Sobre a homenagem a João Moura

Será hoje homenageado João Moura, alguém que dedicou a vida a torturar touros por prazer, diversão e dinheiro, e para divertir quem se deleita com este triste e macabro espectáculo. E quem diz torturar touros, diz maltratar galgos, como os que foram encontrados no ano passado na sua quinta, acorrentados, subnutridos e doentes.

João Moura aguarda julgamento, acusado de vários crimes de maus tratos a animais. Nada que demova a entidade e as pessoas por trás desta homenagem, o que faz todo o sentido, ou não fossem elas aficionadas e defensoras da tortura de animais para fins recreativos. Espero, sinceramente, que seja o touro a espetar-lhes umas bandarilhas. Só se perdem as que caem no chão.

Comments

  1. Filipe Bastos says:

    Uma visão diametralmente oposta, no blog do meu amigo Irritado: https://irritado.blogs.sapo.pt/da-estupidez-humana-1256897

    Nisto estou com o João Mendes. Homenagear qualquer toureiro já seria torpe; homenagear um toureiro que até assim trata os seus cães é demasiado mau. É mesmo abaixo de cão.

    A cambada da tauromaquia, como muita da bola ou da religião, é geralmente iniciada pelos pais: o papá levava o menino às touradas, o menino cresce e torna-se defensor das touradas.

    Mas não é inevitável; é uma escolha. O adulto pode – deve – rejeitar as ideias e gostos tristes que lhe foram impingidos pelos pais. Logo, o carneiro escolhe ser carneiro. O ‘aficionado’ escolhe ser um biltre; um animal que se diverte a ver torturar outros animais.

    • Tuga says:

      Até que enfim dizes alguma coisa de jeito

    • jorge paulo sanches da cruz says:

      e se fosses distribuir nomes e insultos aos teus amigos e conhecidos, porventura à família, em vez de quereres insultar tudo e todos só porque pensam de forma mais inteligente e fundamentada que a tua?

  2. JgMenos says:

    Os cretinos que querem ver o gado bravo extinto ou reduzido a uma qualquer reserva para turista ver, são normalmente os mesmos que se vêm pelas ruas a falar em tom de intimidade com cães e gatos.

    E temos que aturar estas novas identidades, que presumo eatarem incluídos no ‘+’ de lgbtqia+.

    O cozido à portuguesa tão tarda a estar sobre ameaça…

    • Carlos Almeida says:

      Biltre menor

      Para além de Salazarista és medieval.Compreendc, pois. as duas posições são perfeitamente comoativeis.

      Repugnante criatura

    • POIS! says:

      Pois realmente…

      A virem-se pelas ruas…francamente!

      Não havia necessidade!

      Façam como o Menos, guardem as intimidades para locais mais reservados. Um estábulo discreto ou no remanso dos curros, após uma pega de cernelha que serve para os perliminares.

    • Maria Alzira says:

      Grande besta retardado e anormal

      Em qualquer civilização decente os seres humanos têm respeito pela vida dos animais e criticam quem os maltrata.
      Mas tu concordas que o nojento de Monforte deixe os cães a passar fome.

      És como ele

      • JgMenos says:

        Vai à merda mais as tuas inferências de cabrona.

        • Maria Alzira says:

          Estás a ficar preocupado, boi ?

          Eu repito, boi

          “Mas tu concordas que o nojento de Monforte deixe os cães a passar fome.

          És como ele”

        • José Peralta says:

          Ó “menos” !

          A tua fé taurina, vai dar-te um desgosto…

          No México, há movimentos para proibir as touradas, em Espanha, já foi proibida em algumas cidades.

          Em Portugal, as “praças” são desactivadas, para dar lugar a centros comerciais, restaurantes e/ou festivais de Música, actividades lúdicas, desportivas,culturais, e muito mais nobres que uma matança pública…

          A “profissão” da “nobre (?) arte do toureio”, com o “traje de luces” abichanado, vestido por um tipo igualmente abichanado, está em paulatina, mas inexorável extinção, o mesmo acontecendo aos grupos de forcados, esses “valentões”…

          Dentro de mais ano menos ano, terás de ir ao Ribatejo, (e só ao Ribatejo…) matar o vício a ver “tentas”, com um zingarelho com dois cornos e um almofadado para as bandarilhas, montado sobre uma roda de bicicleta, e um desgraçado agarrado e a correr, com um “rabo de boi” espetado no cú, para dar trabalho ao rabejador !

          Asseguro-te ! Vais gozar, que nem uma besta retardada e animal, ó “menos”…

          E…OLÉ !

    • NÃO says:
    • Paulo Marques says:

      Tão preocupado com os animaizinhos que até vai querer que deixem de ficar carbonizados (entre outros) com as alterações climáticas.

      • Carlos Almeida says:

        Comentário que compreendo perfeitamente . Tal como o João Moura, o PCP também apoia a realização
        de touradas.
        O Moura defende os seus interesses económicos, o PCP os seus interesses eleitorais.
        Mas os tempos são contrários a uns e a outros

        • Paulo Marques says:

          Falhou aqui qualquer coisa; era simplesmente para dizer que o Menos, como sempre, é hipócrita, e está-se a borrifar para extinções, porque não faltam como resultado do capitalismo moderno.
          Porque é como diz.

  3. Carlos Almeida says:

    Sobre o processo de maus tratos aos galgos pelo criminoso tauromático João Moura, a TVI diz que o processo pouco ou nada avançou e está ainda em fase de inquérito ao fim deste tempo todo.

    https://tvi24.iol.pt/videos/galgos-encontrados-na-herdade-de-joao-moura-foram-adotados-e-estao-irreconheciveis/61278e930cf279ce41d7070f.

    Entretanto chegou-se ao ridículo de enviar a Policia de Choque para a manifestação no Campo Pequeno, constituída na sua maioria por mulheres.

    https://tvi24.iol.pt/videos/sociedade/policia-de-choque-chamada-ao-protesto-contra-joao-moura/612801640cf241cadcd9e4cd

    E natural que aqui o nosso estimado medieval menor, apoie estes e outros criminosos do género, que pelos vistos safam-se sempre.

  4. Júlio Rolo Santos says:

    João Moura foi colhido recentemente e as notícias foram céleres a dar conta e a lamentar o acontecimento. Porém, lamentavelmente, nada se disse se o cavalo ficou ferido no confronto forçado com o touro. Conclui-se portanto, que aos aficionados das touradas, só lhes interessa quem tortura e sente desprezo pelos animais. Não gosto de touradas, abumino-as mesmo, mas quando eram transmitidas pela televisão o que me dava mais prazer era ver os toureiros irem pelos ares, como prêmio, pelo sufrimento que infligiam aos animais. João Moura protagonizou um episódio muito triste e que a todos nos repugnou, foi o caso dos seus galgos deixados a morrer á fome e que, felizmente, foram salvos pelos verdadeiros amigos dos animais. Hoje encontram-se felizes e contentes, em famílias de acolhimento. Que a justiça actue sem contemplação, embora já tardem em fazê-lo pelo tempo de espera que já vai longo.

  5. José Gomes says:

    Só prova que vivemos ainda na sociedade bolorenta e salazarenta. Na qual a justiça está refém de uma corja que é identificável mas que continua no poder, mas fora isso todos sabemos que os animais sentem e eticamente como espécie somos uma merda para nós e para os que são diferentes.

    • JgMenos says:

      Vai um bifinho?

      • José Gomes says:

        O Sr tresanda a colesterol do mau alto, para além de ser uma besta sem desprimor para a mesma.

      • POIS! says:

        O quê?

        V. Exa. já está a pôr o próprio lombo à venda?

        A quanto está o quilo?

        Não sei se vai ter sorte, mas experimente na “dark net”. Parece que há por lá gente que paga bem.

        • José Gomes says:

          Provavelmente iria sim, mas para contratar alguém para lhe rebentar os miolos, mas enfim sairia massa encefálica de farinha maisena. Já agora vá a dark web, pode ser que se veja lá a ser sodomizado por um touro.

      • Paulo Marques says:

        O problema não é o bifinho, são as fábricas de bifinhos.
        Mas, sim, é conveniente começar com o que não é às escondidas. Somos humanos. Lá chegaremos aos bifinhos.

  6. JgMenos says:

    Que gente tão boa!
    Gostam tanto dos bichinhos…que queridos!
    …e não gostam de mim… fico tão triste, tão triste|

    • POIS! says:

      Pois não há palavras!

      Para tão pungente lamento!

      O Menos é mesmo um bichinho muito incompreendido!

      Corre mesmo risco de extinção, se não se tomarem medidas. Não há para aí alguém que o adote?

      Não é por nada, mas não tenho nada contra o Menos. Acho até que cada português devia ter um Menos.

    • José Gomes says:

      Eu só quis comentar uma situação que acho injusta. Não estava á espera disto e da forma como descambou. Remeto-me novamente ao ostracismo fomentado pelo ódio, pela intolerância, ou direi mais pela falta de ocupação útil. Mas é um auto-ostracismo. Não respeito quem se esconde e destila ódio. Fui.

      • POIS! says:

        Pois parece-me que V. Exa…

        Ou é parvo ou está a armar-se em virgem ofendida. Ou as duas coisas.

        Cito:

        “O Sr tresanda a colesterol do mau alto, para além de ser uma besta sem desprimor para a mesma”.

        E em seguida, dirigido a mim, não sei porquê:

        “Provavelmente iria sim, mas para contratar alguém para lhe rebentar os miolos, mas enfim sairia massa encefálica de farinha maisena. Já agora vá a dark web, pode ser que se veja lá a ser sodomizado por um touro”.

        Quem é que fez estes comentários???

        E porque me respondeu a mim, que nunca dirigi comentário à excelsa pessoa de V. Exa???

    • bichos vs bichas says:

      Menos

      “Gostam tanto dos bichinhos…que queridos!
      …e não gostam de mim… fico tão triste, tão triste|”

      Gostamos de bichos, não de bichas como tu

  7. jorge paulo sanches da cruz says:

    Ter ideias e expô-las passa por ser sério e rigoroso, não ser demagogo nem defender teorias falsas. E também dava jeito não ser populista, usando uma linguagem panfletária e de apelo ao ódio. Um toureiro não tortura touros por prazer, nem por diversão, e muito menos por dinheiro. Qualquer artista e trabalhador deve receber pelo que faz. Nem a tourada é um espectáculo “para divertir quem se deleita” com um “triste e macabro espectáculo”. Convém saber usar palavras e saber o seu significado (pode sempre consultar um dicionário para não dizer asneiras), porque macabro e triste não se aplica ao espectáculo tauromáquico. Pode não gostar, mas não pode mentir nem transmitir falsidades, e muito menos apelar ao ódio, ou estabelecer paralelos demagógicos entre duas coisas que não têm nada a ver uma com a outra. Uma coisa é o cavaleiro tauromáquico, e outra é o cidadão, alegadamente culpado de maus tratos a cães. Alegadamente, porque não houve ainda nenhum julgamento nem respectiva condenação. Quanto a mim, que sou aficionado e amante da tauromaquia, não lhe admito que me chame “amante do macabro” e “prazenteiro no ver sofrer”. São acusações passiveis de processamento criminal. Quer chamar nomes feios a pessoas, chame aos seus familiares e amigos e não a quem não conhece. Seja decente e educado e “não meta o cú em pau de homem”, que se pode sair mal da tentativa.

    • Paulo Marques says:

      E, no entanto, quer o Moura, quer o Cruz, deleitam-se com um macabro espectáculo de tortura animal.

      • jorge paulo sanches da cruz says:

        Vá ao dicionário ver o significado de macabro e de tortura e não diga asneiras. Convém para poder discutir um assunto ter pelo menos conhecimentos mínimos das questões, para além de ter ética, e alguma inteligência. Argumentar com ignorantes não leva a lado nenhum. E, para finalizar, não lhe admito que me ofenda.

        • Paulo Marques says:

          As palavras são subjectivas, mas use as palavras que quiser para descrever fazer um espectáculo de espetar continuadamente um animal desesperado durante um largo período de tempo até quase morrer, e continua a ser êxtase pelo sofrimento de um ser vivo.
          Independentemente da birrinha e ameaças vazias que queira fazer.

          • jorge paulo sanches da cruz says:

            Não fale do que desconhece, não diga disparates, nem invente coisas que não existem para tentar justificar a sua ignorância. Não gosta, não coma, mas não se meta na vida dos outros. Opine fundamentado sem ter permanentemente de insultar os outros e de lhes colocar no caracter particularidades que não conhece nem domina. Nunca deve ter visto uma tourada porque não percebe nada do que está a falar. E já agora, se é tão piedoso para com os animais e se o preocupa verdadeiramente o assunto, para além de apenas se limitar a ofender uns quantos pensando que está a fazer alguma coisa de importante, averigue a forma como diariamente milhões de seres vivos são criados, alimentados, transportados e mortos em matadouros e aí sim encontrará matéria para ofender e insultar muita gente. Não se meta a inventar parvoíces sobre uma actividade legal, séria, estruturada, ética e bela, que faz parte da cultura popular de milhões de pessoas, e da qual vivem muitos milhares que nela trabalham honestamente e com brio. Tente perceber também a importância dos toiros na defesa do mundo e da paisagem rural, e investigue a forma como são criados, tratados e como vivem no campo. Depois compare com a forma como são criados e tratados os outros animais como frangos, borregos, porcos e vitelos de que o mundo se alimenta. Se calhar o Sr. também come dessas porcarias e anda aqui armado em defensor de animais enquanto ao almoço e ao jantar devora seres vivos indefesos. Isso sim é tortura…

          • Paulo Marques says:

            E o senhor pode dizer o que quiser sem ser preso, não percebo porque se queixa de ser perseguido.
            Nem sei porque se preocupa com as fábricas alimentares enquanto há cãezinhos e gatinhos a serem abandonados no lixo, na melhor das hipóteses.

            E dizer coisas na internet também é legal, sério, estruturado, ético, e belo, que faz parte da cultura popular de milhões de pessoas, e da qual vivem muitos milhares que nela trabalham honestamente e com brio.

            Assim também ganho. É fácil. Basta ignorar o sofrimento.

    • Filipe Bastos says:

      Um toureiro não tortura touros por prazer, nem por diversão, e muito menos por dinheiro. Qualquer artista e trabalhador deve receber pelo que faz.

      Um toureiro é então um artista ou um trabalhador?

      A ser um artista, porque ninguém o obriga, há-de se divertir a torturar. A ser um trabalhador, então tortura por dinheiro. Em ambos os casos, quem assiste e paga é ainda pior.

      Uma desculpa habitual dos ‘aficionados’ é falar da hipocrisia dos críticos, pois estes ignoram as vidas e mortes cruéis dos animais que comem. Pode ser verdade, mas ninguém vende bilhetes para gaiolas ou matadouros. Só ‘aficionados’ pagam para ver torturar animais. E fazem gala disso.

      Que a tortura seja infligida por matarruanos de lantejoulas e sapatinhos de bailarina só torna o espectáculo mais absurdo, pífio e sim, macabro: “que evoca a morte”. A morte do touro; e a morte da esperança numa sociedade decente e civilizada. Que não tortura bichos em aviltantes rituais medievais.

      • jorge paulo sanches da cruz says:

        Cresça e apareça, leia, aprenda alguma coisa sobre a vida, e sobre a paisagem, e sobre a cultura, e sobre ética e estética, e arranje alguns argumentos inteligentes. Não ofenda as pessoas quando não sabe o que dizer. Depois disso tudo pode ser que tenha tempo para discutir assuntos sérios consigo. Até lá, não vale a pena perder tempo com ignaros.

        • Paulo Marques says:

          Tenho sempre muito gosto em ser burro para quem acha que as pessoas inteligentes só são as pessoas que concordam com ele.

  8. Carlos Almeida says:

    O Sr arquitecto Sanches da Cruz natoral da Vidigueira e com atelier com mais de 10 colaboradores em Reguengos de Monsaraz, deveria graças a sua respeitável idade ter mais bom senso. Para mais mestrando do grande arquiteto paisagista Ribeiro Teles em Évora, deveria ter mais calma e esquecer a arrogância medieval própria dos fracos

    Gosta de ver sofrer os animais, ?

    Acha isso normal .? Pense um bocadinho

    O vosso tempo está em mudança, vocês é que ainda não se aperceberam.

    Estam nova, pode ter muitos defeitos, mas pensa e tem sentimentos humanistas, que é o que faz falta aos “aficionados”

    Como dizia o outro

    A bem da Nação

    Carlos Almeida

    • jorge paulo sanches da cruz says:

      Cresça e apareça, leia, aprenda alguma coisa sobre a vida, e sobre a paisagem, e sobre a cultura, e sobre ética e estética, e arranje alguns argumentos inteligentes. Não ofenda as pessoas quando não sabe o que dizer. Depois disso tudo pode ser que tenha tempo para discutir assuntos sérios consigo. Até lá, não vale a pena perder tempo com ignaros.

      • Filipe Bastos says:

        Obrigado pelo conselho, Sr. Cruz, e por confirmar o vasto argumentário do ‘aficionado’. Ficamos esclarecidos.

        Boas touradas e cuidado com os cornos.

        • jorge paulo sanches da cruz says:

          Este tipo de assuntos normalmente são para discutir com adultos inteligentes, eu é que de quando em quando esqueço-me que a rede está cheia de gente com muita opinião mas sem nenhum conhecimento. Vá discutir o assunto na taberna de onde não devia ter saído.

      • Carlos Almeida says:

        Sr arquiteto Cruz

        O sr não deve andar bem. Não me conhece nem sabe quem eu sou, homem, mulher, novo ou velho.

        Mas diz “Cresça e apareça ” ??

        E fica ofendido por pouco, principalmente porque sabe muito bem que a comunidade que em geral, seja em Portugal, Espanha e Mexico, é cada vez mais contra as touradas, está cheia de razão e que os chamados “aficionados” são cada vez menos e encurralados no Ribatejo e Alentejo.

        Eu já sou demasiado velho e vou provavelmente perder o prazer de assistir à proibição desse espectáculo degradante e medieval, mas que as touradas vão acabar, disso não tenho duvida.

        Como dizia o outro

        A bem da Nação

        Carlos Almeida

        • jorge paulo sanches da cruz says:

          Este tipo de assuntos normalmente são para discutir com adultos inteligentes, eu é que de quando em quando esqueço-me que a rede está cheia de gente com muita opinião mas sem nenhum conhecimento. Era melhor que tivesse prazer em coisas a sério e não em querer humilhar e condicionar a vida dos outros. Isso é coisa de Nazis, querer mandar no que os outros são e gostam.

          • Carlos Almeida says:

            Boa tarde Sr Arquiteto

            Já todos aqui apreciamos a inteligência do Sr arquiteto Cruz e `profundidade dos seus posts

            Mas vá chamar nazi à pata que o pôs, repugnante medieval

          • jorge paulo sanches da cruz says:

            Ainda bem que aprecia, escusava era de ser cínico. Eu não lhe chamei nazi, apenas disse que querer mandar na vida dos outros e insultar com a facilidade que o sr insulta, é coisa de nazis. E é… E já agora, fique sabendo que os medievais não eram repugnantes. Repugnantes são as pessoas mal educadas…

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.