Hoje, fui ajudar a minha mãe nas compras

e fiz publicidade gratuita ao Pingo Doce (nada contra, mas não sou cliente, moro no estrangeiro), ao leite Matinal (não bebo leite) e à Hoffen (desconheço a marca, só conheco o conceito, porque falo alemão). Por uma boa causa. Boa? Óptima!

Há muitos anos, perguntava Othello:

What is the matter heere?Ora bem, fazendo de Montano, respondo: por um lado, o que diz o Maio, por outro, o que recorda o Moreira de Sá. Haja Aventar.

Uma aparente recaída

It was a little melody I had, and I started writing words. They seemed to be very simple and very corny, but they seemed to fit. There was no way I could make them more grammatical. Girl I love you so bad-ly…it had to be Girl I love you so bad.
Paul McCartney

Shut up and listen. And learn.
Mike Patton

***

Hoje, durante um intervalo para tomar café e depois de ter respondido às mensagens de amigos preocupados com a situação na Bélgica (e na Alemanha), li isto:

Aparentemente, mais uma recaída do Expresso. No entanto, não. Trata-se, isso sim, de uma honestíssima transcrição da informação veiculada pelo excelente Público, onde a diferença entre susceptível [suʃsɛˈtivɛɫ]  e *suscetível [suʃsɨˈtivɛɫ] é conhecida.

Expresso está de parabéns.

***

Anedota

Pai, tenho uma confissão a fazer.
Então? O que se passa? Senta-te aí.
Não é preciso. Isto é rápido.
— OK.
Pai, fui condenado a dois anos de prisão efectiva por branqueamento de capitais.
— Branqueamento de capitais?
— Branqueamento de capitais.
— Branqueamento de capitais?
— Sim, branqueamento de capitais.
És bom aluno?
Não. Aliás, nunca fui.
Trabalhas?
Não!
Tens carro?
Não…
Tens casa própria?
Não. Moro em tua casa.
Então, não foste condenado por branqueamento de capitais, foste condenado por lavagem de dinheiro!

Foto: Ricardo Lopes (https://bit.ly/3xE3JYO)

Golo do presidente

Efectivamente, golo do presidente.

GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOLO!

Nótula pessoal: Neste exacto momento, como nunca tive o dom da ubiquidade, estava no Dramático de Cascais. Mas depois redimi-me e fui ao Bessa (fica perto de casa e dei um abraço ao Toni).

***

Efectivamente, exactamente

Como diz o excelente leitor do costume, «Dupond & Dupont, perdão, os inspectores e os inspetores».

Desejo-vos um óptimo fim-de-semana.

***

O meu avô materno era de Fiscal

Todavia, o jornal da resistência silenciosa em tempos de liberdade de expressão equivocou-se. Efectivamente, Conselho Fiscal ≠ Conselho de Fiscal (aliás, Fiscal não é nem conselho, nem concelho, é freguesia). Penso eu *de que.

***

«Is everybody in?

The ceremony is about to begin».

50 anos sem Jim Morrison

I’m the Lizard King. I can do anything.
Jim Morrison

***

Pois é. E digo-vos mais: o nosso JJC jamais me perdoaria se me esquecesse deste dia. A sorte é que a minha querida esposa vê televisão, porque eu só me lembrava da data de nascimento (8 de Dezembro de 1943, seus ignorantes).

JJC, já agora, diz ao Jimbo que, amanhã, depois de comprado o arco para a guitarra na loja dos violinos (depois explico-te), vou buscar o livro dele à Waterstones cá do burgo.

Photo by Michael Ochs Archives/Getty Images

Um grande abraço para ti e, já agora, outro para ele.

Fome de vencer II

A fome podia ser muita, mas os acentos lá se safaram. Exactamente. Efectivamente.

Foto: Francisco Miguel Valada (28/06/2021)

Daqui vê-se a minha casa

Foto: Francisco Miguel Valada (25 de Junho de 2021)

Efectivamente, Selecção

«Les Bleus concèdent le nul contre la Selecção». Exactamente, ‘selecção’ ≠ ‘seleção’.

Foto: UEFA EURO 2020

No Ano Europeu do Transporte Ferroviário

(exactamente), eis um excelente apontamento da TSF, com a “enciclopédia sobre carris”. Efectivamente, o nosso Dario Silva.

[Foto: FD]

CR7

Foto: Pool via REUTERS (https://bit.ly/2SFP3ca) Cristiano Ronaldo: Im Spiel gegen Ungarn erst spät erfolgreich, dann aber doppelt

Fernando Santos piscou o olho

Efectivamente. Exactamente.

«Estudem, que vos faz falta» e «vai estudar, Relvas»

Estudar é bom. Aliás, trata-se de verbo adoptado na melhor imprensa portuguesa e nos melhores certames ciclísticos internacionais. A vírgula na segunda citação é da minha inteira responsabilidade.

O contributo dos Nirvana para a Lexicografia pode ser ouvido

durante os primeiros três minutos e dez segundos desta entrevista.

O Aventar e as felizes coincidências

No mesmo dia, my name is Prince (apud Grantis) e my name is Richard.

Donna Grantis

Há uns anos, o Prince disse: «say ‘what’s up?’ to Hannah on the drums, say ‘what’s up?’ to Ida on the bass, Donna on guitar. My name is Prince». A Donna do Prince é a Donna Grantis. Say ‘what’s up?’ to Donna, sff.

O extraordinário caso do *externado com notas *inflaccionadas

Duh-dih-dih-dah-duh-dah-duh-dih-dah-dah-dah-dah.
Flea

***

Trata-se de um caso extraordinário, extremamente curioso e, como outros, merecedor de distinção. Mesmo assim, cá entre nós, prefira-se *inflaccionadas a *inspeção (aliás, entre *inspeção e *externado, venha o diabo e escolha). Há razões que explicam a hipercorrecção *inflaccionadas. Nada explica *inspeção. Nada.

Os *fatos também têm explicação.

Continuação de uma óptima semana.

Nótula: João Mendes, obrigado pela notícia.

***

As situações “não podiam ter acontecido”,

mas aconteceram: “aglomerados”, “andar sem máscara”, “consumo de álcool nas vias públicas”. Efectivamente.

Os jornalistas do jornal O Jogo são mouros e Tuchel é um exagerado

«É um clube fantástico, desde jovem que os acompanho quando jogaram a final frente ao Bayern Munique [em 1986].» Foi em 1987 e o FCP não é fantástico.

O chilreio do dia

De Sara Barros Leitão: «Como é que eu sei que os turistas chegaram ao Porto? São 9h10 da manhã, fui comprar pão ao café da esquina e sai um pedido de uma Francesinha com meia de leite para uma mesa na esplanada».

Se o arco-íris fosse azul e branco, OK.

Não hasteamos bandeiras não protocolares”. Pois. Que chatice, o arco-íris não é azul e branco.

Como diria o outro, é que isto é mesmo assim

É exactamente como diz RSP (aka CFA): «O Expresso, a SIC Notícias, o Observador e outros publicam a notícia como a recebem. Provavelmente sem sequer lerem. Como fazem tantas vezes». Efectivamente, só não sabe quem não vê/lê.

Há ambiguidades e ambiguidades

As que podem ser evitadas («Bloqueio nos fundos da UE para proje[c]to de milhões na área do regadio») e aquelas que não («Gonçalo Ramos e Darwin viram jogo na Choupana»).

É por estas e por (muitas) outras que, em meios profissionais, recomendo sempre a distinção entre

Porto e FC Porto. Estes “Porto boss” e “Porto’s boss” soam-me demasiado à famosa “quadrilha de Chicago“. E a culpa, obviamente, não é de Sérgio Conceição.

Foto: Octávio Passos.

Lembrete: em português europeu, Abril não é abril

Em português europeu, Abril é Abril. Efectivamente, sempre.

O jornal O Jogo quer ser uma versão foleira do L’Osservatore Romano

Não dá notícias: limita-se a citar o papa. Mete umas aspas e, pronto, poupa imenso em salários.

António Costa não está em Lisboa

Está numa localidade que desconheço: está em direto (com minúscula ???).