humanos. Ora, como já está provado, o uso da máscara e o distanciamento físico, parecem-me suficientes para não haver contágio ou reduzi-lo ao mínimo. Se estes pressupostos forem conseguidos, o que muitíssimas vezes não acontecem daí o descontrolo da pandemia, não há motivo para todas estas restrições. O problema é que as pessoas facilitam e não respeitam estes mínimos que os especialistas nos incutem e que o poder político nos impõe. Quem paga é a economia e, por arrastamento, os milhares de postos de trabalho que se vão perdendo diariamente.

  3. tal& qual says:

    Estes Aventar, deveriam chamar-se AVANTESMAS !

  4. Rui Santos says:

    Este opinador é dos tais que se estivesse a gerir a crise …já não havia crise.

    A transcrição de parte do texto mostra uma desonestidade intelectual gritante e uma objectiva distorção e manipulação do que se pretende atingir. Este texto pode ter varias interpretações mas basta-me uma para o achar perfeitamente idiota ..

    ” Após o anúncio do Primeiro-Ministro das medidas para a quadra festiva que se aproxima, fica evidente que muitos em Portugal não prezam a Liberdade, caso não se sintam seguros, podem sempre optar por permanecer em casa, ninguém os obriga a visitar familiares ou amigos, ou sequer a saírem à rua, mas para pessoas mesquinhas, sem vida interessante, importa na sua pequenez, impedir que outros vivam e sejam felizes. Muitos idosos, que dizem querer proteger, não querem esperar um ano para passar o Natal em família, aceitam correr o risco, tomando algumas precauções, mas não falta em Portugal quem saiba sempre o que é melhor para os outros.”

  5. Paulo Marques says:

    Tendo em conta que nem uma máscara sabem usar enquanto pululam de habitação em habitação, acrescentando familiares à perda de 80 pessoas por dia, fora sabe-se-lá outros danos permanentes, claramente não sabem.
    Tem de ver as coisas pelo lado positivo, é uma boa oportunidade para ser criativo e empreendedor ao encontrar a camisola ou a garrafa certa para oferecer às autoridades e dar a volta à concorrência.

  6. Albano de Campos says:

    Plenamente de acordo, mas a carneirada pseudo-intelectual acha-se + sapiente k os outros , e c/ isso arroga-se no diteito de comandar a vida dos outros.
    Se eu respeito as distâncias, uso máscara e ventilaçäo adequada, kem säo estes merdas pa vir-me proibir de consoar c/ a minha familia, k ainda por cima é pequena ?
    Alguém disse, há já mtos anos k a democracia ê a ditadura das maiorias. Aki em Portugal, o cabrão do Covid trouxe á tona mtos entupidos k andavam pelas catacumbas de Sta Comba Dão !
    Kero k se foda o politicamente correcto, k se fodam os ditadores dede bancada, kero k se foda o governo, o Marcelo e tds os ruminantes k pensam k , escudados na treta do contágio/disseminação, se acham no direito de cercear a minha liberdade.
    Esses são os k gostam de andar c/ a cenoura á frente do focinho!!
    Cumprimentos

  7. POIS! says:

    Pois é!

    A “sociedade” acata tudo de forma “bovina”.

    Por isso o futuro é dos liberais, da gloriosa IL e do co-pardejarras Cotrim-Mayan.

    Vai ser canja!

  8. Tal & Qual says:

    kem säo estes merdas pa vir-me proibir de consoar

    Os merdas irão pôr-te a pão e água na consoada e passagem do ano…
    Nunca vi tanto idiota em tão pouco espaço.

    • Albano de Campos says:

      Não é qq merda k me põe a pão e água !
      Mto menos estes merdas e seus acéfalos seguidores.
      Eu tmb nunca vi tanto ovino em espaço tão confinado.
      Até devia ser proibido pk suspeito k impede a capacidade de análise básica deles !!

    • Paulo Marques says:

      Entretanto, Bruxelas põe-te sem pão e sem água e nem pias.

      • Albano de Campos says:

        Olhe pela sua despensa e não se preocupe comigo k isso no meu caso está assegurado.
        Nem o papa, quanto + Bruxelas !
        Preocupe-se é c/ o aproveitamento politico e social k o poder está a fazer c/ a pandemia, instalando o medo de pensar pela própria cabeça, o desemprego e consequente miséria, c/ o disparar de suicídios, c/ o deslaçamento entre famílias e círculos de amizades, a falta gritante de apoios sociais e na saúde, etc.
        Acha bem, é este país k ker pa si e prós seus?
        Isto é futuro para alguém ?
        Estamos a 1 ano e pouco de igualar tantos anos de ditadura, como de pós-25 Abril. Uma canção do Sérgio Godinho dizia ” A liberdade tá a passar p/ aki”. Se ficarmos quedos e mudos, o Sérgio vai ter k mudar o título dela para “A liberdade PASSOU por aki”
        Estamos no séc. XXI e os portugueses continuam o povo de brandos costumes de k Salazar tanto gostava !
        Piar, piam os pitos, eu falo alto e claro tal como, e parafraseando Manuel Alegre, ” a mim ninguém me cala”
        Sou dakeles k preferem morrer de pé, do k viver de joelhos.
        Kem gosta de andar arrebanhado são as os ovelhas.
        Eu se tiver k me juntar será aos lobos, manso, nunca !
        Meu caro, chegou o momento de decidir.
        Vai c/ as outras ou junta-se à alcateia ?
        Ataca e defende-se, ou prefere ser comido ??
        P.S.- não me cole pf a nenhum partido politico pk eu não me identifico c/ nenhum. Tbm não sou anarca, sou apenas 1 homem livre k luta pa k essa liberdade nunca + volte a ser-lhe retirada !!
        Cumprimentos

        • Filipe Bastos says:

          Albano, até concordo consigo em vários pontos. Mas preferia ser comido por lobos, por ursos polares, até por Dragões de Komodo, do k suportar kem assim abusa do K.

          • Albano de Campos says:

            Caro Filipe, uso o K há mtos anos, desde k apareceu o tlmv e por causa das SMS’s. Também uso QQ , MSM, PQ, etc.
            É + prático, rápido e económico.
            Não gosta, coma só as batatas 🙂

          • Filipe Bastos says:

            Albano: pq, qq, tb, tlm, etc., embora algo preguiçosos e sujeitos a mal-entendidos, podem ser toleráveis.

            O k não. Isto não é um telegrama, não paga por letra. Espaço não falta. Tempo é quase o mesmo.

            Se quer evitar este desagrado, sugiro que guarde o k para as SMS. Se prefere alienar muitos que o lêem, então continue a usá-lo.

        • Paulo Marques says:

          O desemprego é uma opção de quem acha que 4kM€ é uma pipa de massa, apesar de achar isso facilmente para uma guerrinha ou para a banca. Prepara-te para o aumento de impostos, a bem das contas.
          Quanto ao meu futuro, vivo e sem danos cardíacos passo melhor, obrigado.

  9. whale project says:

    Por essas e outras já levei uma corrida em osso de um grupo de WhatsApp de colegas de trabalho, que antes da expulsão me chamaram de tudo, acusaram de querer viver ás custas do Estado sem fazer nenhum, de querer que o Governo resolve-se sem eu fazer um corno, etc.. E sim, também lhes disse que a mim ninguém me calava, pelo que depois de uma menina linda me comparar com o boneco da contra-informação outra menina linda tratou de me banir do grupo.
    E qual foi o meu pecado? Justamente dizer que não concordava com coisas como a proibição de sair do concelho onde vivo, que por acaso é muito pequenininho, que se calhar se o SNS funcionasse melhor não era preciso tanta restrição, dando o exemplo de um jornalista, o Pedro Camacho, que supostamente morreu de Covid-19 mas, isto foi dito na comunicação social, estava também afectado por infecções hospitalares. Está-se mesmo a ver que foi só a Covid que o matou, a ele e certamente a tantos outros. É que também sei o que é perder um familiar para a infeção hospitalar e a certidão de óbito dizer outra coisa. A doença que supostamente estava a desaparecer uma semana antes.
    Bem, isso chegou até para uma colega me mandar procurar ajuda profissional, sim, um diagnóstico de psiquiatria em regra. Assim, um atestado de maluqueira por eu, que vivo numa região do país que vivia praticamente só do turismo e vejo casos de miséria que até arrepiam, ter dito que havia restrições que eram bem escusadas e que poderiam ser metidas num certo lugar.
    Sim, há gente que talvez estivesse melhor numa das muitas ditaduras e democracias musculadas que vão pelo mundo.
    Por isso, arriscando outra acusação de louca já vou dizendo que podem meter os recolheres obrigatórios, como o que se avizinha no Final do Ano, os sequestros no concelho e a proibição da venda de álcool a partir das 8 da noite (como se eu não o bebesse à hora que me apetecer por o comprar às 20 ou ás 21 onde lhes falta três réis de pele. E não, não bebi nada ho.e.
    Atenção, não defendo o tudo á brava de Trump ou Bolsonaro, mas há coisas que são só estupidez, autoritarismo e não vão resolver nada.

  10. Albano de Campos says:

    Bem vindo António Almeida ao clube dos proscritos do politicamente correcto !
    Siga independente e lúcido e não se amofine, pk carneiros, serão sempre carneiros !!
    Bom Natal e mta saúde

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.