Manifesto anti-Natal

Faltam três dias para o Natal. Significa que chegou a hora do meu Manifesto contra o Natal. Atenção, eu celebro e até aprecio todo o espírito da época, mas não posso deixar de notar nos motivos que nos levam a fazer desta data tão especial.

O Natal é a maior prova de que o Homem tem noção da sua falibilidade. Iludimo-nos com a ideia de que o mundo está cada vez mais feito pelas pessoas, mas ainda continuamos a rejeitar a nossa natureza. Somos capazes de considerar a época do ano em que celebramos o nascimento de alguém que não conhecemos mais importante do que o nosso próprio aniversário.

Todos nós temos pensamentos reprováveis e instintos deploráveis. É o controlo sobre eles que faz de nós boas pessoas ou não. Implícita ou explicitamente, temos a noção dos nossos defeitos como seres errantes e precisamos de desculpas como o Natal, a Páscoa ou até mesmo aniversários.

Nesta época, podemos ver um dos grandes males do capitalismo geral em que vivemos. Sim, porque quando há liberdade, há espaço para o bom e para o mau. É nesta época que os sentimentos das pessoas são materializados de todas as maneiras. Somos obrigados a dar presentes por causa de uma data e não pela pessoa em si. Somos obrigados a estar bem dispostos na Consoada. Se pensarmos nisto sem qualquer preconceito ou tribalismo, não faz sentido. Não é o calendário que tem emoções, somos nós.

Durante o ano, nunca temos tempo para nada. Muito trabalho. Muitos estudos. Chega mais um aniversário de Jesus Cristo e todos nos lembramos que temos de mandar umas palavras aos nossos queridos amigos e familiares. [Read more…]