Violação na Suíça: culpar a vítima, desculpabilizar o agressor. Outra vez.

Na Suíça, um violador português condenado a quatro anos e três meses de prisão efectiva viu a pena ser-lhe reduzida, por via de um clássico, por cá sobejamente conhecido: afinal, a culpa é da vítima.

O argumento usado pelo violador, para recorrer da decisão da primeira instância, resume-se a isto: o violador viu a mulher entrar num WC com outro homem e deduziu tratar-se de uma rapariga fácil, disponível para relações sexuais desprotegidas e não consentidas.

[Read more…]

Leo Messi e o amor à camisola

Não nutro qualquer tipo de sentimento relativamente a Lionel Messi. Não o venero, não o odeio, não me perco em comparações. Também não me é indiferente, na medida em que gosto de futebol, e Messi é, indubitavelmente, um dos mais geniais executantes da modalidade que a humanidade viu jogar. Estará, seguramente, no top 3 da história do futebol, sendo que tal ranking, por não existirem métricas universais ou comummente aceites para hierarquizar o talento dos futebolistas, vale o que vale, por ser do domínio da opinião, e o que não falta no futebol são opiniões.

Dito isto, é com enorme estranheza que vejo algumas reacções inflamadas que a sua saída do Barcelona está a causar. Que lê o que se tem escrito, fica com a sensação que, no mundo do futebol, o amor à camisola ainda impera. Ou sequer existe. Lamento se desiludo alguém, mas a boa velha lealdade entre jogadores e clubes, de parte a parte, é como os linces ibéricos. Existem alguns, poucos, às vezes nasce mais um ou outro, mas são uma espécie ameaçada no limite da extinção.

[Read more…]

O absurdo isolamento profiláctico

Há dias, um amigo disse-me para não facilitar em demasia, nem confiar em excesso pelo facto de estar vacinado, porque a vacina impede a forma grave da doença, mas não que possa contagiar ou ser contagiado. Até posso concordar, mas então para quê ser vacinado? No meu caso, que já levo de vida um pouco mais de meio-século, a simples possibilidade de prevenir doença grave, não é displicente. Mas um jovem ou adolescente, irá querer vacinar-se para quê? Se como todos sabemos a possibilidade de contrair doença grave, é ínfima, a não ser que tenha comorbilidades que o justifiquem… [Read more…]

%d bloggers like this: