A farsa democrática em Bruxelas segue dentro de momentos

Durante 20 anos, Vladimir Putin foi o fornecedor de energia que garantiu o crescimento económico extraordinário que a Alemanha conheceu. Já era o que é hoje, já matava e invadia, já reprimia a oposição e enriquecia a oligarquia, mas o Ocidente não tinha dúvidas: Putin era um dos seus.

Agora que o mesmo Putin já não é um dos nossos, a União Europeia decidiu virar-se para Ilham Aliyev, o seu novo trustworthy energy supplier, que mais não é que um Putin mais pequenito, que governa o Azerbaijão como se fosse o seu quintal. Tem a sua oligarquia, tortura e fuzila opositores, viola direitos humanos, não permite eleições livres, controla a imprensa e promove o nepotismo a ponto de ter sucedido ao pai e de ter a sua própria mulher como vice-presidente do país. E, na falta de ucranianos para massacrar, massacra arménios, malta de quem em princípio ninguém quer saber. Era o que mais faltava, pôr em causa o negócio por causa de meia-dúzia de arménios.

Está de parabéns, a tia Ursula, e a democracia respira de alívio.