Eduardo Lourenço, nascido em S. Pedro de Rio Seco, há 89 anos.

«Num presente tão ocupado consigo mesmo e hoje, como o de todos os povos, em estado de obsolescência permanente, esta nossa maneira de ter passado como se o não tivéssemos, ou tendo-o para nos exaltarmos oniricamente com ele, é um sério obstáculo para conceber um futuro onde o que nos sonhamos de melhor e específico seja realmente, como toda a pulsão futurante deve ser, filho das exigências e dos imperativos de um presente singular»

Eduardo Lourenço, “Nós como futuro”

Vence, 14 de Julho de 1997

Parabéns

Mesmo que ele não oiça, eu lhe digo, eu lhe escrevo do meu lugar insignificante e desconhecido das grandes estrelas: «Parabéns».

Parabéns, professor Eduardo Lourenço, pelos seus 89 anos. Muitos a pensar, numa permanente interrogação! Muitos pensamentos sobre isto do que é viver, sobre isto que é Portugal e os portugueses. É um orgulho para nós que seja português e, sobretudo, um filósofo português.

Escolher entre tanto pensar é difícil. Eis alguns pensamentos:

Que o português médio conhece mal a sua terra – inclusive aquela que habita e tem por sua em sentido próprio – é um facto que releva de um mais genérico comportamento nacional, o de viver mais a sua existência do que compreendê-la. (…)

Como a palavra comum, e mais do que ela, a escrita é um risco total. De uma maneira geral ninguém a lerá como o seu autor a concebeu. Ela será ocasião inevitável de desentendimento, desatenção, porventura irritação ou desprezo, mas igualmente de comunhão possível, de entusiasmo, sobretudo de veículo para o transporte do próprio sonho. [Read more…]