Isaltino Morais na festa da SIC: tudo está bem, quando acaba bem

SIC

Fotografia: Tiago Miranda@Expresso

A SIC tem uma nova casa, em Paço de Arcos, e, como seria de esperar, fez uma festa de inauguração à qual nem Marcelo Rebelo de Sousa faltou, quiçá na esperança de se cruzar com a amiga Cristina, que a senhora deve ser mais difícil de apanhar do que o próprio Presidente da República. [Read more…]

O interino

Este é Juan Guaidó, fotografado em 2014. Este é o “presidente interino” em defesa do qual o governo português fez um ultimato ao Estado soberano da Venezuela.
Lindo serviço.

O Interino

O que fazer com tanto dinheiro, caso acabemos com a corrupção – um abecedário de sugestões que podem mudar Portugal

CP

Entre resgates, nacionalizações e outras piratarias, as aventuras dos mercenários da banca portuguesa custaram, nos últimos 10 anos, perto de 17 mil milhões de euros aos cofres públicos. Leu bem, caro leitor: 17 mil milhões de euros. Pagos por todos nós sob a forma de impostos, cortes nas funções sociais do Estado, privatizações low cost e incrementos sucessivos de dívida pública, da qual dificilmente nos livraremos, porque ela é pura e simplesmente impagável.

E se o caro leitor ficou perturbado com estes números, que são, efectivamente, perturbadores, vou então contar-lhe um segredo mal guardado: este valor, que, sublinhe-se, diz respeito a 10 anos de ajudas à banca, não chega para pagar um ano de corrupção em Portugal. Sim, um ano. Segundo um relatório apresentado recentemente no Parlamento Europeu pela Aliança Livre Europeia, o fenómeno da corrupção em Portugal tem um custo anual de qualquer coisa como 18,2 mil milhões de euros, custo esse que, como qualquer prejuízo de monta, acaba socializado por todos os contribuintes. Deve ser a isto que a direita do século passado se refere, quando afirma que o socialismo lhe vai ao bolso. [Read more…]

No país do “rir é o melhor remédio”

“Portugal não é um país para gente séria. Quem é sério está tramado.” “Detesto viver neste país faz de conta, de tansos, cobardes, ladrões, corruptos e sem lei. Portugal mais parece o Far West. Não sei se dá para rir ou chorar!? Somos um país de paródia, sem direito, sem razão, sem uniformidade, sem equidade, sem rigor, sem dignidade, sem imparcialidade”, frisa Joaquim Jorge.

Todos sabemos que rir é das coisas melhores da vida. De preferência à gargalhada, até às lágrimas.

Mas rir da tristeza

– das leis que não são para cumprir (ou só para alguns cumprirem) e dos alçapões das leis; da sangria aos cidadãos para assegurar lucros privados; da corrupção pequena e grande e da impunidade; da subserviência aos chefes e da prepotência dos chefes; da arrogância de funcionários que nos deveriam servir dignamente; do empurra-empurra de competências entre instituições, para se pouparem ao trabalho; das cunhas imprescindíveis para resolver o que deveriam ser direitos; da desorganização que nos faz perder tempo de vida; do sebo das amigalhices e negociatas por baixo dos panos (ou até por cima); do poder opaco de certas Ordens empresariais, profissionais, clubistas ou secretas; do “se não aproveitas és burro”; da comentadoria emproada e produtora de nevoeiros; da generalizada desresponsabilização pelo bem comum e pelo planeta; da sobranceria perante o empenhamento cívico em prol de causas públicas, onde ele existe, e da falta do mesmo; do desistir “porque não adianta nada”, do enfiar a cabeça na sua própria vidinha e interesses –

rir de tudo isto, não é mais do que cinismo. Cinismo e canalhice.

Sejamos melhores em 2019, se possível, sem deixarmos de rir. Chin chin.

Quem são os Coletes Amarelos em Portugal

No que respeita movimentações colectivas, sendo importante conhecer quais são os objectivos declarados, perceber quem as está a promover pode ajudar a avaliar a autenticidade das posições defendidas. Uma forma de o fazer consiste em procurar saber quem tem sido os promotores dos protestos dos Coletes Amarelos Portugal e que dimensão têm estes movimentos. [Read more…]

Mário Centeno está em Portugal

O Ministro das Finanças português foi visto, esta quarta-feira, na Assembleia da República.

Letter é le néante

Membros do Ministério Público da República Portuguesa anunciaram hoje em conferência de imprensa uma Greve.

[Read more…]

I Ching


A tradução mais disseminada do I Ching é, provavelmente, a inglesa. Serviu como cânone aos estudiosos ocidentais e marcou a proeminência dos ingleses no câmbio civilizacional entre o ocidente e a China.
Depois houve um alemão – amigo de Jung – que o traduziu também. Os brasileiros, da editora Pensamento, usaram essa tradução para escrever o I Ching em português.
Mas também houve um padre jesuíta, português de nome Guerra, que verteu o Livro das Mutações para a língua da terra “onde o Mar começa”.

Bem-vindo, Presidente Xi Jinping!

A era do Espírito Santo

O deputado Sérgio Sousa Pinto publicou no jornal Expresso um artigo em que discorre sobre os recentes acontecimentos de Paris, envolvendo pedrada, polícia e povo. Independentemente de se concordar ou não com o que escreve, há uma conclusão que esse artigo de imediato suscita. Sousa Pinto sabe pensar e sabe escrever, coisa que se não pode dizer da quase totalidade dos actuais dirigentes socialistas. Talvez nunca, na história do PS, tenha sido tão acentuado o grau de indigência intelectual e política, transformado que está este partido num bando de Zés Pereiras, tocadores de bombo, cuja principal virtude é não terem rigorosamente virtude nenhuma, além da que os faz tocar bombo alegremente e marchar como bonecos de corda numa procissão de falidos ideológicos. O PS é hoje esta espécie de galinheiro. Uma agremiação de criados de servir e cabeleireiras, incapazes de produzir uma única reflexão válida sobre o seu país ou o mundo, que vá além da cartilha de má propaganda do chefe, ou de umas bojardas inconsequentes sobre touradas e contadores de luz. Chama-lhe civilização. É pouco para um partido estruturante do regime. É muito pouco se tivermos em conta que do outro lado do espelho político está um saco de gatos chamado PSD, cuja genial estratégia é fingir-se morto, chegando a fingir que é morte a morte que, de facto, o atingiu.

E Portugal chegou a isto. À antecâmara da era do Espírito Santo.

João Rodrigues Cabrilho é português

João Rodrigues Cabrilho, Montalegre, Portugal. Fotografia: Bruno Santos

 

MOÇÃO

João Rodrigues Cabrilho é português

No dia 28 de Setembro, realizou-se em S. Diego, Estado da Califórnia, dos USA, o tradicional Cabrilho Festival que já vai já na 55.ª edição. Nele se concentram delegações oficiais de Portugal, Espanha, México e Estados Unidos pelas razões de Cabrilho ser português, explorar a costa da Califórnia a expensas dos reis de Espanha, a sua armada de 3 barcos partir do México e descobrir a costa da Califórnia respectivamente.

[Read more…]

Põe os olhinhos, Portugal

Fotografia: Javier Soriano/AFP@El País

Aqui ao lado, na vizinha Espanha, o antigo ministro da Economia de Jose Maria Aznar, Rodrigo Rato, foi condenado a uma pena de prisão efectiva de 4 anos e meio por corrupção, encontrando-se já encarcerado.

Por cá, corrupto que é corrupto safa-se com penas suspensas e férias em domiciliária, onde pode alegremente usufruir do fruto dos seus crimes, que em momento oportuno colocou em nome da mulher e dos filhos.

Por cá, corrupto que é corrupto raramente é incomodado pela justiça, o que motiva o sector a apostar, ano após ano, na mesma prática de sempre, com resultados comprovados. [Read more…]

A náusea

Antes que do cadáver social em que se transformou Portugal se volte a fazer qualquer coisa parecida com um país, muitos anos e até gerações hão-de passar. Embora seja sem surpresa – para alguns – que se alcançou este estado, a visão da decrepitude cívica, social e política, o aroma do medo, da ignorância que cresce como uma conspiração, e do desprezo pelos mais básicos valores de uma civilização digna desse nome, não deixa de comover quem um dia tenha ganho consciência de que um país não pode ser uma latrina, uma sociedade um saco de bufos, ou uma República um covil de ladrões. Ladrões que o que mais roubam nem é o metal que compra o luxo ou o privilégio injusto, mas a singela esperança de um dia podermos vir a ser, enquanto comunidade, algo mais que uma espelunca moral.

Acaba o voo entre Lisboa e Pequim

Uma notícia do passado dia 22 de Agosto, que passou relativamente despercebida, deu conta da suspensão do voo directo entre a capital de Portugal e a capital da República Popular da China, voo esse inaugurado a 11 de Julho de 2017 (há cerca de um ano atrás), em cerimónia presidida pelo Primeiro-Ministro de Portugal, António Costa, e pelo Presidente do Parlamento da República Popular da China, Zhang Dejiang.

[Read more…]

Postais da Raia #1 (Sabugal e arredores)

100 carvalhos para 1 eucalipto

Este slideshow necessita de JavaScript.

é a proporção anunciada nos folhetos de informação turística do concelho do Sabugal, onde residem 12544 almas, menos que as que povoam normalmente o campus da Universidade de Aveiro e isto chegaria já para ser espantoso se outros concelhos não houvesse no país com ainda menos almas. 40% destas 12544 almas, são pessoas com mais de 65 anos. Não sei qual a proporção de carvalhos por pessoas idosas, mas palpita-me, pela paisagem que fui cruzando ontem e hoje, que deve ser mais ou menos a mesma que a dos eucaliptos.
 

[Read more…]

A política como dejecção moral

Num miserável e infame Despacho de Acusação, digno da mais persecutória polícia política, a Comissão Federativa de Jurisdição da Federação Distrital do Porto do Partido Socialista, Federação cujo vice-presidente é o actual presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, acaba de propor, como eu já aqui tinha antecipado, a minha expulsão do PS.

Uma das acusações infames nas quais a Comissão Federativa de Jurisdição baseia essa sentença de expulsão, é a de eu ter sido um “agente comercial” ao serviço da República Popular da China, enquanto exerci funções na Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia.

[Read more…]

May ou a City?

Espera-se que Portugal esteja a trabalhar convenientemente um acordo bilateral pós-Brexit. No caso de este vir a acontecer.

10 de Junho

Galiza é Portugal

Aproveitando a situação política no Reino de Espanha, a Galiza declara unilateralmente a sua independência e integração na República de Portugal. Isto a julgar pelo novo mapa no noroeste peninsular bordado numa camisola desportiva, hoje, numa loja da especialidade em Dosenbach, em Zurique. “Seguimos juntos!”
© Márcio Silva

Portugal apontado como mau exemplo no Parlamento Europeu devido aos Vistos Gold

O dealer Armand Arton, vendedor de passaportes no Global Citizen Forum, um evento para a super elite do 1%.

Portugal, em parceria com Malte e Chipre, como exemplo de más práticas financeiras pela promoção do branqueamento de capitais e corrupção através dos vistos Gold.

Não é novidade nenhuma, há 5 anos que Ana Gomes alerta para que esses esquemas incentivam a corrupção e ameaçam a integridade do sistema financeiro e a segurança dos cidadãos. Alguns nomes até são conhecidos. Isto para não falar na falta de moralidade decorrente do simples facto de que basta ser rico para se entrar e continuar os negócios como membro no clube europeu, enfim.

Já os eurodeputados Paulo Rangel e Nuno Melo acham muito bem que a elite dos super abastados tenha direitos especiais e oportunidade de fazer o que lhe convém com os montantes obtidos de modo ilícito ou não; Para defender a pouca vergonha dos vistos gold de Portugal, Paulo Rangel aponta – e com razão – o dedo à pouca vergonha de países como a Holanda, com a baixeza das suas taxas fiscais; ou seja, a UE é um chiqueiro em matéria de regulamentação financeira e fiscal e as hipocrisias são estridentes. Mas a Comissão diz que não tem competências nesta matéria. Pois era o que faltava, as competências que tem utiliza-as para investir em projectos destinados a subjugar os cidadãos ao capital global (acordos de livre comércio, tribunal multilateral de investimento). Isso é que vale a pena e obtém o apoio dos estados-membros no Conselho.

E é assim que os governos competem entre si para engraxar os sapatos às grandes empresas com paleio seboso e à custa do suor dos cidadãos europeus, desapropriando-os de valores e direitos.

Depois façam-se de admirados pelas facturas “populistas” que andam a receber…

Rosas do abismo

“Calmo na falsa morte”, Lima de Freitas, Acrílico sobre tela, 1985

Parece que a nova moda entre uma certa inteligência nacional é espalhar a ideia, não só de que Portugal é um país racista, mas também que toda a sua História é uma expressão antiga, intemporal, desse racismo.

Este ataque ao carácter da Nação e ao seu legado é uma forma de revisionismo, de falsificação histórica e ocultação, que pretende apagar da memória colectiva, principalmente da que servirá as novas gerações, o verdadeiro sentido do projecto Português no mundo e os pilares da sua identidade. Pretende, no fundo, armadilhar o futuro, esvaziando o céu de uma terra que há muito perdeu o chão.

[Read more…]

A diplomacia portuguesa está de parabéns!

Fotografia: Gil Cohen-Magan/AFP@Middle East Eye

Hoje é um daqueles dias em que me sinto verdadeiramente orgulhoso por ser português e europeu . No dia em que os EUA trumpizados exibem ao mundo a sua mais recente canalhice pirómana, a União Europeia em peso não se fará representar na inauguração da embaixada americana em Jerusalém. Só mesmo alguma tralha fascista que por cá temos, residual e pouco representativa dos valores fundadores da União, marcará presença neste momento de radicalismo populista e incitação à violência. O KKK europeu a ser igual a si próprio.

Ainda que simbólico, este acto de rebeldia agrada-me. Como me agrada que os signatários europeus do acordo nuclear com o Irão não tenham cedido à chantagem do Adolfo nazi de cabelo laranja. Não sou antissemita, não embarco no radicalismo de culpar todos os israelitas pelos erros e abusos dos políticos corruptos e dos banqueiros terroristas que efectivamente mandam em Israel (e nos EUA), mas estarei sempre do lado do boicote a governos fascistas, belicistas, fanáticos e racistas, que não respeitam direitos humanos e que usam a tortura e o sofrimento de inocentes para impor a sua agenda política.

Por tudo isto, que não é pouco, quero endereçar os meus sentidos parabéns à diplomacia portuguesa, por, uma vez mais, optar por não fazer fretes a tiranetes.

Portugal à venda

Diz assim o anúncio:

Quer residir ou investir em Portugal? Nos dias 15 e 18 de Maio, vamos ter duas sessões de apresentação exclusivas sobre o mercado imobiliário em Portugal, os regimes de incentivo ao investimento (Visto Gold e Residentes Não-Habituais) e reuniões individuais para esclarecimento de dúvidas.

e é da empresa JLL:

uma consultora internacional especializada na prestação de serviços de imobiliário para clientes que procuram obter valor acrescentado na promoção, na ocupação ou no investimento imobiliário. Com mais de 300 escritórios em 80 países, servimos as necessidades locais, regionais e mundiais de clientes, fazendo crescer a nossa empresa ao longo do processo.

Impacto disto, já real, é:

“Fundos imobiliários, bancos e seguradoras compraram ruas inteiras e as consequências são desastrosas”.

E o resultado, também já real ou a caminho disso, é este:

Quando se olha para o que se está a passar em Lisboa (e no Porto) percebe-se essa tendência. Os centros das cidades estão a ser ocupados por quem tem dinheiro para investir e isso vai conduzir à desertificação dos cidadãos locais, mesmo daqueles que, como classe média, ainda tentavam resistir. E Portugal, nesse aspecto, surge como um lugar seguro para elites francesas ou brasileiras. O centro das cidades começa a parecer-se com enormes condomínios privados. Um dia destes os presidentes das juntas de freguesia da parte central de Lisboa serão eleitos por eles próprios, porque não haverá eleitores. Ou seja, a democracia está a suicidar-se com esta aparente “economia de mercado”.

Tudo, mas TUDO, se transforma em mercadoria. Vencem os poderosos.

É uma história muito simples. Tão simples e que tanto dói.

Diplomacia, demagogia e hipocrisia: o caso Skripal e o oportunismo político

BPR.jpg

Indústria petrolífera à prova de sanções diplomáticas. Fotografia via CBS

Percebe-se o desespero de Fernando Negrão e a necessidade de se pôr em bicos de pés para tentar marcar a agenda mediática com declarações como as que proferiu ontem, que de resto mais não foram do que uma espécie de retweet parlamentar das declarações proferidas no dia anterior por Paulo Rangel na SIC Notícias. Ou não estivéssemos perante um líder parlamentar desorientado, cuja primeira linha de oposição que enfrenta está no interior do próprio grupo parlamentar que tenta, sem grande sucesso, dirigir. Um líder parlamentar fragilizado, em sintonia com uma direcção partidária enredada em casos que se sucedem, sob fogo cerrado da imprensa afecta ao passismo. É natural que recorra ao facilitismo deste tipo de subterfúgio. [Read more…]

Do vale à montanha

Aleph | O Ponto da Bauhütte | BS 2005/2018

 

“Do vale à montanha,
Da montanha ao monte,
Cavalo de sombra,
Cavaleiro monge,
Por casas, por prados,
Por quinta e por fonte,
Caminhais aliados.

[Read more…]

A minha inconstitucionalidade é menos inconstitucional do que a tua

Já várias personalidades da primeira linha do poder europeu se pronunciaram sobre o desenrolar dos acontecimentos na Catalunha. Há vários elementos comuns nos seus discursos, a par do apoio incondicional ao governo espanhol, mas há um argumento, absolutamente legítimo, que importa destacar, e que foi central no processo de intervenção externa a que Portugal foi sujeito.

Não que sejam situações iguais, é óbvio que não o são. Mas é fascinante, para dizer o mínimo, que todos estes chefes de Estado, dirigentes europeus e porta-vozes hoje afirmem, do alto dos seus púlpitos e com seus megafones virtuais em punho, o primado da constituição espanhola. O imperativo do respeito pela lei fundamental. A suprema prevalência do Estado de Direito.

Onde é que estes gajos andavam quando o governo Passos/Portas passou quase cinco anos a (tentar) atropelar a Constituição da República Portuguesa? Ah, já sei: estavam na retaguarda dos ditos, a disparar chumbo grosso sobre a lei fundamental e o Estado de Direito português. Aparentemente, para a nata política da União, algumas inconstitucionalidades são menos inconstitucionais do que outras. Como é que o projecto europeu não haveria de estar de boa saúde?

Crónicas do Rochedo – XXI :: Referendo da Catalunha, E se D. Afonso Henriques…

CATALUNHA
Aos olhos de alguns, muitos, que analisam o problema da “legalidade” do referendo da Catalunha imagino o que passou D. Afonso Henriques…
 
Aos 14 anos, armou-se a si próprio cavaleiro (uma ilegalidade, tendo em conta as regras da época). Não satisfeito, luta contra a sua mãe e vence em 1128 a famosa Batalha de S. Mamede e declara o Reino Portucalense como independente (sem referendo, coisa que à época não era costume), contrariando todas as leis vigentes (de Castela, diga-se). Em 1139 vence a Batalha de Ourique e afirma-se como Rei de Portugal, contrariando as leis da época – podemos considerar as batalhas como uma espécie de “referendos” de hoje? Só mais tarde, em 1143 é que Castela aceita a independência (Tratado de Zamora) e só em 1179 a Santa Sé reconhece o Reino de Portugal. Ou seja, se a coisa dependesse do cumprimento das leis soberanas de Castela (e Leão) ainda hoje andava a malta a discutir a realização de um referendo cumpridor da Constituição de Espanha, para que, cada um dos habitantes deste pedaço de terra, chamado Portugal, fosse um país soberano e independente. É isto, em resumo, que defendem os actuais legalistas, certo?
 
A escolha dos habitantes da Catalunha só pode ser feita através de um referendo (as batalhas caíram em desuso). Um referendo livre e democrático. Se votam a favor da independência ou contra ela é uma decisão de cada um dos eleitores do respectivo território, a Catalunha . Querer fazer depender disso o cumprimento integral do disposto na Constituição de Espanha é uma aberração política. O mesmo se aplica, obviamente, a outros povos na mesma situação (dentro e fora de Espanha).
 
Ver tantos portugueses a referir-se ao referendo da Catalunha como uma violação dos preceitos jurídicos de Castela (desculpem, de Espanha) é, no mínimo, de ir às lágrimas…

Aí está o Diabo

image

Chegou para apoquentar Cristas e Passos – sobretudo este último.

Malditos esquerdalhos, até o capital controlam.

Pst! Aqui que ninguém nos ouve, estas notas especulativas das agências de rating valem zero, no sentido de não terem uma relação real com o estado do país. Não tiveram no passado, como não têm agora. Mas, politicamente, valem muito, ou não tivessem sido armas de arremesso dos ressabiados Cavaco, Passos, Portas, Cristas e demais fandangos.

A catástrofe financeira portuguesa e os comunas do FMI

O drama, a tragédia, o horror, as sanções, o desemprego galopante, a fuga de capitais, o défice de dois dígitos, o diabo e o resgate estão quase a chegar. Ninguém sabe bem quando, que a ditadura soviética torna impossível de prever o que quer que seja – o próprio diabo queixava-se há dias que os fascistas da CIG não o deixam em paz – mas sabe-se que tudo isto e muito mais está para vir. É o que dizem os spin masters do passismo defunto, pelo menos quando não estão a instrumentalizar emocionalmente os portugueses com os fogos florestais ou a elogiar a grandeza de Donald Trump e dos venturas desta vida. [Read more…]

Fazendo um desenho para explicar

Onde é que fica o Canadá?

A Sr.ª Cristina Miranda resolveu tecer umas quantas considerações tituladas “Porque Arde Tanto Portugal?“.  Não sendo pessoa de deixar o assunto pela rama, assim me parece, encontrou um conjunto de explicações para este nacional desígnio dantesco.

Tal como acontece nos testes de escolha múltipla respondidos aleatoriamente, algumas opções estarão certas, outras estarão erradas. Entre as respostas, parece-me ler um dedo acusador ao Estado, negligente, se bem que esta tese não explique como é que as matas nacionais da orla costeira têm ardido menos, comparando com cenário nacional. Nem explica, também, como é que Mação voltou a arder, mesmo quando o Estado fez tudo bem, segundo dizem. [Read more…]

Os portugueses e o período colonial

A maioria dos portugueses vê o nosso período colonial como uma coisa muito branda. A realidade foi bem mais negra, com o habitual cortejo de racismo, degradação, ignomínia. Filtramos o nosso passado pelas lentes rosadas da nostalgia, nuns casos, da ideologia, noutros casos, ou simplesmente pela ignorância. Penso que cresceríamos enquanto povo se soubéssemos mais da nossa história.

Não sendo eu imune à sociedade que me rodeia, a seguinte passagem do “The Last Train to Zona Verde” de Paul Theroux, chocou-me, por ir de uma forma tão brusca contra a ideia convencional que tantos fazem do colonialismo português:

Probably more nonsense has been talked about, and more myths have been created around, Portugal’s imperial adventures than any other nation’s. The most ludicrous was “Lusotropicalism,” a cockamamie theory and mystique of racial harmony proposed in the 1930s, which posited that because of their unique temperament and culture the Portuguese were the Europeans best suited to adapting to other lands and dealing with equatorial natives — finding (so it was argued) common ground in sympathy and like-mindedness. “We understand the natives better than you do” was the Portuguese boast. This implies not only that Portuguese imperialism had been a triumph, but also that Angolans had colluded in their own enslavement and willingly offered up their diamonds and gold. Provavelmente as aventuras imperiais de Portugal geraram mais absurdos e mais mitos do que em qualquer outra nação. O mais ridículo foi o “Lusotropicalismo“, uma teoria sem sentido e mística de harmonia racial, proposta na década de 1930, que postulava que, devido ao seu temperamento e cultura únicos, os portugueses eram os europeus mais adequados para se adaptar a outras terras e lidar com os nativos equatoriais – encontrando (argumentava-se) terreno comum em simpatia e mentalidades semelhantes. “Nós compreendemos os nativos melhor do que vocês”, vangloriavam-se os portugueses. Isso implica não só que o imperialismo português tinha sido um triunfo, mas também que os angolanos haviam colaborado na sua própria escravização e ofereceram voluntariamente os seus diamantes e ouro.

[Read more…]

%d bloggers like this: