A história não se repete, dizem….

Estas imagens são de 1941. Em Nova Iorque. Agora é só substituir Hitler por Putin…

Comments

  1. Manuel says:

    Agora deixou cair a mascara fernando, nao sei se se lembra mas esse assunto acabou em guerra total entre os aliados e o eixo, quer mesmo repetir isto agora com a russia, uma potencia nuclear que no dia seguinte podia escolher acabar com toda a vida no Porto e Lisboa? Depois nao diga que é anti guerra, tenha juizo

    É que o fernando pode ja so ter meia duzia de anos neste mundo e como sabe que nao teria de lutar tudo lhe sai da boca mas garanto que no dia em que portugueses começassem a morrer numa guerra a popularidade de a prolongar acabava, fala-se fala-se mas ninguem quer mesmo morrer pela nato so pra proteger a hegemonia americana, tenha juizo

    Mas como sempre a lei do “tu primeiro” aplica-se, no caso de uma eventual guerra com a russia/china os primeiros a serem enviados para a ucrania para serem violados por um mercenario sirio ou enviados para o mar sul da china para que um soldado do ELP tenha alvos para praticar devem ser os que mais entusiasmados estavam por guerra e mais contribuiram para retirar todas as outras soluções da mesa.

    Eu? Eu vou para o brasil, a mim não me apanham a morrer só para que a europa tenha de importar gas caro da america em vez da russia ou só para proteger o facebook e a amanzon de competir com empresas tecnologicas chinesas. Mas quem se sente confortavel com isso boa sorte

    • balio says:

      o fernando pode ja so ter meia duzia de anos neste mundo

      O Manuel sabe qual a idade do Fernando? Eu não sei.

      Eu por acaso, a avaliar pelas asneiras que o Fernando por aqui tem repetidamente escrito, julgava que ele fosse um jovem ou semi-adolescente, ainda bastante novo e com pouca experiência da vida. Mas se calhar estou muito enganado, pois.

      • Fernando Moreira de Sá says:

        Eu só não entendo uma coisa: não gostam mas continuam a vir aqui. Ou é masoquismo ou são mesmo que nem umas portas…..


        • Quero saber a posição dos meus compatriotas sobre um conflito que pode resultar numa guerra nuclear ☢️ Pensei que a posição dos portugueses fosse mais sensata do que a posição dos alemães.

        • POIS! says:

          Pois Isto será resposta?

          Os “posts”, afinal, são só para se divertir e “arreliar a malta”?

          Tá bem!

          O que vale é que os Santos estão a caminho. Há melhores formas de divertimento. Pelo menos, há sardinhas. E tinto.

          PS. Certamente chegará o dia em que, por aqui, o Sá publica um “post”, depois o Fernando comenta, em seguida o Moreira diz qualquer coisa, ao que o Sá contrapõe o mesmo que o Fernando disse e que tem o apoio do Moreira.

          Depois entra na discussão o Moreira, que concorda com o Sá, a propósito de uma coisa que o Fernando já tinha dito, mas voltou a dizer para apoiar o Sá e louvar o Moreira.

          Em seguida…

      • Teresa Palmira Hoffbauer says:

        Olhe que os velhos são mais infantis na sua visão aventureira do que os adolescentes que não querem ser “carne de canhão”. Guerra só em frente ao computador.

    • Teresa Palmira Hoffbauer says:

      Eu concordo absolutamente com as suas palavras, Manuel, quero apenas adverti-lo, que no caso de uma guerra nuclear ☢️ NÃO se safa no Brasil.

      Os tais ditos pacifistas estão a ficar loucos.

    • Paulo Marques says:

      Acho que o Fernando faz parte do conjunto das pessoas que já perceberam. E o Brasil não o safa, a civilização não resistia, com todas as suas cadeias integradas, mais os efeitos da poluição, apesar de não ser o tal de “inverno nuclear”.

  2. balio says:

    De facto, foram disparates, em minha opinião, tanto a decisão da Grã-Bretanha de combater Hitler, como a decisão dos EUA apoiarem a Grã-Bretanha.
    A Grã-Bretanha tinha o seu império e ficou sem ele, e arruinada, por ter decidido combater Hitler.
    E os EUA também não tinham qualquer necessidade de sacrificar o seu povo para algo que não lhes dizia respeito.
    Hitler, basicamente, só queria guerrear a União Soviética. Nada tinha contra a Grã-Bretanha nem contra os EUA. E estes deveriam ter deixado Hitler e a URSS guerrearem-se à vontade.

    • zatamente says:

      Não tinha nada contra os UK e USA mas enxameou o atlantico com submarinos. E invadiu o norte de africa, só para chegar a moscovo

      • balio says:

        Hitler pôs submarinos no Atlântico para impedir os fornecimentos dos EUA à Grã-Bretanha, a qual estava em guerra contra ele. Se a Grã-Bretanha tivesse abandonado a guerra, Hitler nada teria contra o comércio externo da Grã-Bretanha e teria tirado os submarinos do Atlântico.
        Quanto à invasão do norte de África, Hitler naturalmente que não teria invadido se não estivesse em guerra com a Grã-Bretanha. Se a Grã-Bretanha tivesse tido a sensatez de assinar um tratado de paz com Hitler, este jamais teria quebrado tal tratado através de uma invasão do norte de África.

    • Paulo Marques says:

      Provavelmente não queria. E o comércio? E a influência? E porque iria ficar o eixo por ali? (Os americanos já sabiam qualquer coisa sobre o átomo por essa altura).
      E, acima de tudo, a elite só podia sair a ganhar, tal como, materialmente, também o resto.


  3. O herói do momento não é tarado, é simplesmente uma marionete dos Yankees e quer continuar o seu momento de glória como herói tipo Hollywood. Os tarados são os que o apoiam.

  4. Teresa Palmira Hoffbauer says:

    Não se zangue, Fernando!!
    Numa democracia o debate político é legítimo.
    Perdi a cabeça e escrevi, escrevi, escrevi …
    Eu, ao contrário do Fernando, nem de filmes de guerra gosto.
    Como não sou uma mulher corajosa e amo a vida, desde que o governo alemão foi obrigado a mandar armas pesadas para a Ucrânia, o medo preenche os meus dias.
    Saudações de Düsseldorf.

  5. Joana Quelhas says:

    Fascismo, Nazismo e Comunismo são ideologias irmãs. Todas pretendem um estado omnipotente e omnisciente para instituir a sociedade e o homem perfeito . O paraíso na terra.
    Por isso Salazar simpatizava com Hitler. Estaline simpatizava com Hitler e hoje em dia os comunistas simpatizam com Putin.
    Para a comunada a coragem só é uma virtude para “lutar” contra os EUA…Quando é para por essa escualha no seu lugar logo passa a defeito.
    Porque é que a comunada não diz que os soldados russos deviam desertar pela paz ?
    Para estas ideologias tudo ficaria bem com um Putler.
    Em relação a uma guerra nuclear! Não acontecerá. O poder do Tio Sam é avassaladoramente superior que nos protege do pirralho do Putim, que nem um exercito de 5ª categoria (mas de imensa coragem) como
    o ucraniano consegue vencer.
    A esta hora até já o Putin já constatou o embuste que era a teoria que o russia tinha o 2º exercito mais poderoso do planeta. E se não for completamente burro já extrapolou que o seu arsenal atómico deverá estar ao nível dos material de guerra convencional. Não vale uma m*erda.
    Se ele tiver o desplante de carregar no botão , a russia desaparecerá do mapa.
    Para mim a russia vai sair desta guerra pior que em 1991, pois sairá completamente humilhada e terá que pagar a reconstrução da Ucrania. Vai ser preciso muito petróleo e muito gás…

    Joana Quelhas

    • Paulo Marques says:

      Vai estudar para a cozinha, como vocifera a Ritinha Matias.
      Mas é bom saber que a retórica não sai do inimigo simultaneamente uma ameaça extrema e facilmente derrotável. Nunca mudem, fasços.

    • POIS! says:

      Ai que não posso mais!

      Ahhhh! Ahhhh! Ahhhhh! Ai que a Joana Quelhas é tão cómica! Ai que tou que nem posso!

      Se o Putin carregar no botão…está lixado! Por lá morrem os russos, por cá só os ursos!. Não brinquem com o Tio Sam que o gajo com os nervos…

    • POIS! says:

      Pois pelos vistos…

      A Jwanna Qwelllhhass está cada vez mais excitada com os mísseis, mas já não lhe basta. Vai a caminho do clímax, o orgasmo nuclear!

      Já não se contenta com Menos!

  6. Paulo Marques says:

    Desde que não se confunda o inconfundível, armar a Ucrânia é defendido pela própria esquerda ucraniana como decente, como ser contra? Outras coisas são intervenções mais directas, sanções com custos já incalculáveis no globo inteiro, ou defender que devem ser a carne para canhão num conflito onde só duas elites têm a ganhar, e só elas têm poder de fazer alguma coisa. Para nem falar em desculpar ou endeusar gentinha muito séria.
    Mas é preciso não esquecer que o apoio ao armamento é uma acção de guerra com milénios de legitimação de resposta. Depois não vale de nada ficar surpreendido.

    • Pimba! says:

      A esquerda ucraniana, que foi toda “suspensa” pelo presidente Zelensky por ser pró-russa, diz isso???

      • Paulo Marques says:

        Sim, continuam a poder escrever, não? Disseram-no em Fevereiro, e disseram-no à poucos dias, de sociais-democratas (yawn) a anarquistas num comunicado.

  7. J. M. Freitas says:

    O argumento que os cartazes no início do artigo parecem insinuar é completamente inválido. Qualquer que seja o nosso objectivo, encontramos sempre na História acontecimentos que, à maneira deste artigo, demonstram que o que pretendemos provar é, no mínimo, altamente provável. Basta saber História e …. procurar. Encontra-se “prova” para tudo.
    Como exemplo cito esta parte do artigo de António Filipe no Expresso: “Em 31 de julho de 1914, em vésperas do início da I Guerra Mundial, o dirigente socialista francês Jean Jaurès foi assassinado por um jovem que o considerava germanófilo, por se opor aos preparativos para a guerra que em breve se iniciaria. O clima de ódio então gerado levou a que todos os que tentassem evitar a guerra fossem considerados germanófilos, se fossem franceses, ou francófilos, se fossem alemães.”
    Vale a pena ler o artigo na íntegra.
    Quanto aos argumentos de Joana Quelhas, acho que revelam ignorância muito básica mas em que aqueles que desconhecem os factos acreditam facilmente. E são muitos os que ignoram … por isso este tipo de argumentos colhe muita concordância.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.