Europa Salazar

Na semana passada, Federação Russa levou a cabo exercícios militares com mísseis balísticos Iskander, no enclave de Kaliningrado, o posto avançado do Kremlin no nordeste da União.

Segundo o Ministério da Defesa russo, o exercício consistiu numa série ataques contra posições que simulavam sistemas de lançamento de mísseis, infra-estruturas estratégicas e outras alvos militares. O exercício simulou também operações em contexto de radiação e contaminação química.

Moscovo está em alerta nuclear desde o início da invasão. Para evitar o envolvimento directo dos EUA e garantir que o espectro do medo continua a assombrar a Europa.

Existem inclusive relatos que dão conta de uma tentativa de normalização do uso de armas nucleares, através da imprensa russa, toda ela controlada pelo Kremlin.

Este clima de intimidação permanente não é tolerável. E por muito que a NATO tenha provocado a Federação Russa – e isso não é apenas factual, é uma constante, desde a desintegração da URSS – existe uma diferença abismal entre os jogos de xadrez da NATO, que a Federação e os seus aliados também praticam, e a destruição em curso da Ucrânia, com a ameaça objectiva de um ataque nuclear.

Pagaremos cara, muito cara, a cobardia de não abdicar do conforto que o gás barato da oligarquia russa nos proporciona. Queremos armar a Ucrânia a todo o custo, mas somos incapazes de parar o fluxo de euros para as contas bancárias do Kremlin, que Putin usa para massacrar ucranianos. Esta Europa é como Salazar, a apoiar os Aliados e a vender volfrâmio aos nazis.

[Read more…]

UE apoia esforço de guerra russo com 35 mil milhões de euros

Holanda, Grécia, Itália, Hungria, Bulgária e Alemanha continuam a comprar petróleo russo. Se falarmos em compra de gás, o número de democracias (calma, não estou a incluir aqui a Hungria) que continua a financiar o massacre de ucranianos aumenta ainda mais. Entre o branqueamento comunista da barbárie e a hipocrisia colaboracionista de liberais, conservadores e social-democratas, venha o Diabo e escolha. Não se aproveita um.

O perigoso trilho da personificação do mal

É indubitável que Vladimir Putin é um déspota, sem escrúpulos. E a questão essencial não é se há outros ou não. Até porque sabemos que há.

A questão essencial é se só agora ele se revelou como tal.

Obviamente que não. E, no entanto, todo o chamado “Mundo Ocidental”, do qual fazemos parte, hoje chocado e revoltado com a sua ofensiva bélica sobre a Ucrânia, num conflito armado que dizima vidas inocentes, não se inibiu de fazer negócios, de engrossar fortunas, e até, ficar na sua dependência.

Já se sabia quem era Vladimir Putin quando a Europa – leia-se França e Alemanha -, aceitou ficar em grande parte dependente do gás russo. Ou quando Portugal foi à Rússia vender vistos gold. Ou quando a OTAN começou a expandir-se para o outrora Bloco de Leste, rumo à fronteira com a Rússia, em violação do compromisso por si assumido de não fazer tal.

Tudo isto foi acontecendo enquanto jornalistas, activistas e opositores a Putin, eram assassinados; enquanto os envenenamentos se tornavam uma espécie de instrumento de política internacional russa, etc.

Da mesma forma que o “Mundo Ocidental” sabe bem quem é e que é Xi Jiping e a China. E se a China resolver invadir a Ilha Formosa, ou Taiwan, ou que se lhe quiser chamar, o mesmo “Mundo Ocidental” que deslocou para a China a sua indústria, e que se tornou dependente dos seus fornecimentos de bens e capitais, vai bradar “Sacanas dos chineses! Maldito Xi Jiping!”. [Read more…]

Da normalização da brutalidade

Algures numa zona residencial sem interesse estratégico, perto de Kiev, uma família inofensiva e desprotegida foi cobardamente abatida por fogo russo. Adultos e crianças, ninguém sobreviveu à brutalidade.

Habituemo-nos. É frio de se dizer, mas é isto que nos espera durante as próximas semanas. Ou meses. Ou anos. E não foi por falta de aviso. Putin foi muito claro, em 2014, quando ocupou a Crimeia. Mas os rublos eram tantos e o gás era tão barato…

O Putin é mau, mas o gás dele é muito jeitoso

Não tinham passado 24 desde o reconhecimento da independência das repúblicas-fantoche de Lugansk e Donetsk. E, daí a outras 24, o exército de Putin atravessaria a fronteira da Ucrânia, dando início a invasão para a qual os membros da NATO estavam a alertar há vários dias. Tal não os impediu de comprar centenas de milhões de euros em gás, petróleo e outras commodities russos. Presumo que terá presidido à decisão o mesmo espírito que procurou excluir marcas de luxo do primeiro pacote de sanções. Ou abrir as comportas dos espaços aéreos, convictamente fechados à malvada Rússia, para que os pobres oligarcas pudessem entrar no seu playground. Ou, em geral, a mesma convicção democrática que nos leva a ter os chineses como principal parceiro de negócio. Os campos de concentração, perdão, de reeducação para Uigures não se vão pagar sozinhos, não é?

“Esverdeamento”

O ano acabou mal, com a Comissão Europeia a classificar os investimentos em energia nuclear e gás como sustentáveis no processo de transição ecológica. A taxonomia é um sistema de classificação de produtos financeiros à escala da UE, destinado a orientar capital directo para a transformação verde da produção de energia e da economia.

E como os lobbies falam mais alto, a CE, na sua habitual incoerência entre o palavreado e a prática, apresentou aos 27 Estados-membros, na sexta-feira, uma proposta de rotulagem verde para centrais nucleares e a gás, abrindo assim as portas a que milhares de milhões continuem a fluir rumo a tecnologias nocivas e ultrapassadas – ao invés de serem aplicados em energias renováveis.

Além das consequências ambientais devastadoras destas formas de energia, hoje os sistemas energéticos baseados em energias renováveis são já mais baratos do que o nuclear e os combustíveis fósseis, criam mais empregos e possibilitam a criação descentralizada de valor, em vez de concentrar o poder económico em algumas grandes empresas.

Mas não há maneira de a responsabilidade e a sensatez falarem mais alto do que o dinheiro.

Pod do dia – Sem gás

“Desculpe, Sr. Correia, mas não temos.”

Aventar Podcast
Aventar Podcast
Pod do dia - Sem gás







/

A mais cobiçada arma russa não é a bomba atómica, é a Gazprom

gas

[ António Alves * ]

Há cerca de um ano o mundo esteve à beira da confrontação por causa de um vídeo colocado no YouTube. Mostrava um massacre e pretendia provar que o regime sírio tinha usado gás sarin para matar indiscriminadamente população civil. O vídeo mostrava um elevado número de crianças mortas. John Kerry afirmou ao mundo que os americanos tinham provas obtidas “por outros meios”, a partir de “fontes independentes”, “através de processos adequados” contra o regíme Sírio. Os EUA ameaçaram bombardear a Síria.

“Sabemos que o regime [de Bashar al-Assad] ordenou o ataque, sabemos que eles se prepararam para isso. Sabemos de onde foram lançados os rockets. Sabemos onde caíram. Sabemos os danos que eles causaram. Vimos as imagens terríveis divulgadas nas redes sociais e temos provas [do que aconteceu] obtidas por outros meios. E sabemos que o regime tentou encobrir tudo, por isso temos uma argumentação muito forte” – John Kerry

Os russos e chineses ameaçaram auxiliar a Síria. Felizmente houve bom senso e a crise arrefeceu. Mais tarde, veio a provar-se que os rebeldes fundamentalistas islâmicos, que são financiados por potentados árabes amigos dos EUA, eram useiros e vezeiros no uso de armas químicas e, muito provavelmente, mataram premeditadamente inocentes com gás sarin [2] para inculpar o regime de Assad. Nos media ocidentais o coro que então culpava sem provas o regime sírio era praticamente unânime. Por trás do conflito na Síria está o interesse do Qatar e dos EUA [3] em abrir território para fazer chegar um gasoduto à Turquia de forma a abastecer a Europa e retirar à Rússia a sua força estratégica: o gás de que a Europa depende e a Gazprom tem.

A guerra segue dentro de momentos numa Europa perto de si. Não perca os próximos episódios.   * texto de 2014

Pensavam que dói a todos por igual?

Contribuição extraordinária para o gás, electricidade e petróleo é válida até Outubro de 2014. Toma!  Senhores do governo, se não se importam, o meu ano fiscal também é para terminar em Outubro.

Da série ai aguenta, aguenta (2)

Famílias devem 49 milhões de luz e de gás

 

Repita lá: nove por cento?!

Com o trombetismo arauteiro do costume, informaram-nos acerca de um “chorudo negócio” que Portugal assinou com espanhóis e alemães, os eternos “caçadores de proximidade”. Explorar-se-ão jazidas de gás na costa algarvia e a dita prospecção custará aos estrangeiros, a “astronómica soma” de 30.000.000 de Euros. Enfim, uma quantia tão colossal que apenas se aproxima do montante regularmente pago quando da renovação da frota automóvel do Estado.

Poderão certeiramente argumentar de que nada percebemos destes assuntos e terão toda a razão do seu lado, exceptuando na questão do número em si: 9% (nove por cento)? Digam-nos uma vez mais, queremos entender.

Seria interessante explicarem-nos o porquê da ausência da GALP num assunto que devia ser monopólio nacional. Mesmo que a tal “Europa” não goste, existem sempre maneiras para se “fazer de conta” e gerirmos melhor os nossos interesses. Neste caso e como um certo senhor dizia, “em política, o que parece, é“. E é mesmo, isto tresanda a colonialismo do mais descarado, coisa que por cá já não se via deste os tempos em que o último vizir foi chutado para além do Estreito de Gibraltar.

Que pena não termos um Xá… Este também assinaria o contrato e aguardando na gaveta, lá estaria o futuro decreto de nacionalização. Parece-vos que os ingleses e os noruegueses nos imitariam, concedendo  prospecções quase grátis no Mar do Norte?

PEC : Em greve!

Greves ! Tudo por conta do PEC – Programa de Empobrecimento do Contribuinte.

Até ao dia 1 de Maio manifestações e concentrações de trabalhadores e oito greves na Função Pública! Os transportes vão ser os mais afectados com as principais empresas do sector a ter paralisações até ao final de Abril. Depois da greve dos revisores da CP de ontem, a partir das 3 da manhã de hoje vamos ter a dos funcionários dos transportes do Sul, por congelamento dos salários numa empresa altamente lucrativa.

Para além das greves no sector dos transportes temos ainda as greves dos trabalhadores da Petrogal, da Gás de Portugal, mineiros da Panasqueira, CTT e da empresa Proundmoments ????

Sempre quero ver como é que as empresas vão poder pagar os vencimentos aos gestores…

Se não fossem os mineiros da Panasqueira e a empresa Proudmoments, estava contra!